Conecte-se conosco

Economia

Brasil e Colômbia assinam memorando para aumentar comércio bilateral

Documento serve como preparativo para o encontro entre os presidentes Jair Bolsonaro e Iván Duque, no próximo dia 19.

Publicado

em

Brasil e Colômbia

Os governos do Brasil e da Colômbia assinaram na sexta-feira (8) um memorando de entendimento para incrementar o comércio bilateral. O documento serve como preparativo para o encontro entre os presidentes Jair Bolsonaro e Iván Duque, que ocorrerá em Brasília no próximo dia 19.

Veja mais: “Brasil vai insistir em mudanças no Mercosul”, afirma Guedes

A 6ª Reunião da Comissão de Monitoramento de Comércio Brasil–Colômbia foi realizada de forma virtual. O encontro foi presidido pelo secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, e pelo vice-ministro de Comércio Exterior da Colômbia, Andrés Cárdenas.

O memorando estabelece as mesmas condições do Acordo de Complementação Econômica 72, assinado entre o Mercosul e a Colômbia em dezembro de 2017, nas partes que dizem respeito aos bens de zonas francas e de áreas aduaneiras especiais.

Os dois países discutiram outras medidas para facilitar o comércio mútuo, como o reconhecimento e o intercâmbio de certificados de origem digital e um acordo para evitar a cobrança duplicada de tributos nos dois países.

Também foram tratados o aprofundamento das condições de acesso bilaterais para os setores automotivo, têxtil, plástico e agropecuário, negociações de compras governamentais (compras realizadas pelos governos dos dois países) e medidas de aumento do fluxo de investimentos.

Publicidade

Economia

Após 2 meses em queda, confiança do consumidor sobe em outubro

Apesar disso, cenário ainda é de cautela, diz FGV.

Publicado

em

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 1 ponto de setembro para outubro deste ano e interrompeu uma trajetória de dois meses em queda. Com o resultado, o indicador chegou a 76,3 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos.

Leia ainda: Combustíveis: ICMS com valor fixo vai reduzir o preço para os consumidores?

A alta foi influenciada principalmente pelo Índice de Expectativas, que mede a confiança do consumidor brasileiro no futuro. O subíndice subiu 1,3 ponto, atingindo 82,4 pontos em outubro, puxado pela melhora das perspectivas sobre a situação financeira familiar.

O Índice da Situação Atual, que mede a percepção do consumidor sobre o presente, variou 0,2 ponto e chegou a 69 pontos.

“Contudo, consumidores se mantêm cautelosos em relação a intenção de compra de bens duráveis. O aumento da incerteza, o aumento dos preços e a demanda represada por serviços na pandemia podem estar contribuindo para frear o consumo desses produtos”, disse a pesquisadora da FGV Viviane Seda Bittencourt.

Continue lendo

Empresas

TIM reporta lucro líquido normalizado de R$474 mi no 3º tri, alta de 21,4%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização marcou R$ 2,167 bilhões

Publicado

em

A TIM reportou lucro líquido normalizado de R$ 474 milhões no terceiro trimestre de 2021, alta de 21,4% ante igual período do ano anterior.

De acordo com o balanço, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) marcou R$ 2,167 bilhões para o período de julho ao fim de setembro, crescimento de 4,5% na comparação anual.

A companhia pertence ao grupo Telecom Italia e terminou setembro com 51,6 milhões de clientes de telefonia móvel, incremento de cerca de 1% sobre um ano antes.

A companhia está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker TIMS3.

Continue lendo

Automobilística

Kawasaki vai lançar 15 motos elétricas em quatro anos

Empresa planeja inserir novos 60 modelos de veículos no mercado até 2025. A marca já completa 13 anos de existência no Brasil.

Publicado

em

A Kawasaki fez um anúncio que se alinha com a tendência mundial à sustentabilidade. A marca prometeu que irá lançar 15 modelos elétricos e híbridos nos próximos quatro anos. Ou seja, até 2025, uma das maiores fabricantes de motocicletas entrará de cabeça no mundo dos elétricos.

Leia mais: Táxis voadores conquistam Paris, Milão e Tóquio

É importante esclarecer que a Kawasaki já se posiciona como uma empresa focada em energias sustentáveis. A marca japonesa é uma das que mais investe em soluções movidas a eletricidade. O objetivo é expandir ainda mais o leque de opções de produtos elétricos e híbridos (parte movida a combustão).

Promessa da Kawasaki

Na promessa da empresa, serão 15 motocicletas lançadas até 2025. Na verdade, serão 10 opções on-road e outras cinco para o off-road. Porém, a marca ainda pretende inovar no segmento de energias limpas.

A Kawasaki anunciou que trabalha em projetos de veículos movidos a hidrogênio. Um dos modelos com essa propulsão será baseado na Kawasaki Ninja H2.

Embora pareça um número expressivo a marca de 15 novos modelos em quatro anos, há mais por vir. A fabricante disse que pretende lançar 60 novos veículos até 2025. Dessa forma, seria o mesmo que lançar 16 novos modelos a cada ano.

A motocicleta mais nova da fabricante no Brasil é a ZX-10R, lançada ainda em junho de 2021. Dos modelos prometidos ainda não se sabe quais poderão chegar ao mercado brasileiro.

13 anos

Em outubro, a empresa japonesa completa 13 anos no Brasil. Sobre o tema, ela emitiu um comentário oficial em suas redes sociais. Confira a nota:

“Há 13 anos a Kawasaki Motores chegou oficialmente ao Brasil, compartilhando bons momentos e criando uma forte ligação entre as pessoas e suas paixões.

Essa história, escrita a cada km rodado, vai muito além das longas retas e curvas acentuadas, ela celebra a conexão com cada um que pilota uma Kawasaki.

E é por dividirmos com todos vocês essa grande paixão, que agradecemos de coração a grande família Kawasaki por esses maravilhosos 13 anos de Brasil. Neste dia 15 de outubro, compartilhe com todos a grande diversão que é pilotar uma Kawasaki.”

Continue lendo

MAIS ACESSADAS