Conecte-se conosco

Economia

Custo de produção do quilo suíno registra queda

Grande oferta de carne suína no mercado acabou prejudicando o tradicional aumento na demanda pela proteína nas festas de fim de ano

Publicado

em

JBS anuncia acordo para aquisição de criadora e processadora de suínos australiana

De acordo com a Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), no Estado, o custo de produção do quilo suíno está em média R$ 6, enquanto o preço pago ao suinocultor está em torno de R$ 4,20/kg para fora do Estado e R$ 4,50/kg no mercado interno. Segundo os suinocultores, a situação desfavorável entre os custos de produção com expectativa de reversão no final do ano e o valor pago por quilo de suínos não ocorreu em Mato Grosso.

A grande oferta de carne suína no mercado acabou prejudicando o tradicional aumento na demanda pela proteína nas festas de fim de ano, onde o preço pago aos produtores acaba sendo elevado, segundo a associação.

O presidente da Acrismat, Itamar Canossa, estima que “por uma questão de especulação, o próprio suinocultor acabou ofertando muitos animais para abate, o que derrubou o preço pago e acabou piorando o cenário neste início do ano. Nas últimas cotações, com a venda de um animal de 100 kg, o prejuízo fica em torno de R$ 150 até R$ 180 por animal”.

Na última sexta-feira (07/01) a Acrismat participou de uma reunião online convocada pela Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), com presidentes de associações, gestores e suinocultores para debater sobre a preocupação do setor com o elevado custo de produção e o baixo valor pago aos criadores de suínos pelo quilo do animal.

“Há relatos que na região Sul, produtores preocupados com o cenário de piora nos preços, venderam sua produção aos frigoríficos com preço de até quatro reais por quilo. Isso é totalmente descabido e sem lógica. Lá, o prejuízo é ainda maior, visto que o custo de produção é ainda mais alto”, explicou Canossa.

Além disso, no dia 26 de janeiro a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, terá agenda em Brasília com a Acrismat, juntamente com a ABCS para debater o assunto. Já em Mato Grosso, a fim de buscar alternativas para melhoras o cenário da atividade, a associação tenta viabilizar reunião com parlamentares da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) e com o Governo do Estado.

Publicidade
Comentários

MAIS ACESSADAS