Conecte-se conosco

Investimentos

Confira 7 exemplos de investimentos sem Imposto de Renda

Embora a caderneta de poupança seja popular entre os investidores iniciantes, há outros tipos de investimentos sem IR.

Publicado

em

Investimentos sem IR

Os investimentos sem Imposto de Renda abrangem todos os perfis e vários são os exemplos de aplicações isentas do tributo. Porém, mesmo assim, muitas pessoas ainda pensam que só a poupança é um meio seguro de investimento da grana, o que não é verdade.

A caderneta de poupança apresenta um rendimento muito baixo, perdendo em alguns momentos até para a inflação. Sendo assim, ela está longe de ser mais segura do que os outros tipos de investimento. Ainda, alguns desses ativos são isentos da cobrança do Imposto de Renda.

No entanto, além da ilusão da poupança, há a utopia sobre as aplicações financeiras e os impostos, o que acaba não atraindo os prováveis novos investidores. Inclusive, muitos desses se questionam se terão de declarar o IR, caso invistam e a resposta é que, em muitos casos, não.

No cenário atual, só é obrigado a declarar o ajuste de renda anual se os rendimentos forem superiores a R$ 40 mil ao ano. Ou, no caso dos bens, os quais incluem veículos, imóveis, aplicações, entre outros, forem acima de R$ 300 mil.

Entretanto, se os investimentos e rendimentos não chegarem a esse limite, não se preocupe com o leão da Receita Federal. Então, veja a seguir alguns investimentos sem Imposto de Renda.

Investimentos isentos de IR

Não é porque é isento que o investimento não vai ser lucrativo. Ao contrário, um investimento que tenha incidência do IR pode até mesmo superar o rendimento do isento. Isso ocorre porque os ativos podem apresentar uma rentabilidade elevada, o que compensa a perda por IR ou IOF.

Além disso, o IR só incide sobre a rentabilidade e não sobre o dinheiro total aplicado. Confira a tabela regressiva de alíquotas e o tempo de aplicação:

  • 22,5% – Até 180 dias;
  • 20% – De 181 a 360 dias;
  • 17,5% – De 361 a 720 dias;
  • 15% – Mais de 720 dias.

No entanto, você deve estar se perguntando por que ainda há aplicações sem incidência do IR. Isso se dá pelo fato de estimular o aporte de recursos nos setores vistos como estratégicos ao desenvolvimento do Brasil.

O que avaliar na hora da escolha do melhor investimento sem IR?

Na hora de fazer a escolha do melhor investimento sem IR é importante verificar qual se adequa ao seu perfil. Além do que, faz necessário manter uma carteira diversificada, permitindo com que se haja segurança com as finanças.

Assim, os ativos isentos de IR podem ser relevantes, principalmente se o intuito é fazer o resgate em um curto prazo, de até 180 dias (6 meses).

Prós e contras dos investimentos sem Imposto de Renda

O principal benefício das aplicações em investimentos sem Imposto de Renda é que não há obrigatoriedade de despender parte dos rendimentos para o Estado. Assim, o rendimento da aplicação é líquido.

Já por outro lado, a aplicação em títulos e papéis sem IR pode significar perda de dinheiro, tendo em vista que a rentabilidade de um ativo com incidência do IR poderia ser ainda maior.

Poupança deve Imposto de Renda?

A poupança é um dos tipos de investimentos sem Imposto de Renda, mas isso não quer dizer que você tem que depositar todo o seu dinheiro nela, ao contrário.

Não tem pouco tempo que ela tem sido um dos piores investimentos. Em 2019, após o desconto da inflação, o retorno real foi negativo, de -0,05%. E em 2020, os números são piores, com a queda da taxa Selic para 2,25%.

No entanto, ainda que a caderneta de poupança seja isenta do IR, ela deve ser acrescentada como patrimônio no ato da declaração. Desse modo, é necessário declarar que teve o dinheiro investido, além do rendimento recebido, estando listada no item “rendimento isentos e não tributáveis”.

Investimento com ou sem IR, qual possui maior rendimento?

Essa é uma pergunta complexa, mas a resposta é simples: depende do tipo do investimento, perfil do investimento e quais os objetivos para o rendimento. Por exemplo, fundos de ações e mobiliários possuem alta rentabilidade, mas também possui um risco notório aos investidores.

Também é preciso levar em consideração que se trata de investimentos de renda variável, os quais os resultados costumam ser melhores, mas nem sempre com garantia.

Desse modo, na hora da escolha do tipo de aplicação, é necessário compreender que a rentabilidade pode tanto ser superior quanto inferior e que, em muitos casos, não será o IR que determinará isso.

7 investimentos sem IR

Confira a seguir uma lista com as 7 melhores aplicações sem Imposto de Renda:

  1. 1.Letra de Crédito Imobiliária (LCI)

A LCI é um tipo de investimento de renda fixa, emitida pelos bancos para disponibilizar capital ao setor imobiliário. Em síntese, você empresta dinheiro ao banco e ele o utiliza para emprestar aos clientes e obter lucros, te devolvendo o valor corrigido pela taxa de juros.

  1. Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

A LCA é um investimento muito similar ao LCI, a única distinção é que ao invés de aplicar o dinheiro no setor imobiliário, ele é destinado ao agronegócio. Portanto, para escolher o melhor é necessário considerar o prazo de vencimento alinhado aos seus objetivos e rendimento.

  1. Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA)

No exemplo do CRA para as empresas, só há a isenção do IOF. Portanto, o IR permanece sendo aplicado por meio de tabela regressiva. Além do mais, o seu rendimento é ótimo e se distingue na emissão do título, feita por securitizadoras.

  1. Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)

CRA e CRI nada mais são do que títulos de crédito privado, no entanto o CRA detém de um valor inicial acima do CRI. De qualquer modo, ambos possuem prazo de vencimento longo e liquidez baixa, o que exige investir e deixar o dinheiro render até o prazo.

  1. Debêntures Incentivadas

Do mesmo modo que a maioria dos investimentos, as debêntures são títulos de dívida, sendo que os seus emissores são as empresas de capital aberto ou fechado. Entre elas, existem as simples, as conversíveis e as incentivadas.

No caso, as incentivadas possuem isenção de IR e IOF, ao passo em que as empresas utilizam os seus recursos para financiar projetos de infraestrutura.

  1. Rendimento de Dividendos

Os dividendos nada mais são do que distribuição dos lucros na Bolsa de Valores. Grandes empresas estáveis e com bons fundamentos disponibilizam bons dividendos como modo de atrair mais investidores.

  1. Ganho com venda de ações até R$ 20 mil

Outra forma de investimento sem IR é se você tiver vendido até R$ 20 mil em ações no mês. Porém, apesar de ser um bom limite é bom ficar atento à complexidade desse mercado. Por isso, antes de fazer qualquer investimento é importante estudar.

Publicidade
Comentários

Investimentos

Guide lista 15 empresas com os maiores potenciais de alta na Bolsa em janeiro

Setores de turismo, varejo, farmácia, construção civil e frigoríficos estão na lista de ações potenciais para o primeiro mês do ano da Bolsa.

Publicado

em

Investimentos

A Guide Investimentos compilou 15 ações com potencial de alta na Bolsa em janeiro. Com avaliações dos analistas setoriais de diversas instituições financeiras, a corretora localizou as empresas que devem ganhar destaque neste mês.

Segundo dados divulgados, o mercado financeiro faz uma análise positiva sobre a CVC Brasil (CVCB3), proveniente de um segmento afetado pela pandemia do novo coronavírus. Tudo indica que a ação possa crescer 96%.

Algumas companhias que abriram capital na Bolsa no ano passado se configuram na lista de ações com maior indicativo de alta.

As novatas d1000 (DMVF3), 3R Petroleum (RRRP3), Lavvi (LAVV3) e Plano & Plano (PLPL3) foram incluídas na lista e chance de valorização é de mais de 40%. No ramo varejista, Lojas Americanas (LAME4) e Lojas Marisa (AMAR3) o representa. Demais setores, como construção civil, farmácia e frigoríficos estão em evidência.

Confira a lista das 15 ações com potencial de alta em janeiro:

Empresa Preço-Alvo Mercado Potencial de Valorização Mercado Preço-Alvo Guide
CVC Brasil (CVCB3) R$ 39 96% R$ 28
d1000 (DMVF3) R$ 22,50 86% R$ 14
Plano & Plano (PLP3) R$ 12,55 78% R$ 10
Tecnisa (TCSA3) R$ 15,55 68% R$ 11
Lojas Marisa (AMAR3) R$ 10,10 66% R$ 10
Helbor (HBOR3) R$ 17,67 63% R$ 17,50
Minerva (BEEF3) R$ 15,28 57% R$ 12
Moura Dubeux (MDNE3) R$ 15,67 57% R$ 15
Panvel (PNVL3) R$ 34,33 51% R$ 26
3R Petroleum (RRRP3) R$ 53 50% R$ 50
Lojas Americanas (LAME4) R$ 36,22 49% R$ 28
Lavvi (LAVV3) R$ 12,80 46% R$ 8,50
Eletrobras (ELET6) R$ 50,17 45% R$ 40
JBS (JBSS3) R$ 35,36 45% R$ 28
Cogna (COGN3) R$ 6,82 43% R$ 9

Fonte: Money Times.

As informações foram alcançadas por meio da Bloomberg e tendo como base os preços de fechamento de 15 de janeiro de 2021. O levantamento desconsiderou empresas com números inferiores a três coberturas ou cujas análises sejam antigas.

Continue lendo

Investimentos

14 ações que estão negociando abaixo do seu valor patrimonial

Com P/VPA inferior a 1, ações custam menos na Bolsa do que o patrimônio líquido de empresas. Essas possuem recomendações neutra e de compra.

Publicado

em

Ações

A Guide Investimentos reuniu 14 ações da Bolsa com negociação inferior ao seu valor de patrimônio. Em outras palavras, quando o Preço sobre Valor Patrimonial da Ação (P/VPA) representa menos de 1, indica que a companhia tem valor na Bolsa inferior ao seu patrimônio líquido. O analista responsável pelo relatório, Luis Sales, destaca ser essa uma oportunidade para quem está investindo.

“Em momentos de crises muito graves, por exemplo, diversas empresas são negociadas abaixo do valor patrimonial devido à aversão generalizada dos investidores ao risco”, disse.

Em paralelo, o P/VPA abaixo de 1 também pode representar que o mercado está com o pé atrás quanto àquela ação.

Confira as empresas com ações abaixo de seu valor patrimonial:

Empresa P/VPA Preço (15/01)  Preço-alvo  Potencial de valorização Recomendação
Embraer 0,44x R$ 9,52 R$ 13 37% Compra
Cogna 0,52x R$ 4,76 R$ 9 89% Compra
Valid 0,57x R$ 9,41 R$ 12 28% Neutra
Iochpe 0,61x R$ 15,40 R$ 20 30% Compra
Banrisul 0,70x R$ 14,37 R$ 18 25% Compra
Eletrobras 0,72x R$ 34,58 R$ 40 16% Compra
brMalls 0,74x R$ 9,28 R$ 13,35 44% Compra
Gafisa 0,80x R$ 4,18 Neutra
BMG 0,81x R$ 5,61 R$ 8,00 43% Neutra
ABC 0,83x R$ 16,14 R$ 19,00 18% Compra
Tecnisa 0,84x R$ 9,24 R$ 11,00 19% Neutra
Banco do Brasil 0,86x R$ 36,30 R$ 45,00 24% Compra
Copasa 0,89x R$ 16,71 R$ 17,00 2% Compra
Copel 0,90x R$ 66,01 R$ 75,00 14% Neutra

Fonte: MoneyTimes.

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Itaúsa (ITSA4) paga R$ 0,02 por ação em juros sobre o capital próprio adicionais até abril

Considerando a retenção de 15% do Imposto de Renda na fonte, o valor pago por ação passará a ser de R$ 0,01768.

Publicado

em

Itaúsa

O Conselho de Administração da Itaúsa (ITSA4) comunicou na última segunda-feira, 18, em fato relevante, que foi aprovada a declaração de juros sobre o capital próprio adicionais no valor de R$ 0,0208 por ação. De acordo com o documento, os valores serão repassados aos acionistas até o dia 30 de abril de 2021.

Vale destacar que, considerando a retenção de 15% do Imposto de Renda na fonte, o valor pago por ação passará a ser de R$ 0,01768, exceto para acionistas pessoas jurídicas comprovadamente imunes ou isentos. Ademais, esse valor será pago com base na posição final acionária final de 22 de janeiro, e a partir do dia seguinte (23 de janeiro), as ações serão negociadas como “ex-JCPs” (Juros sobre Capital Próprio).

A Itaúsa é a holding que controla o Banco Itaú. Entre seus principais investimentos, além do próprio Itaú Unibanco, que representa 90% de seus ativos, estão aplicações em empresas de produção de madeira e papel, calçados, transporte de gás natural, entre outras.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS