Conecte-se conosco

Economia

Alta da inflação muda a expectativa do salário mínimo para 2022

Confira a previsão de valor para o salário mínimo do próximo ano. Alteração deve mexer também com benefícios do INSS.

Publicado

em

Salário Mínimo 2022

O Ministério da Economia elevou para 10,04% a estimativa da inflação neste ano, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que também é a base da correção anual do salário mínimo. Isso quer fizer que a inflação alta vai mudar o valor do salário mínimo no ano de 2022.

Leia mais: Prazo para renovar CNH vencida em 2020 termina em dezembro

Se as expectativas do governo federal forem mantidas, o salário mínimo do ano que vem vai ficar acima do valor previsto inicialmente, que era de R$ 1.169. Dessa forma, o novo valor pode chegar a R$ 1.210,44. Hoje o salário mínimo no Brasil está em R$ 1.100.

Inflação e o salário mínimo

O reajuste mais alto no salário mínimo tinha sido até então no ano de 2016, com 11,6%. Apesar da expectativa de que o salário mínimo fique mais alto do que previsto inicialmente, isso pouco alivia a situação do brasileiro. Afinal de contas a inflação tem impacto no preço de todos os outros produtos e serviços.

Dessa forma, mesmo com o aumento no valor do salário, o poder de compra dos brasileiros deve continuar baixo no ano que vem. No Brasil, mais de 50 milhões de pessoas recebem o salário mínimo. Entre elas estão os trabalhadores de carteira assina e quem recebe benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Por isso, quando o salário mínimo sobe, o reajuste também chega nos valores pagos pelo INSS aos aposentados e pensionistas. O mesmo vale para o cálculo do seguro-desemprego, pago aos trabalhadores demitidos sem justa causa. O valor também tem como base o salário mínimo vigente.

Outro cálculo que muda com o novo salário mínimo é o PIS/Pasep. Ou seja, os valores são reajustados no abono salarial aos trabalhadores de carteira assinada. O PIS é pago pela Caixa Econômica Federal. Já o Pasep, voltado aos servidores públicos, é de responsabilidade do Banco do Brasil.

Publicidade
Comentários

MAIS ACESSADAS