Conecte-se conosco

Empresas

Petrobras indaga acionista controlador por declarações de Bolsonaro

A indagação foi via ministério de Minas e Energia

Publicado

em

Sobre as declarações atribuídas ao presidente da República, Jair Bolsonaro, envolvendo o reajuste de gás e sobre possíveis mudanças na política de preço da Petrobras (PETR4), a estatal informa em comunicado divulgado na quarta-feira (7) que “indagou o seu acionista controlador, por meio do ministério de Minas e Energia (MME), sobre a existência de informações relevantes que deveriam ser divulgadas ao mercado, e até o momento, não recebeu resposta”.

De acordo com o Estadão, em Foz do Iguaçu (PR), para cerimônia de posse do general João Francisco Ferreira como novo diretor-geral brasileiro de Itaipu Binacional, Bolsonaro defendeu maior previsibilidade na política de preços da Petrobras, além de transparência.

O chefe do Executivo também pediu a participação do parlamento para aprovação do projeto do governo sobre a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis.

Ele indicou que a política de preços da estatal poderia ser modificada com a aprovação do texto.

Petrobras (PETR4) se posiciona acerca de declaração de Bolsonaro sobre política de preços

Petrobras

O chefe do Executivo também pediu a participação do parlamento para aprovação do projeto do governo sobre a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis. Ele indicou que a política de preços da estatal poderia ser modificada com a aprovação do texto.

No evento, Bolsonaro citou que Silva e Luna aceitou “de pronto” o convite para a presidência da Petrobras. “Fomos de novo atacados como interferindo na estatal, as ações caindo, o dólar subiu um pouco mais e isso influencia no preço final do combustível no Brasil.”, comentou em referência ao anúncio da troca no comando da empresa, feito em 19 de fevereiro. “Mas ele (Silva e Luna) sabe que é uma empresa que, mais do que transparência, tem que ter previsibilidade. É inadmissível se anunciar agora – o velho presidente ainda – um reajuste de 39% no gás. Que contratos são esses, que acordos foram esses?”, questionou.

Na sequência, o presidente declarou que não iria interferir na política de preços da estatal, mas que essa poderia ser alterada e citou o projeto sobre a mudança na cobrança do ICMS sobre combustíveis.

“Não vou interferir, a imprensa vai dizer o contrário. Mas podemos mudar essa política de preços lá. Mandei um projeto para Câmara há poucas semanas”, destacou Bolsonaro.

Você pode gostar
Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.