Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Investidor deve se antecipar a qualquer bolha financeira, diz especialista

CIO e cofundador da Pandhora Investimentos, Lopes destaca que dependendo do tamanho da bolha, a economia de um país e, até a do mundo, pode sofrer as consequências

Publicado

em

Bolha financeira é um fenômeno que distorce o preço de um ativo ou de um conjunto de ativos. De acordo com o especialista Isaías Lopes, elas ocorrem por diversos motivos, e podem passar a ser negociados com preços muito mais altos que o razoável.

“Neste momento, as pessoas se dão conta de que algo não está certo e os preços despencam. Esse é o grande perigo delas: quando estouram. Os investidores que demoram a perceber o que está acontecendo podem enfrentar grande prejuízo”, disse.

CIO e cofundador da Pandhora Investimentos, Lopes destaca que dependendo do tamanho da bolha a economia de um país e, até a do mundo, pode sofrer as consequências.

“Para entender como ela acontece, é muito mais fácil pensar na lei da oferta e da demanda. Quando há poucas pessoas interessadas em um determinado produto, é preciso reduzir seu preço para que ele se torne atrativo. Por outro lado, se muitas pessoas querem comprá-lo, as empresas podem elevar os preços e continuar vendendo”, ilustrou.

E disse mais: “afinal, se há interesse ou necessidade, o aumento não distanciará os clientes. Essa é uma estratégia para aproveitar a oportunidade para lucrar mais.”

Investidor deve se antecipar a qualquer bolha financeira, diz especialista

Investidor – Mercado

De acordo com Lopes, no mercado de investimentos essa lei também é relevante e pode estar por trás das bolhas financeiras.

“Quando uma empresa listada na bolsa de valores, por exemplo, cria uma solução inovadora. As pessoas veem que o produto ou serviço é promissor e decidem comprar suas ações. Então, outros investidores começam a fazer o mesmo”, frisou.

“Dessa forma, podemos ver que o movimento leva ao aumento no preço da ação, a valorização passa a ser noticiada e, em seguida, acontece o efeito manada. E, assim as pessoas passam a investir na empresa também. Isso pode fazer os preços subirem a patamares muito superiores.”

Bolhas

Segundo ele, isso faz com que elas se perguntem se existe uma bolha se formando, mas não é possível ter certeza disso até que ela estoure.

“Em algum momento, os investidores sentem que o preço não faz sentido. Então, os primeiros vendem as suas ações e consolidam seus lucros. O problema é que não há espaço para todos recuperarem o que investiram. E, quando as vendas começam a crescer, a dinâmica de oferta e demanda muda e os preços caem. O resultado para quem espera demais pode ser o prejuízo”, ressaltou.

Quando ela estoura, disse, muitas pessoas sofrem o impacto do problema.

Dicas

  • Tenha uma reserva de emergência – essa é uma recomendação válida para qualquer cenário. Mesmo antes isso acontecer, em um momento de crise financeira, ter uma quantia guardada oferece um suporte para você atravessar a fase de maneira mais equilibrada e sem dívidas.
  • Desconfie de ativos muito valorizados – quando encontrar ativos com uma boa valorização, considere a possibilidade de que o preço não seja justo. A cotação pode estar inflada e, em algum momento, uma bolha – ainda que não tão grande – pode estourar. Por isso, fique sempre atento à análise do contexto.
  • Diversifique a carteira – a diversificação dos investimentos ajuda qualquer investidor a passar por dificuldades de modo mais tranquilo. Assim, ela pode ser útil para se antecipar a este fato.

“Mesmo com esses cuidados, isso não quer dizer que, se isso ocorrer, será possível evitar por completo as consequências. Isso porque, dependendo do tamanho da bolha, todos podem ser afetados. Mas, será possível prevenir maiores problemas ao criar uma carteira sólida, alinhada ao seu perfil e aos seus objetivos. Não dá para prever isso, mas é possível se preparar para ela e diminuir os prejuízos”, concluiu.

Você pode gostar
Continue lendo
Publicidade
Comentários