Conecte-se conosco

Economia

Banco Central publica relatório e normas sobre gestão de riscos climáticos

Bancos terão que incluir mudanças climáticas em gerenciamento de riscos.

Publicado

em

O Banco Central (BC) publicou na última quarta-feira (15) um conjunto de normas que tratam da gestão de riscos sociais, ambientais e climáticas no âmbito do sistema financeiro. A autarquia divulgou ainda o primeiro Relatório de Riscos e Oportunidades Sociais, Ambientais e Climáticas, que apresenta as ações do BC na dimensão sustentabilidade da Agenda BC#, que reúne as estratégias do banco na promoção da estabilidade financeira do país.

Leia ainda: Crise do clima aumenta desigualdades e ameaça direitos humanos, diz ONG

De acordo com o presidente do BC, Roberto Campo Neto, há uma relação clara desses riscos sociais, ambientais e climáticas com os riscos tradicionais das instituições financeiras, como de crédito, operacional e os próprios do mercado, capazes de afetar a política monetária e o equilíbrio do sistema financeiro. “Choques ambientais e climáticos podem afetar a taxa de inflação. Esses choques são difíceis de prever, afetam a oferta e, assim, são mais difíceis para a política monetária”, disse.

Ele citou choques climáticos recentes como, por exemplo, as ondas de calor na América do Sul, geadas no Sul do país e a atual crise hídrica que afetam o preço dos alimentos e da energia e trazem impactos negativos sobre a inflação. “No longo prazo, esses choques podem ter efeitos duradouros, afetam a produtividade e o crescimento econômico de longo prazo e, portanto, a taxa de juros neutra [aquela adequada para estimular a economia sem gerar instabilidade na inflação]”, explicou.

Nesse sentido, segundo Campo Neto, os bancos centrais em todo o mundo precisam avaliar as vulnerabilidades do sistema financeiro em relação a esses riscos que podem provocar mudanças nas avaliações de ativos e perdas para o sistema. Segundo ele, especialmente na última década, o BC tem implementado medidas relacionadas ao assunto, como agora, com essas entregas da dimensão de sustentabilidade de sua agenda de trabalho.

O pilar de sustentabilidade da Agenda BC# foi lançado em setembro do ano passado e tem diversos tipos de ações internas, políticas, regulatórias e de supervisão e de parcerias.

Novas normas

Os novos normativos publicados são o resultado das consultas públicas nº 82, nº 85 e nº 86, realizadas pelo BC, e tem o objetivo de trazer maior compreensão desses riscos por parte das instituições financeiras e demais atores do sistema, reduzir as assimetrias de informação e favorecer o desenvolvimento do crédito e das finanças sustentáveis.

Eles tratam do fortalecimento das regras de gerenciamento desses riscos, com a exigência da elaboração de uma Política de Responsabilidade Social, Ambiental e Climática (PRSAC) pelas instituições do Sistema Financeiro Nacional (SFN). Além disso, os normativos padronizam a divulgação, por essas instituições, de informações sobre riscos e oportunidades sociais, ambientais e climáticas, aumentando a transparência.

Também integra o conjunto de normas, uma resolução do BC que trata de impedimentos legais e infralegais existentes relacionados a questões sociais, ambientais e climáticas na contratação de crédito rural. Esses impedimentos já são verificados pelas instituições financeiras e, agora, o BC colocará uma segunda linha de defesa, em que um sistema próprio vai reconhecer esse risco

Já estão automatizados, por exemplo, a exigência de Cadastro Ambiental Rural (CAR) e as informações sobre utilização de trabalho em condições análogas à de escravo. Até o próximo Plano Safra, o BC quer incluir no sistema os impedimentos de sobreposições de cultivo em unidades de conservação, terras indígenas e quilombolas e em áreas embargadas da Amazônia.

Gestão dos riscos

De acordo com o BC, as iniciativas estão alinhadas com as recentes recomendações e tendências internacionais em torno da gestão dos riscos climáticos e ambientais, e da transparência em relação a eles. O Relatório de Riscos e Oportunidades Sociais, Ambientais e Climáticas, que trata das frentes de trabalho do banco, está disponível na página do BC.

No risco climático há dois componentes principais, o físico e o de transição. O físico diz respeito a perdas financeiras com eventos extremos, como secas ou chuvas extremas, que podem trazer riscos operacionais e de crédito, já que esses eventos têm impacto na produtividade das empresas. O risco de transição trata, por exemplo, do valor das reservas de petróleo, caso o processo de transição para a economia de baixo carbono aconteça de forma mais rápida e intensa.

O risco ambiental está associado, por exemplo, ao financiamento de empreendimentos que devem cumprir exigências ambientais e estão sujeitos a embargos. Já o risco social trata da própria percepção dos clientes sobre as instituições financeiras, o que pode impactar a realização de negócios.

Publicidade

Empresas

Neoenergia reporta lucro líquido de R$1,3 bi no 3º tri, alta de 57%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 62% para R$ 2,9 bilhões

Publicado

em

A Neoenergia reportou lucro líquido de R$ 1,3 bilhão no terceiro trimestre de 2021, alta de 57% ante igual período do anno anterior, conforme balanço encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) subiu 62% para R$ 2,9 bilhões.

Também disse que a elétrica, que possui operações de geração, distribuição e transmissão, reportou ainda receita de R$ 11,62 bilhões de reais entre julho e setembro, alta de 49% no comparativo anual.

E acrescentou que os resultados reforçam o caminho que planejamos para 2021, com foco em performance e eficiência, qualidade do serviço e a realização de investimentos rentáveis.

Neoenergia

Ainda de acordo com o documento, o Capex foi de R$ 6,4 bilhões nos primeiros nove meses do ano, alta de 51% versus o mesmo período de 2020, pelo avanço dos projetos de transmissão e eólicas.

“A Neoenergia mantém seu ritmo de investimentos para triplicar a capacidade instalada de energia eólica, atingindo 1,6 GW até 2022 como parte da estratégia de descarbonização da companhia”, destacou.

E disse mais: “as obras dos seus dois maiores complexos eólicos no país seguem avançando e gerando desenvolvimento sustentável.”

Operação

A empresa elencou que houve avanços nas obras e antecipação do Complexo Eólico Chafariz (PB), que entrou em operação antecipada com 53 aerogeradores, que correspondem a 184 MW de capacidade instalada. O projeto terá capacidade instalada total de 471,2 MW quando concluído.

Em relação ao complexo eólico Oitis, nos Estados de Bahia e Piauí, que terá 566,5 MW de capacidade, a companhia disse que as obras começaram nos 12 parques e mais de 62% das fundações estão concluídas.

A companhia está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker NEOE3.

Continue lendo

Empresas

EDP anuncia cancelamento de ações e novo programa de recompra

As aquisições objeto do Programa serão realizadas a preços de mercado

Publicado

em

A EDP anunciou o cancelamento de ações e novo programa de recompra de ações, conforme fato relevante encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, foram canceladas 25.685.126 de ações ordinárias de sua emissão mantidas em tesouraria, sem redução do valor do capital social.

Em decorrência do cancelamento, o capital social da companhia, de R$ 5.502.715.947,12, passou a ser dividido em 581.165.268 ações ordinárias, todas nominativas, escriturais e sem valor nominal, mantendo-se em tesouraria a quantidade de 200.000 ações ordinárias.

Também disse que a alteração do caput do artigo 5º do Estatuto Social, para consignar o capital social e a quantidade de ações representativas do capital social da companhia após o cancelamento das ações será deliberada em Assembleia Geral Extraordinária a ser convocada oportunamente.

EDP

Ainda de acordo com o documento, de modo a maximizar a geração de valor para os acionistas da companhia, e capturar o potencial de valorização das ações da empresa, o Conselho de Administração aprovou a realização de um novo Programa de Recompra.

“Serão adquiridas no âmbito do Programa de Recompra até 23.558.500 ações ordinárias de, tendo em vista o limite de manutenção de ações em tesouraria disposto no artigo 8º da ICVM 567/15, qual seja, de 10% das ações de cada espécie ou classe de ações em circulação no mercado”, destacou.

E acrescentou que adquirir ações de própria emissão da companhia para manutenção em tesouraria, com o objetivo de aplicar recursos disponíveis para maximizar a geração de valor para os acionistas, uma vez que, na visão da administração da companhia, o valor atual de suas ações não reflete o real valor dos seus ativos combinado com a perspectiva de rentabilidade e geração de resultados futuros.

Ações

Conforme a empresa, as aquisições objeto do Programa de Recompra serão realizadas a preços de mercado exclusivamente no ambiente de Bolsa de Valores da B3. Os eventuais impactos das negociações objeto do Programa de Recompra não serão significativos em relação a composição do controle acionário atual, tampouco será alterada a estrutura administrativa da companhia.

Adicionalmente, a EDP informa que tem conduzido um processo estruturado de alienação dos ativos hídricos da Companhia Energética do Jari – CEJA, Empresa de Energia Cachoeira Caldeirão S.A., e Energest S.A.

“Até o presente momento, não foram celebrados contratos definitivos para alienação de participações acionárias no âmbito do referido processo.

Em linha com o plano estratégico de 2021-2025, os desinvestimentos nos ativos hídricos refletem a gestão do portfólio da companhia com objetivo de redução de exposição ao risco hidrológico.

A companhia está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker ENBR3.

Continue lendo

Economia

Liberado auxílio no valor de R$ 200 para famílias carentes até 2022

Recursos da ajuda devem ser destinados para a compra de alimentos e produtos de higiene. Cerca de 30 mil famílias já foram beneficiadas.

Publicado

em

Cerca de 100 mil famílias em situação de vulnerabilidade serão contempladas com o auxílio financeiro do programa Ser Família, projeto idealizado pelo Governo do Mato Grosso. A ajuda, cujo valor inicial era de R$ 150, passou a oferecer a quantia bimestral de R$ 200 a partir deste mês. A medida vai funcionar até dezembro de 2022.

Leia mais: Novo auxílio de R$ 600 é confirmado; Veja quem recebe

O programa Ser Família é oferecido desde maio às famílias carentes do Estado do Mato Grosso. Recebem aquelas com renda mensal per capita de até R$ 89, com inscrição no Cadastro Único (CadÚnico) e participação no Bolsa Família. Para os repasses, foram emitidos cartões com o símbolo do programa.

Os recursos da ajuda devem ser destinados para a compra de alimentos e produtos de higiene, sendo proibido o uso para a aquisição de bebidas alcóolicas, combustíveis e produtos cosméticos. Até o momento, cerca de 30 mil famílias já foram beneficiadas com o benefício.

Programa passa por nova formatação

Diante das alterações dos critérios do programa e na forma de pagamento, presentes na Lei 602/21 aprovada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT), o programa Ser Família passará por uma nova formatação.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc-MT), haverá a substituição dos cartões previamente disponibilizados aos assistidos do programa. Isso porque uma nova empresa ficará encarregada da administração dos próximos valores. Com isso, será necessário substituir todos os cartões dos contemplados.

Segundo a secretária de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), Rosamaria Carvalho, a previsão é de que todo o processo de atualização dos cartões aconteça ainda neste mês. Ela reforça dizendo que não haverá mudança de beneficiário, sendo feito apenas esse ajuste no programa, que garantirá um valor superior e por um maior período aos assistidos.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS