Conecte-se conosco

Investimentos

Milionário aos 35 anos dá 5 dicas rumo ao sucesso financeiro

Ele conta que aprendeu a maioria das lições vendo sua mãe lidar com os contratempos da vida rumo ao sucesso da carreira.

Publicado

em

Investimentos - Quanto investir

Atingir a marca de US$ 1 milhão é um feito e tanto, não é mesmo? Drock, pseudônimo de um lobista que mora e trabalhava em Washington há 12 anos, conseguiu acumular a fortuna e conta cinco aprendizados importantes para ter sucesso financeiro. Ele diz que a maioria das suas lições foi aprendida com a mãe e suas tentativas de lidar com vários casamentos, contratempos e carreira rumo ao sucesso.

Diversificação de renda

A mãe de Drock fez a transição entre um emprego tradicional e o empreendedorismo durante grande parte da sua vida profissional. Ela trabalhou à noite e nos fins de semana, além de ter feito trabalhos freelance depois dos 50 anos. “Sua agitação me mostrou que eu poderia fazer algo além do tradicional trabalho das 9h às 17h”, afirmou Drock em seu blog.

Investimento em imóveis

Drock e sua esposa possuem dois imóveis para alugar. Ele aprendeu sobre as vantagens fiscais de investir em casas e apartamentos com a mãe, e comprou sua primeira propriedade alugada em 2009. “Ela me ensinou que mesmo pequenos investidores podem alavancar imóveis”. Em 2014, Drock e sua esposa compraram uma segunda propriedade por US$115.000 (cerca de R$617.000).

Investimento em ações

Esse tem sido um tema constante ao longo da vida de Drock: “Meus pais deram uma quantidade modesta de ações de primeira linha no início da vida e nos fizeram monitorar seu valor ao longo do tempo”, afirmou. Grande parte dos seus investimentos estão alocados em fundos de índice de baixo custo e totalizam aproximadamente US$ 700.000 (cerca de R$ 3.579.000).

Novas habilidades

Como já mencionado anteriormente, a mãe de Drock passou por diversas mudanças de emprego ao longo de sua vida. Nesse sentido, o desconhecimento de algo foi encarado como um desafio: “Minha mãe é boa em computadores, mídia social, reforma e design de casas, jardinagem, finanças e marketing, só para citar alguns. Ela sempre parece ser capaz de aprender coisas que não sabia, o que sempre me surpreendeu.”

Resiliência

A mãe de Drock, assim como muitas pessoas, construiu um negócio e depois perdeu tudo, “mas toda vez que minha mãe tinha contratempos, ela se afastava e seguia em frente. Essa característica — sua coragem — é algo que me esforço para imitar”.

Publicidade
Comentários

Empresas

Irani registra lucro líquido de R$33,92 mi no 4º tri, alta de 139%

XP Investimentos destaca que o setor de papel e celulose vem apresentando forte desempenho

Publicado

em

Irani (RANI3) reporta lucro líquido de R$33,92 mi no 4º tri, alta de 139%

A Irani (RANI3) reportou lucro líquido de R$ 33,92 milhões no quarto trimestre de 2020, alta de 139% em relação a igual período de 2019, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, a indústria de papel e embalagem alcançou R$ 92,76 milhões no acumulado do ano, alta de 250% em relação aos dose meses de 2019.

A companhia elencou que os resultados são frutos da melhor performance dos segmentos de embalagem de papelão ondulado e papel para embalagem no mercado interno.

Já a receita líquida da companhia aumentou 25% no quarto trimestre para R$ 290,93 milhões, sendo R$ 253 milhões em vendas para o mercado interno e R$ 37,26 milhões para o exterior. No acumulado do ano, a companhia teve faturamento de R$ 1,03 bilhão, aumento de 14,6% ante 2019.

A margem líquida da companhia finalizou o trimestre em 11,7%, sendo 1,9 ponto percentual acima do registrado no terceiro trimestre de 2020 e 5,6 pontos percentuais acima do quarto trimestre de 2019.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) em base ajustada da operação continuada somou R$ 62,42 milhões no último trimestre, uma queda de 22,6% na comparação com o mesmo período do ano passado. No ano, o Ebitda somou R$ 225,8 milhões, queda de 1% ante 2019.

Irani (RANI3) reporta lucro líquido de R$33,92 mi no 4º tri, alta de 139%

Irani: XP Investimentos

Em relatório divulgado dia 17, a XP Investimentos destacou que o setor de papel e celulose vem apresentando forte desempenho nos últimos meses, amparado pelo avanço do comércio eletrônico que cresceu ainda mais com a pandemia de covid-19. Para a equipe de analistas da casa, a Klabin (KLBN11) e a Irani (RANI3) devem continuar a se beneficiar.

Os analistas Yuri Pereira e Thales Carmo destacaram os dados preliminares divulgados pela Empapel (antiga ABPO), sobre expedição de caixas, acessórios e chapas de papelão ondulado. Segundo os números, a expedição foi de 326.256 toneladas em janeiro deste ano, um volume superior em 4,9% em relação ao mesmo mês em 2020 e 2,3% acima do volume expedido em dezembro. Este é o maior volume expedido entre os meses de janeiro desde 2005.

Além disso, a produção por dia útil foi de 13.050 toneladas, um aumento de 9,1%, sendo a maior expedição diária entre os meses de janeiro.

Veja RANI3 na Bolsa:

Continue lendo

Empresas

Telefônica pretende pagar juros e dividendos em 2021

Para a Elite Investimentos, a empresa reportou bom resultado em 2020

Publicado

em

A Telefônica Brasil (VIVT3) anunciou pagamento de juros e dividendos para este ano, conforme documento encaminhado ao mercado.

De acordo com a empresa, os pagamentos cairão na conta dos acionistas em duas datas: 13 de julho e 05 de outubro.

Na primeira, serão pagos os juros anunciados em seis ocasiões do ano passado, somando um valor bruto por ação de R$ 3,1359 para as ações ON e de R$ 1,2033 para as preferenciais existentes antes da conversão de todos os papéis em ordinários.

Em outubro, será a vez de os acionistas receberem um total de R$ 1,6511 por ação ordinária, na forma de dividendos anunciados em duas ocasiões do ano passado.

Como se sabe, a diferença é que os juros recebidos deverão pagar uma alíquota de 15% de Imposto de Renda, enquanto os dividendos são isentos. Apenas para se ter uma ideia, o formulário de referência de 2020 da Vivo indica que seu capital social é representado por 1,691 bilhão de ações ordinárias.

A operadora concluiu a conversão de suas preferenciais em ordinárias em novembro do ano passado, na proporção de uma ON para cada PN.

Telefônica Brasil (VIVT3) anuncia pagamento de juros e dividendos em 2021

.

Telefônica – Elite Invest

Para a Elite Investimentos, a empresa reportou seu resultado referente a 2020 e o bom desempenho justificou a manutenção da tele na carteira de dividendos da gestora.

A afirmação é da própria gestora por meio de relatório ao mercado, onde reitera sua recomendação de compra da companhia e preço-alvo em R$ 60,05.

No documento, a Elite elenca a eficiência na gestão de custos por parte da tele por conta das medidas tomadas pela operadora para digitalizar e automatizar processos, bem como flexibilização de contratos trabalhistas.

Também destacou os investimentos focados na ampliação e qualidade das redes 4G e 5G, além de uma parceria para atração de investidor para a nova empresa de fibra ótica anunciada em julho de 2020.

Telefônica: endividamento

Outro ponto elencado pela Elite foi com relação ao endividamento que segue sem preocupar a empresa. A dívida bruta encerrou o trimestre em R$ 2,76 bilhões excluindo o reconhecimento de passivos decorrentes de arrendamentos, exigidos pelo IFRS 16.

“A companhia não possui dívida denominada em moeda estrangeira. Ao excluir o efeito do IFRS 16, registrou caixa líquido de R$ 2,99 bilhões no quarto trimestre”, disse.

E acrescentou: “já em comparação ao quarto trimestre de 2019, o caixa líquido aumentou em R$ 4,0999 milhões, principalmente pela maior geração de caixa no período.

Acionistas

Por fim, a Elite ressaltou a maximização do retorno aos acionistas, lembrando que em 2020 a tele havia aprovado o pagamento de juros sobre capital próprio e dividendos no valor bruto de R$ 5,4 bilhões relativo ao exercício social de 2020.

Dessa forma, o dividend payout atingiu 113,6% e o dividend yeld foi de 7,0% no ano.

4TRI20

A companhia registrou lucro de R$ 1,3 bilhão no quarto trimestre de 2020, alta de 1,5% em relação ao mesmo período de 2019, mostra documento enviado ao mercado na terça-feira (23).

Segundo a empresa, o valor foi puxado pela menor despesa com impostos.

A receita operacional, por outro lado, caiu 1,5%, somando R$ 11 bilhões.

Veja VIVT3 na Bolsa:

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Vale anuncia pagamento de R$22,5 bi em dividendos em março

O valor total entregue aos investidores deve somar R$ 22,5 bilhões

Publicado

em

O conselho de administração da Vale aprovou a distribuição do total de R$ 4,26 por ação (aproximadamente US$ 0,77 por ADR) na remuneração aos acionistas com relação ao desempenho da companhia no segundo semestre do ano passado.

Segundo o Valor Econômico, o valor total entregue aos investidores deve somar R$ 22,5 bilhões, equivalente a quase 85% do lucro líquido anual obtido por ela em 2020.

Vale (VALE3) anuncia pagamento de R$22,5 bi em dividendos em março

Vista de mina da Vale em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG)

VALE: dividendos

Em termos percentuais, o dividendo distribuído representa um retorno com dividendo (dividend yield) próximo a 4,5%, quando se considera o preço de fechamento da ação da mineradora ontem, de R$ 95,71.

Conforme a empresa, a continuação da política de dividendos visa devolver aos acionistas uma parcela “relevante” da geração de caixa da companhia, em um padrão previsível e alinhado com o pilar estratégico da companhia de disciplina na alocação de capital.

Dos R$ 4,26 que serão pagos aos acionistas, R$ 3,426 por ação serão na forma de dividendos, e, portanto, isentos de Imposto de Renda, e R$ 0,835 por ação como juros sobre o capital próprio (JCP). Nesta segunda parcela incide 15% de IR na hora do recebimento.

O pagamento da remuneração ocorrerá em 15 de março e a data de corte para os detentores de ações no Brasil será o dia 4, enquanto a data de referência para quem tem recibos de ações na bolsa de Nova York o dia 8.

A partir do dia 5 de março os papéis serão negociados sem o direito a este dividendo e JCP.

3TRI20

A mineradora reportou lucro líquido de R$ 739 milhões no quarto trimestre, ante prejuízo líquido de R$ 1,56 bilhão um ano antes, refletindo um histórico desempenho da unidade de ferrosos guiado por preços mais altos que foi minimizado por despesas pelo desastre de Brumadinho (MG).

Segundo a Reuters, a empresa assinou em fevereiro um acordo de R$ 37,69 bilhões para reparação de danos coletivos causados pelo rompimento de barragem da mineradora em 2019 em Brumadinho, com autoridades de Minas Gerais, encerrando ações coletivas na Justiça.

Vale: o acordo

O acordo impactou o resultado do quarto trimestre em R$ 3,872 bilhões, informou a Vale na noite de quinta-feira, ao relatar o balanço do ano 2020.

Além disso, a empresa realizou provisões adicionais para descaracterização de barragens de US$ 617 milhões.

Também afetou o resultado a realização de US$ 1,5 bilhão em baixas contábeis, principalmente relacionado a ativos de carvão e níquel.

Considerando todas as unidades da companhia, o lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado somou US$ 4,24 bilhões entre outubro e dezembro, alta de 20% ante o mesmo período de 2019.

Veja VALE3 na Bolsa:

Continue lendo

MAIS ACESSADAS