Conecte-se conosco

Bancos

Fintechs perdem fôlego e apresentam primeira queda no número de usuários

Queda foi de 1,08% no quantitativo de usuários ativos nos bancos digitais em comparação com o mês de agosto; veja os números.

Publicado

em

As novas empresas de tecnologia financeira, também conhecidas como fintechs, têm incomodado os bancos mais tradicionais, sobretudo diante do rápido crescimento no número de usuários. Para se ter uma ideia, o Nubank, o Inter e o C6 Bank somam mais de 61 milhões de usuários ativos.

Leia mais: Tesouro Selic ou Nubank, onde vale mais a pena investir?

No entanto, a revolução das fintechs parece ter perdido um pouco o fôlego. Um relatório do Bank of America mostra que o crescimento das empresas desse setor está diminuindo. No mês de setembro desse ano, houve uma queda de 1,08% no número de usuários ativos nos bancos digitais em comparação com o mês de agosto.

Somente o Nubank, o Inter e o C6 Bank – dentre as 10 maiores fintechs do país – demonstraram crescimento na média mensal de usuários (MAU, na sigla em inglês) no período em que foi realizada a pesquisa mensal pelo banco de investimentos.

Download de aplicativos em queda

No mesmo levantamento também consta o número de vezes que os aplicativos de bancos e carteiras digitais (e-wallets) foram baixados no mês. Houve uma redução, cujos números foram de 17,9 milhões em setembro contra 20,3 milhões no mês de agosto.

Fazendo a média de downloads dos últimos três meses, o resultado foi de 18,7 milhões, menor quantitativo desde dezembro do ano passado. No período em questão, o Nubank foi líder de downloads entre os bancos digitais, enquanto o PicPay comandou a lista de e-wallets.

Observe os números:

  • Nubank: 2,928 milhões;
  • PicPay: 1,562 milhão;
  • Banco Pan: 1,368 milhão;
  • C6 Bank: 1,242 milhão;
  • PagBank: 1,204 milhão.

A queda no número de downloads não atingiu somente as fintechs, mas também aos “bancões”. No caso de instituições mais tradicionais, a redução foi de 11%, o que representa 6,520 milhões de aplicativos baixados em setembro.

Vale mencionar que no caso do Caixa Tem, plataforma separada da Caixa Economia Federal, a previsão é de que o aplicativo seja duramente afetado com o fim do auxílio emergencial, com uma perda significativa de usuários ativos a partir dos próximos meses.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ações, Units e ETF's

Santander e Getnet: Ações e Units sofrerão ajuste no valor negociado na B3

O movimento se dá no contexto da cisão parcial do Santander Brasil

Publicado

em

O Santander Brasil informou na manhã desta sexta-feira (15), por meio de comunicado ao mercado, que suas ações e units sofrerão ajuste no valor negociado na B3, a bolsa brasileira.

De acordo com o documento, o movimento se dá no contexto da cisão parcial do Santander Brasil, com o objetivo de segregar a totalidade das ações emitidas pela Getnet, aprovada em assembleias gerais extraordinárias de ambas as companhias.

Também disse que as ações e os units Santander Brasil serão modificados considerando que a parcela cindida na cisão corresponde a 3,1422% do patrimônio líquido do Santander Brasil, a cotação no leilão de abertura de suas ações ordinárias (SANB3), ações preferenciais (SANB4) e Units (SANB11) corresponderá a 96,8578% da respectiva cotação de encerramento do dia 15 de outubro de 2021.

Crédito: Seu Dinheiro

Santander – Getnet

Ainda de acordo com o documento, no caso da Getnet, considerando o percentual acima indicado e que, conforme anteriormente informado, para cada 1 ação ordinária, ação preferencial ou Unit de emissão do Santander Brasil será entregue 0,25 ação ordinária, ação preferencial ou Unit, respectivamente, de emissão da Getnet, a cotação no leilão de abertura de cada uma de suas ações ordinárias (GETT3), ações preferenciais (GETT4) e Units (GETT11) corresponderá a 12,5688% da cotação de encerramento do dia 15 de outubro de 2021 de cada ação ordinária (SANB3), ação preferencial (SANB4) e Unit Santander Brasil (SANB11), respectivamente.

Conforme a empresa, o leilão de abertura de negociação da Getnet no dia 18 de outubro de 2021 será mais longo que o usual, com início às 9:45 e término às 10:30, sujeito às prorrogações aplicáveis, conforme normas da B3.

Continue lendo

Bancos

Getnet processa Nubank e Mastercard por “abuso de dependência econômica”

Também alega violação do princípio de boa-fé e pede R$62 mi em ressarcimento

Publicado

em

A Getnet processou O Nubank e a Mastercard por “abuso de dependência econômica”, segundo o Valor Econômico.

De acordo com o jornal, trata-se de disputa entre bancos digitais e credenciadoras, cujo estopim foi a decisão do Banco Central de mudar as regras do cartão pré-pago.

A Getnet também alega violação do princípio de boa-fé, e esse movimento pode atrair outras credenciadoras a entrarem na justiça pela mesma razão.

Também disse que a Getnet quer ser ressarcida em no mínimo R$ 62 milhões.

Cartão Nubank

Cartão Nubank

Nubank

O Valor explicou que a proposta do BC de estabelecer o teto de 0,5% nas operações com pré-pago faz parte da discussão de assimetria regulatória que opõe fintechs e instituições tradicionais, nesse caso as credenciadoras.

E acrescentou que estas se queixam de que as instituições de pagamento que trabalham com contas pré-pagas oferecem cartões que, apesar de utilizarem a mesma plataforma dos cartões de crédito, representam operações de débito.

Também disse que o problema é que as fintechs não levam em conta o teto da tarifa de intercâmbio aplicável às transações de débito, como fazem os bancos. Como a norma do BC que estabeleceu o teto se refere apenas a quem opera conta de depósito – e não diz nada sobre conta pré-paga -, bancos digitais interpretam que não há nenhuma ilegalidade.

Continue lendo

Bancos

Banco Pine reporta alta de 27% na concessão de crédito no 3º tri

A originação de crédito continuou acima do patamar dos bilhões pelo quarto trimestre consecutivo

Publicado

em

O Banco Pine reportou alta de 27% na concessão de crédito no terceiro trimestre de 2021, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com a instituição financeira, a originação de crédito continuou acima do patamar dos bilhões pelo quarto trimestre consecutivo, e somou R$ 1,101 bilhão.

“Esse crescimento reflete a proximidade com o cliente por parte do time comercial, a agilidade nos canais digitais, bem como adaptação e criação de produtos para atender à maior demanda do mercado”, disse.

Banco Pine

Ainda de acordo com o documento, a alta de 27% diz respeito à comparação com o terceiro trimestre de 2020.

Também disse que a produção do crédito no segmento Grandes Empresas cresceu 61% quando comparado ao trimestre de 2020, principalmente devido ao maior volume de originação de recebíveis de curto prazo, conforme gráficos abaixo.

“Na visão por produto, a originação de operações ancoradas em   recebíveis   cresceu   25%   em   relação   ao   trimestre   anterior, e 154% na comparação com o trimestre de 2020, denotando o reaquecimento da atividade econômica após período mais crítico da pandemia”, destacou.

E acrescentou: “as operações de capital de giro e trade finance tiveram redução em relação ao trimestre de 2020, período em que originamos crédito por meio do programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas, do Bacen, cujo objetivo era apoiar as médias empresas na obtenção de recursos.”

Por fim, disse que a mudança na composição do mix dos produtos refletiu nos prazos da produção de crédito, especialmente na comparação com o terceiro trimestre de 2020, quando   a originação de recebíveis de curto prazo foi afetada pela pandemia. No terceiro trimestre de 2021, os créditos concedidos tiveram duration menor, com vencimento até 12 meses representando 86% da produção ante 58% no trimestre de 2020.

O Banco Pine está listado na bolsa brasileira (B3) sob o ticker PINE4.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS