Conecte-se conosco

Agronegócio

Milho paraguaio mantém preços estáveis

Já os preços do cereal argentino subiram US$ 2/t para US$ 261

Publicado

em

Segundo a TF Agroeconomia, o preço do milho no Paraguai está estável e há poucos negócios. Isso porque os vendedores estão procurando US$ 10 a mais por tonelada, e o saldo para venda do Paraguai está em seu nível mais baixo para 27 de janeiro em anos.

De acordo com a consultoria, “a estes se poderia acrescentar que, com a seca que também danificou a safra do país, a maior parte dos vendedores estão retraídos, esperando preços maiores. Os que decidem vender, pedem 10 dólares mais do que os preços atuais”.

Para o milho argentino, na safra antiga para embarques em fevereiro, os preços subiram US$ 2/t para US$ 261. Além disso, a saca chegaria no porto a R$ 102 e no interior a R$ 108,00, contando com o US$ 40 a mais para frete, mais US$ 11 para desembarque no mesmo dia, dependendo da distância. 

“A safra nova avançou quatro dólares/t para R$ 250 para março, outros quatro dólares/t para US$ 246 para embarques em abril, mais quatro dólares/t para US$ 246 maio, subiu um dólar/t para US$ 236 para embarque em junho e um dólar/t para US$ 229 para embarque Julho. Já o preço para os navios Panamax  foi  o único que teve cotação nova nesta quinta-feira, subindo fortemente para 105 dents/bushel, o que levou o preço final para US$ 266, como mostra nossa tabela ao lado, obtida junto aos corretores do mercado físico de Buenos Aires”, indica.

Levando em consideração o câmbio, o dólar recuou 0,32% para R$ 5,4238 apesar da alta da moeda norte-americana no exterior. “A piora do apetite por risco no exterior ao longo da tarde, com queda das bolsas em Nova York e aceleração dos ganhos da moeda americana frente a divisas fortes e emergentes, acabou respingando no mercado doméstico de câmbio. Depois de furar o piso de R$ 5,40 pela manhã e tocar no patamar de R$ 5,35 – em meio a relatos de fluxo estrangeiro (para Bolsa e renda fixa) e provável internalização de recursos de emissões externas -, o dólar à vista diminuiu bastante o ritmo de queda e fechou na casa de R$ 5,42”, conclui a consultoria.

 

Publicidade
Comentários

MAIS ACESSADAS