Conecte-se conosco

Economia

Auxílio Brasil: 5,4 milhões de beneficiários do Bolsa Família podem ficar sem aumento prometido

Mudanças no cálculo do benefício e no limite de dependentes podem impedir o acesso de milhões de brasileiros ao programa.

Publicado

em

O governo federal quer substituir o Bolsa Família pelo Auxílio Brasil, mas essa migração pode deixar cerca de 5,4 milhões de beneficiários sem o aumento prometido para a nova iniciativa. O número equivale a 37% dos 14,7 milhões de cidadãos inscritos no programa social.

Leia mais: Plano de Guedes para estabilizar preços dos combustíveis recebe apoio de governadores

As simulações foram feitas pelo Estadão/Broadcast com base Lei de Acesso à Informação (LAI). O documento indica as alterações previstas no cálculo do benefício para famílias em situação de extrema pobreza e no limite máximo de dependentes.

Criado para completar a diferença entre o valor do programa atual e do novo, o “benefício compensatório de transição” deve evitar a perda imediata, mas levará ao congelamento da quantia da ajuda em alguns anos. De acordo com as novas regras, o valor será reduzido à medida que o Auxílio Brasil sofre reajustes.

O Ministério da Cidadania incluiu as estimativas em seu parecer de mérito divulgado em 2 de agosto. Entretanto, como ainda não há fonte de recursos para ampliar o programa, as simulações consideram apenas o Orçamento já confirmado de R$ 35 bilhões.

Pelos cálculos do governo, a redução do valor seria compensada por um benefício temporário entre R$ 10 e R$ 173. “Para 50% das famílias mais afetadas, a diminuição do valor do benefício será de até R$ 46”, explica a pasta da Cidadania.

Motivo da mudança

Após analisar o documento, o economista Ricardo Paes de Barros avaliou que existem dois possíveis motivos para os cortes: a extinção do benefício básico ou o corte no máximo de benefícios variáveis.

O benefício básico tem valor de R$ 89 e é um direito de família em situação de extrema pobreza (renda total de até R$ 89 por pessoa). O especialista explica que uma família com renda próxima ao teto da faixa de extrema pobreza atualmente recebe mais que o necessário para cumprir o objetivo do programa e mais do que uma pessoa com renda parecida, mas um pouco acima dessa faixa.

A outra possibilidade diz respeito a uma redução no máximo de benefícios variáveis recebidos por filho menor de idade ou gestante. O Bolsa Família limita esse número a sete, mas o Auxílio Brasil deve reduzir para cinco. “Tem um quê aí de regular o tamanho da família, para não poder ser muito grande”, afirma Paes de Barros.

“Acho que devia ser livre, independentemente do número. É difícil qualquer pessoa que já teve um filho achar que, recebendo mais R$ 45, ou R$ 90 agora [com a mudança], vale a pena ter um filho”, completa, citando a perda desnecessária para esses grupos familiares.

Segundo dados do Ministério da Cidadania, 63.891 famílias se enquadravam nesse caso em setembro de 2021. Todas elas poderão sofrer com o impacto das novas regras.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Empresas

EDP Brasil reporta lucro líquido de R$510,5 mi no 3º tri, alta de 70,3%

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado marcou R$ 753,9 milhões

Publicado

em

A EDP Brasil reportou lucro líquido de R$ 510,5 milhões no terceiro trimestre, alta de 70,3% ante igual período do ano anterior, conforme balanço encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização ajustado entre julho e setembro somou R$ 753,9 milhões, elevação de 30,1% na comparação com um ano antes.

Também disse que os segmentos de Distribuição e Transmissão foram os principais destaques do trimestre, e que o volume de energia distribuída apresentou aumento de 4,2% no trimestre em relação ao mesmo intervalo de 2020, em função da recuperação da atividade econômica e expansão do número de clientes.

E acrescentou que, paralelamente, o processo de reajuste tarifário da EDP Espírito Santo resultou no aumento de 9,75% na tarifa média para o consumidor e em uma alta de 46% da Parcela B.

EDP Brasil

Ainda de acordo com o balanço, na EDP São Paulo o reajuste tarifário aprovado promoveu uma elevação de 12,4% na tarifa média para o consumidor e um aumento de 32,6% na Parcela B. Mas, nesse caso, o evento ocorreu após o fechamento do terceiro trimestre, então sem impacto no trimestre avaliado.

Na Transmissão, os empreendimentos em operação apresentaram no trimestre RAP Líquida de 45,8 milhões de reais e Ebitda regulatório de 39,8 milhões de reais.

A companhia está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker ENBR3.

Continue lendo

Economia

Após 2 meses em queda, confiança do consumidor sobe em outubro

Apesar disso, cenário ainda é de cautela, diz FGV.

Publicado

em

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 1 ponto de setembro para outubro deste ano e interrompeu uma trajetória de dois meses em queda. Com o resultado, o indicador chegou a 76,3 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos.

Leia ainda: Combustíveis: ICMS com valor fixo vai reduzir o preço para os consumidores?

A alta foi influenciada principalmente pelo Índice de Expectativas, que mede a confiança do consumidor brasileiro no futuro. O subíndice subiu 1,3 ponto, atingindo 82,4 pontos em outubro, puxado pela melhora das perspectivas sobre a situação financeira familiar.

O Índice da Situação Atual, que mede a percepção do consumidor sobre o presente, variou 0,2 ponto e chegou a 69 pontos.

“Contudo, consumidores se mantêm cautelosos em relação a intenção de compra de bens duráveis. O aumento da incerteza, o aumento dos preços e a demanda represada por serviços na pandemia podem estar contribuindo para frear o consumo desses produtos”, disse a pesquisadora da FGV Viviane Seda Bittencourt.

Continue lendo

Empresas

TIM reporta lucro líquido normalizado de R$474 mi no 3º tri, alta de 21,4%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização marcou R$ 2,167 bilhões

Publicado

em

A TIM reportou lucro líquido normalizado de R$ 474 milhões no terceiro trimestre de 2021, alta de 21,4% ante igual período do ano anterior.

De acordo com o balanço, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) marcou R$ 2,167 bilhões para o período de julho ao fim de setembro, crescimento de 4,5% na comparação anual.

A companhia pertence ao grupo Telecom Italia e terminou setembro com 51,6 milhões de clientes de telefonia móvel, incremento de cerca de 1% sobre um ano antes.

A companhia está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker TIMS3.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS