Conecte-se conosco

Agronegócio

Carne bovina: Rússia retoma importações

Importações de carne bovina de três grandes exportadoras brasileiras já haviam sido liberadas desde o mês passado

Publicado

em

Nesta semana, o regulador de segurança sanitária da Rússia notificou que o país retomará a importação de carne bovina e suína de 12 frigoríficos brasileiros. Após a China suspender as importações de carne bovina brasileira desde 4 de setembro devido a notificação de dois casos atípicos de doença da “vaca louca” em Minas Gerais e Mato Grosso, a Rússia se tornou um mercado promissor para as importações do produto.

A Rússia já havia permitido a importação de carne bovina de três grandes exportadoras brasileiras desde o mês passado. A partir de 25 de novembro, uma nova liberação será determinada, permitindo a exportação de outras nove unidades de suínos e três de carne bovina.

Os nomes dos frigoríficos não foram revelados pelo departamento russo. “O Rosselkhoznadzor (departamento) continua trabalhando na ampliação da lista de produtores brasileiros certificados para fornecer carne bovina ao país”, informou em nota.

Após a ministra da Agricultura Brasileira, Tereza Cristina, ter se reunido com o chefe do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia, Sergey Dankvert, na semana passada, a liberação foi concedida. Ainda assim, o chefe garantiu a realização de uma visita ao Brasil para inspecionar os frigoríficos brasileiros, visando habilitação de novas exportações do produto.

A Rússia também planeja estabelecer uma cota de importação de carne bovina isenta de impostos de até 200 mil toneladas em 2022 para aumentar a oferta interna, a fim de ajudar a estabilizar a inflação doméstica, como foi determinado pelo governo.

Publicidade
Comentários

Ações, Units e ETF's

BTG coloca no mercado seu 1º fundo de índice de ações de commodities do país

Atualmente, as commodities representam 65% das exportações brasileiras

Publicado

em

O BTG colocou no mercado seu primeiro fundo de índice de ações de commodities do país. Trata-se do ETF BTG Pactual Teva Ações Commodities Brasil Fundo de Índice (CMDB11), que replica o índice Teva Ações Commodities Brasil, negociado em bolsa.

O movimento se dá em parceria com a Teva Indices, e o ETF reúne 29 empresas brasileiras de commodities responsáveis por 97% das exportações do setor.

Segundo o BTG, o ETF é composto por empresas que atuam em mineração e metalurgia, alimentos de carnes e derivados, papel e celulose, açúcar e álcool, extração de petróleo e produção agrícola.

Sócio e head de renda variável da BTG Pactual Asset Management, Will Landers disse que o Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de commodities no mundo, que segue com tendência de alta puxada pela recuperação da demanda internacional.

Ele ressaltou que o ETF CMDB11 nasce como ótima alternativa doméstica para diversificar os investimentos, apostando em um setor atrelado à economia global, com receita dolarizada.

Colheita de soja

BTG – Commodities

De acordo com o BTG, entre julho de 2016 e outubro de 2021 o índice acumulou uma performance de 254,4% ante 98,2% do Ibovespa no mesmo período. Atualmente, as commodities representam 65% das exportações brasileiras. No mercado global, o Brasil representa 50% do comércio mundial de soja, 13,4% da produção global de carnes e 4% da produção de petróleo.

Continue lendo

Agronegócio

Efeito ‘Ômicron’: Santander indica companhias do agro com características defensivas à nova cepa

Minerva, Ambev e JBS são alguns dos exemplos apresentados que fecharam em alta apesar da ameaça mundial

Publicado

em

Na última sexta-feira, 26, a Organização Mundial da Saúde (OMS), classificou como ‘preocupante’ a nova variante do coronavírus, denominada “ômicron”. A cepa foi originalmente descoberta na África do Sul e é considerada de preocupação, pois tem cerca de 50 mutações. Apesar do avanço da vacinação no mundo, o surgimento de novas variantes do coronavírus ainda representa ameaça.

Além disso, a variante balançou os mercados globais. Segundo o Santander, a Minerva é uma companhia agro com características defensivas. O analista Rodrigo Almeida explica que, “a escassez global do setor deve continuar a impulsionar os seus resultados“.

Levando em consideração a cotação de fechamento de R$ 8,70 na última sexta-feira (26), o analista estimou que a ação da Minerva teve um desconto de 30%, e o dividend yield neste ano projetou 9%.

Nesta semana, as ações ordinárias da Minerva registraram alta de 1,15%, e o preço da transação foi de R$ 8,80. Ao mesmo tempo, o Ibovespa, com 103.273,54 pontos, subiu para 1,03%.

O Santander também aposta também na Ambev como referência no agronegócio brasileiro. O banco acredita que a cervejaria em breve recuperará participação de mercado, destacando a estratégia e execução operacional da empresa.

Sem indicar preço-alvo, o analista acredita que a companhia, que opera na proteína animal e possui um portfólio geograficamente diversificado, possa gerar estabilidade nas suas margens. “Se trata de um fluxo de caixa livre sólido, fortes dividendos e recompra de ações”, afirma.

De acordo com o Banco Santander, embora as margens de lucro da BRF possam melhorar em 2022, apesar da incerteza na alocação de capital, o potencial de alta da Marfrig está limitado às suas ações, devido à queda nas margens de lucro e os altos múltiplos, além de não especificaram um preço-alvo.

Continue lendo

Agronegócio

Mapfre registra R$ 300 milhões em prêmios com seguro agrícola

A seguradora espera repetir esse número em 2022 com milho, trigo e café

Publicado

em

Reforma tributária do agronegócio prevê imposto de 25%

Devido à quebra da segunda safra de milho, e pelo aumento do risco com a elevação das cotações ao longo do ano, a seguradora espanhola Mapfre registrou R$ 300 milhões em prêmios com seguro agrícola entre os meses de janeiro a outubro. Em relação ao mesmo período do ano anterior, o resultado apurado registrou aumento de 100%.

Mesmo sendo a cultura mais abrangente do agronegócio brasileiro, a soja não sofreu queda de safra, registrando participação de 45% do total. Já no aumento da carteira contra sinistros de safra da Mapfre, os cereais e culturas menos representativas registraram 40%.

De acordo com as projeções da superintendente de Seguros Agrícolas, Catia Rucco Rivelles, o milho, café e trigo deverão registrar um salto quantitativo no market share em 2022.

Além disso, em relação a 2021, as perspectivas regionais do negócio da Mapfre junto aos produtores registraram grandes contratações de apólices contra intempéries. O Paraná foi o primeiro colocado, seguido pelo Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS