Conecte-se conosco

Economia

Cautela pode deixar os 100 mil pontos mais distante

Coronavírus na Europa, a expectativa com o pacote de ajuda aos EUA e Renda Cidadã dificultam avanço do índice

Publicado

em

A semana chega ao fim do mesmo jeito que começou, com os investidores preocupados com o avanço do coronavírus na Europa, a expectativa com o pacote de ajuda aos Estados Unidos e a preocupação sobre de onde virão os recursos para bancar o Renda Cidadã. Com isso, o Ibovespa deve ter mais um dia de cautela, colocando os 100 mil pontos mais distante de se alcançado. Às 9h05, o Ibovespa futuro registrava leve alta de 0,10%, aos 99.245 pontos

O impasse sobre o Renda Cidadã, que deve voltar para a pauta de negociação somente após as eleições municipais, provavelmente em dezembro, acende outro ponto de preocupação. Se por um lado, o mercado segue cobrando o governo para que a continuidade do programa não fure o teto dos gastos. Por outro, a não continuidade do auxílio pode gerar outro problema. Como é sabido, o auxílio emergencial tem sido de suma importância ao longo do ano em razão da alta do desemprego. Muitas pessoas, desde que perderam o emprego, têm sobrevivido apenas com o valor do auxílio emergencial.

Essa ajuda também tem sido responsável pela leve recuperação da economia. À medida que o auxílio for interrompido, caso o governo não encontre uma saída para manter o programa sem romper o teto de gastos, o que veremos é um efeito negativo na economia, já que as pessoas vão consumir menos e, consequentemente, as empresas não irão vender, deixam de investir e, demitem seus funcionários. Esse é um dos grandes desafios do governo, continuar ajudando a população sem renda e sem emprego e, ainda manter a responsabilidade fiscal.

Enquanto isso não se define, o mercado segue atendo ao avanço da Covid-19 na Europa. A preocupação é que essa segunda onda possa levar ao fechamento das economias. Vários países já estão tomando fortes medidas de restrição. A Alemanha adotou medidas para restringir os bares e festas privadas. A Itália registrou o maior número de de casos em 24 horas desde o início da pandemia. Com isso, o governo estuda adotar um novo lockdown. Portugal decretou estado de calamidade e fortes medidas de restrição, como a proibição de reunião de grupos com mais de cinco pessoas. O governo francês informou que a partir de 17 de outubro restabelecerá o estado de emergência.

Há pouco, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice Geral de Preços -10 (IGP-10) reduziu a alta para 3,20% em outubro, ante avanço de 4,34% em setembro.  Com o resultado, o índice acumula avanço de 17,63% no ano e, de 19,85% em 12 meses. Em outubro de 2019, o índice havia registrado alta de 0,77% no mês e acumulava elevação de 2,97% em 12 meses.

Nos EUA, logo mais serão divulgados os dados de atividade econômica, entre eles as vendas no varejo e a produção industrial em setembro, além dos estoques das empresas em agosto.

Em Nova York, o índice futuro do Dow Jones registrava ganho de 0,21%, aos 28.445 pontos.

Continue lendo
Publicidade
Comentários