Conecte-se conosco

Investimentos

Entenda o que é e como funciona um clube de investimento: será que vale a pena?

O grupo de investidores deve seguir normas e regulamentações da bolsa de valores brasileira, a B3.

Publicado

em

Ações

O mundo financeiro está cheio de termos que nem sempre são de conhecimento geral. Um deles é o clube de investimento, mas o seu próprio nome já induz ao significado – um grupo de pessoas que junta o seu dinheiro para investir na bolsa de valores

O coletivo deve ser formado por pelo menos três investidores e no máximo 50. Entre eles, é necessário um profissional autorizado pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM) para liderar o grupo. Esse deverá seguir todas as normas e regulamentações da B3, a bolsa de valores do Brasil.

O clube de investimento funciona por meio de cotas, ou seja, frações em que cada investidor possui direito. Dessa forma, ao comprar certo número de cotas, a rentabilidade de cada um se dará em cima da valorização delas. Porém, vale destacar que nenhum investidor pode ter mais do que 40% das cotas do grupo. 

Constituído por pessoas físicas, o clube de investimento é uma excelente alternativa para quem almeja investir na bolsa e não possui muitos recursos para adquirir um número de ações considerado lucrativo. A sua carteira deverá ser formada por no mínimo 67% de ações e o restante poderá ser destinado para fundos de renda fixa e derivativos. 

As transações do clube de investimento deverão ser feitas por uma corretora e haverá desconto da alíquota de 15% a cada seis meses. Além disso, é necessário cumprir com obrigações contábeis, as quais estão incluídos relatórios de despesas e classificação de ativos e passivos

Publicidade
Comentários

Investimentos

Onde investir em 2021: guia com as melhores opções para este ano

Alocamento do capital para montar carteira dependerá de perfil do investidor e objetivos.

Publicado

em

carteira de ações recomendada

Um novo ano começou e junto com ele surgem metas de cunho pessoal, profissional e financeiro. E se você ainda não começou a investir, não é cedo e nem tarde para cuidar do seu dinheiro. Ainda que com perspectivas não tão otimistas, tudo indica que o pior da crise ficou para trás e é hora de escolher o melhor investimento para 2021

A princípio, já mencionamos que o melhor investimento dependerá do perfil e objetivo de cada um. Por isso, a importância de ter bem definido os seus objetivos, já que eles determinarão para onde o investidor alocará o seu capital. 

Certificado de Depósito Bancário (CDB) Prefixado e IPCA+

Essa modalidade de investimento contempla os perfis conservadores, moderados e agressivos. Investir em um CDB nada mais é do que emprestar dinheiro ao banco e com rendimento prefixado, pós fixado ou misto, tendo o exemplo do IPCA+.

Veja algumas taxas indicativas que podem ser localizadas no mercado via plataforma BTG Pactual:

Título Tipo Vencimento Taxa de Rendimento (% a.a.) Valor Mínimo
CDB Prefixado 5 anos 9,00% R$ 10 mil
CDB Prefixado 4 anos 8,21%  R$ 10 mil
CDB Prefixado 3 anos 7,13%  R$ 10 mil
CDB IPCA+ 5 anos IPCA + 4,70% R$ 1
CDB IPCA+ 4 anos IPCA + 3,90%  R$ 1
CDB IPCA+ 3 anos IPCA + 2,96% R$ 10 mil

Fundos Multimercados, Fundo de Ações e Fundos Imobiliários

Os fundos multimercados foram concebidos com a intenção dos investidores dispuserem seu capital para um gestor aplicar em diversos tipos de investimento da renda fixa. Porém, com o passar do tempo eles se desenvolveram e hoje contam com vários tipos.

Confira alguns tipos de investimento:

Fundo Multimercado Aplicação Mínima Taxa Adm. (a.a.) Cota Resg. Rentabilidade (12 meses)
Forpus Multiestrategia FIM R$ 1 mil 1,75% D+16 7,41%
Versa Fit Long Biased FIM R$ 500 2,00% D+10 54,02%
Vinland Long Biased FIM R$ 1 mil 0,95% D+32 4,98%
Ibiuna Hedge STH FIC FIM R$ 5 mil 1,96% D+31 14,73%
Vista Multiestratégia FIM R$ 5 mil 2,00% D+16 36,00%

Dados atualizados em 11/12/2020.

Por outro lado, os fundos de ações são investimentos que aplicam o capital dos cotistas nas ações disponíveis no mercado financeiro. Eles são opções mais arriscadas e, por consequência, com maior rentabilidade. 

Dessa forma, o investidor mais arrojado e com olhar para o longo prazo deve usufruir do período de queda dos ativos para compor a carteira. 

Veja alguns fundos que têm grande potencial para permanecerem com performance no pós-pandemia:

Fundo Multimercado Aplicação Mínima Taxa Adm. (a.a.) Cota Resg. Rentabilidade (12 meses)
Equitas Selection FIA R$ 5 mil 2,00% D+32 -10,51%
Alaska Black BDR Nivel 1 FIA R$ 5 mil 1,85% D+32 -50,18%
Opportunity Selection FIA R$ 5 mil 2,00% D+3 -7,49%
Real Investor BDR Nivel I FIA R$ 5 mil 2,00% D+29 -1,03%
Legg Mason Clearbridge Growth FIA R$ 5 mil 1,00% D+5 21,34%

Dados atualizados em 11/12/2020.

No cenário de contração da Selic, os fundos imobiliários ganharam destaque no mercado nacional. Porém, é necessário selecionar bem os ativos que pagam melhores dividendos.

Confira a seguir alguns exemplos de FIIs e a remuneração mensal dos cotistas (dividend yield): 

Fundo Imobiliário Preço P/VPA Yield (12 meses)
KNRI11 R$ 153,63 0,98 5,25%
VISC11 R$ 112,90 0,97 3,88%
XPLG11 R$ 121,65 1,11 5,80%
MXRF11 R$ 10,27 1,01 8,96%
MALL11 R$ 99,46 0,94 4,32%

Dados atualizados em 11/12/2020.

Ações

Para um investidor com perfil conservador não é recomendado expor os seus recursos financeiros ao risco. E como consequência, as ações não deveriam compor o seu portfólio. 

“Entretanto é compreensível que estes conservadores busquem se aventurar em investimentos dessa modalidade em busca de retornos mais atrativos, no momento em que a renda fixa tradicional está com rentabilidade bastante limitada por conta da Selic mais baixa, sobretudo se compararmos com alguns poucos anos atrás onde se era possível ganhar dois dígitos de rentabilidade anual na segurança da renda fixa”, argumenta o assessor de investimentos da EQI, Elias Wiggers.

O especialista indica apenas o investimento com capital de longo prazo, ou seja, que não há previsão de utilização ao longo de cinco anos. Além disso, respeitando o percentual de no máximo 10% do patrimônio. Por outro lado, investidores com perfil arrojado podem e precisam montar uma carteira de ações no seu portfólio, especialmente na parte destinada aos investimentos de longo prazo.

A dica é para que o investidor monte a carteira de ações de forma gradual e aproveitando as pechinchas. Tenha foco para boas empresas, com consolidada geração de caixa, resultados recorrentes, reduzido nível de alavancagem financeira etc. Porém, sempre diversificando os ativos, tanto por segurança quanto por potencial de retorno.

BDRs

Além das ações, há indicação para os Brazilian Depositary Receipts (BDRs). Esses ativos são ações de empresas estrangeiras emitidas no Brasil, que devem ser escolhidos pelos investidores por conta da diversificação ou proteção cambial. 

“O Brasil representa cerca de 1% do mercado de renda variável. Por isso, a questão de diversificação é o ponto crucial ao se avaliar esse ativo. Com os BDRs, o investidor estará expondo seu capital ao mundo”, ressalta Wiggers. 

Além disso, o profissional diz que “ter parte do capital exposto à moeda forte (no caso, o dólar), é uma boa estratégia de defesa do patrimônio. Em geral, o dólar e a bolsa têm correlação negativa (quando um cai, o outro sobe). Nesse sentido, os BDRs são adequados para o equilíbrio do portfólio”, acrescenta.

Investimentos no exterior

Os investimentos no exterior são uma nova inclinação, contemplando até mesmo os investidores iniciantes. Entre as suas vantagens estão a diversificação e a proteção, por conta do dólar ser uma moeda forte e menos sujeita a desvalorizações. 

Ainda, com alocações no exterior é oferecida pluralidade geográfica e proteção em mercados menos voláteis do que no cenário nacional. 

Continue lendo

Investimentos

Investimentos que ganharam e que perderam da inflação em 2020, a maior em 4 anos

Inflação oficial do país ficou em 4,52% no ano passado. Percentual é o maior dos últimos quatro anos.

Publicado

em

Investimentos

Nesta terça-feira, 12, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a inflação oficial de 2020, que ficou em 4,52%. O percentual é mensurado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e, no ano passado, ficou no valor superior à meta de 4%. 

O número é o maior dos últimos quatro anos, o que fez com que os investidores verificassem se tiveram ganho ou perda financeira no ano.

Em resposta ao questionamento, a Economatica criou um ranking com o rendimento dos principais tipos de investimento. Na lista, já está descontada a inflação do último ano. 

O resultado aponta que nem todo desempenho positivo foi realmente ganho real no ano marcado pela pandemia de Covid-19. 

Confira o ranking com o rendimento real dos principais investimentos, já descontado o IPCA:

  • Ouro: 49,19
  • Euro: 34,69
  • Dólar*: 23,36
  • Ima-B: 1,81
  • IHFA: 0,95
  • Ibovespa: 1,53
  • CDI: -1,68
  • Poupança: -2,3

*Ptax/venda

Continue lendo

Investimentos

Até 12 meses: conheça 7 bons investimentos de curto prazo que são confiáveis

Aplicações com prazo entre 3 a 12 meses são alternativas para construção de reserva de emergência.

Publicado

em

O que significa investir a curto, médio e longo prazo?

Os investimentos de curto prazo, de 3 a 12 meses, são ótimas opções para quem está à procura de liquidez. Além disso, esses ativos podem compor a carteira de qualquer perfil de investidor, desde os calouros até os mais experientes e com maior patrimônio. E assim como em qualquer tipo de aplicação, é necessário entender bem para fazer as escolhas adequadas. 

Esse tipo de investimento costuma ser aplicado para construção da reserva de emergência. De forma geral, ela deve representar pelo menos seis meses do seu custo de vida. Os recursos poderão ser de muita utilidade em um cenário de instabilidade, como da pandemia de Covid-19, demissão, dívidas, problemas de saúde, chegada de um filho, entre outros.

Para te ajudar a escolher a melhor aplicação em curto prazo, selecionamos sete opções de investimentos de curto prazo:

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB)

O CDB é um tipo de investimento em que você empresta dinheiro para os bancos. Ele pode apresentar a melhor rentabilidade, superior a 130% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). 

Essa aplicação pode ter carência para resgate, objetivando alcançar maior rentabilidade, porém existem CDBs cuja liquidez é diária. O dinheiro aplicado conta com a segurança do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

  • Fundos de curto prazo

Com a taxa básica de juros, Selic, na mínima histórica de 2% ao ano, os fundos de curto prazo se popularizaram. Considerados de baixo risco, são tidos como aplicações conservadoras, e apresentam rendimento variando quanto ao CDI ou Selic.

  • Fundos DI

Os fundos referenciados DI exigem que o gestor aplique pelo menos 95% do dinheiro em títulos associados à Selic, tesouro Selic ou títulos privados de baixo risco. Outros 5% podem ser alocados em ativos com igual regra dos fundos de curto prazo.

Essa aplicação apresenta uma taxa de administração, que pode iniciar em 0% ao ano e alcançar até 3,5%. O recomendado são fundos com limite de 0,5% de taxa. Deduzidos, eles podem ter uma rentabilidade que ultrapassa os 100% do CDI. 

  • Fundos multimercados

Agora, caso o investidor esteja disposto a arriscar mais no curto prazo, uma ótima opção é os fundos multimercados. Nesse investimento, os recursos financeiros são aplicados em vários segmentos – bolsa de valores, câmbio etc.

  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA)

As LCAs são títulos de renda fixa com emissão dos bancos, que contam com isenção do Imposto de Renda (IR). O vencimento e taxa de rentabilidade são determinados durante a compra. Além disso, também conta com garantia do FGC.

  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI)

A LCI também dispõe de isenção do IR e proteção do FGC. Nessa aplicação é possível localizar papéis que atendem metas de investimentos de curto prazo, com rentabilidade superior aos 100% do CDI. Ainda, o resgate pode ser feito após 180 dias, de acordo com o contrato firmado.

Entre as opções de curto prazo, o Tesouro Direto Selic é o investimento mais seguro, sendo garantido pelo Tesouro Nacional. Além disso, a rentabilidade é boa, mesmo com a mínima histórica da Selic e o desconto de IR. Também, pode ter o resgate a qualquer instante, sendo isento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) a partir do 30º dia.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS