Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Pressão de juros do Fed; petróleo em alta e IGP-M a 16,91% pautam Ibovespa de sexta

Aperto monetário mais ‘agressivo’ de bc ianque; commodity no positivo e inflação de dois dígitos afetam cotações

Publicado

em

foto divulgação

Como reflexo da expectativa de um reajuste, maior que o previsto, das taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed) – banco central estadunidense – em março próximo, os índices futuros ianques apresentavam desempenho predominantemente negativo (Dow Jones, -0,21%; S&P 500, -0,08%; Nasdaq, +0,35%), no início da sessão dessa sexta (28), numa semana marcada pela alta volatilidade, o que não impediu ganhos para a bolsa brasileira, ao se ‘descolar’ de Wall Street.

Alta de 2,27% – Beneficiado pela valorização de suas principais commodities (petróleo e minério de ferro), assim como pelo forte ingresso de capital estrangeiro no mercado, o Ibovespa acumula alta de 3,37% na semana (até ontem, 27) e de 7,43% neste janeiro, superando o registrado em maio passado, quando variou 6,16% – o melhor resultado de 2021.

Inflação comportada (dos EUA) – Indicador em linha com a estimativa de analistas, o PCE dos EUA (índice de preços de gastos com consumo) subiu 0,5% em dezembro último, em relação ao mês anterior, e avançou 4,9%, ante igual mês de 2020, indicou o Departamento de Comércio local. A evolução da inflação estadunidense estaria ‘em linha’ com o forte crescimento 6,9% no quarto trimestre de 2021 do PIB ianque, ante igual período de 2020.

Ásia mista – Na Ásia, as bolsas locais apresentaram desempenhos mistos, ainda precificando o avanço monetário maior do que esperado pelo xerife da moeda ianque. Assim, enquanto o chinês Shanghai SE (China) recuou 0,97% e o Hang Seng Index, de Hong Kong, perdeu 1,08%, o japonês Nikkei avançou vigorosos 2,09% e o sul-coreano subiu 1,87%.

Europa tomba – Mais a oeste, o índice europeu Stoxx 600 amargava perda de 1,37%, a 463.87 pontos, com todos os seus índices no ‘vermelho’, como o britânico FTSE 100, -1,09%; o DAX alemão, -1,74%; o CAC 40 francês, -1,42% e o italiano FTSE MIB, -1,35%, desempenho com influência negativa do setor automotivo, mas positiva do varejo, em que pese a queda de 0,7% do PIB da Alemanha – a maior economia da Europa – no quarto trimestre do ano passado (4T21) em relação ao anterior. No comparativo com o igual período de 2020 (4T20), o recuo é de 1,4%.

Petróleo sobe – No campo das commodities, o petróleo avança (tipo WTI, +0,57%, a US$ 87,1 o barril e o Brent, +0,75%, a US$ 90,01 o barril), também refletindo a tensão geopolítica que envolve o risco (novamente) de invasão russa ao aliado da Otan, a Ucrânia.

Minério em alta – Como nas sessões anteriores, o minério de ferro continua em alta, a exemplo do tipo 62% de teor de ferro, cotado a US$ 147,42 a tonelada, no porto chinês de Qingdao, subiu 5,59%, em relação à véspera, e já acumula ganhos de 22,09% no ano, ao passo que na bolsa chinesa de Dalian, o item valorizou 7,59% a 829 iuanes ou US$ 130,32.

Bitcoin perde 21,30% – No mundo cripto, a ligeira alta de 0,03%, a US$ 36.603,42 do Bitcoin não será suficiente para superar a perda mensal, acumulada em 21,30%, que reflete fatores, como a retirada dos estímulos monetários do Fed (tapering); reajuste dos juros ianques em março próximo (a primeira, de cinco estimadas pelo mercado, somente este ano), assim como a alavancagem do mercado em contratos futuros de BTC.

IGP-M a 16,91% – No plano interno, já interfere no mercado a expansão de 1,82% do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) este mês, ante variação positiva de 0,87% em dezembro último. Como resultante, o índice acumula alta de 16,91% em 12 meses, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

‘Inflação espalhada’ – Para o coordenador de Índices de Preços da Fundação, André Braz, “a inflação ao produtor segue espalhada, uma vez que os preços dos bens de investimento subiram 2,07%, ante 0,78%, em dezembro de 2021. Já os preços de materiais e componentes para manufatura avançaram para 1,33%, depois de subirem 0,40% no mês passado”.

Confiança cai pela 3ª vez – Já o índice de confiança do setor de serviços, também calculado pela FGV, por conta da nova onda pandêmica, caiu 4,3 pontos em janeiro corrente (terceira queda consecutiva), para 91,2 pontos, pior resultado desde maio do ano passado, quando chegou a 88,1 pontos.

Pnad vê baixa de 10,6% – No que toca ao mercado de trabalho, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE estimou em 12,4 milhões o contingente de brasileiros sem trabalho, no trimestre fechado em novembro último, correspondendo a uma baixa de 10,6%, ante o trimestre anterior.

Saldo de crédito vai a R$ 13,6 tri – Segundo o Banco Central (BC), o saldo do crédito ampliado ao setor não financeiro em 2021, alcançou R$ 13,6 trilhões (156,9% do PIB), o que significa aumento de 13,9% no ano passado, inferior, portanto, aos 16,8% registrados em 2020.

Empréstimos crescem – Ao mesmo, no mesmo período abordado, também cresceram 16,3%, os empréstimos do sistema financeiro nacional (SFN) e 10,6% os títulos públicos. Em dezembro último, o crédito ampliado ao setor não financeiro avançou 1,7%, quando empréstimos e financiamentos e os títulos de dívida variaram 1,8% e 2,4%, respectivamente.

Resultado primário – Ainda na agenda do dia, o Ministério da Economia deverá divulgar o resultado primário do governo central, que precede entrevista coletiva do titular da pasta, investidor offshore isento. Seu chefe, por sua vez, agora redireciona o ‘aceno eleitoreiro’ aos professores, ao conceder reajuste de 33,24% sobre o piso salarial da categoria, que passa de R$ 2.888,24 para R$ 3.848,29, para jornadas com carga semanal de 40 horas. Trata-se de outra ‘bomba fiscal’, com custo avaliado em R$ 35 bilhões.

Covid e Disque 100 – No diário da Covid, o vírus chinês matou 417 brasileiros, o que representa alta de 201% na média móvel em sete dias, se comparada com o patamar de 14 dias antes. Aqui, a novidade fica para a iniciativa da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, que anunciou a criação do Disque 100, voltado àqueles que discordam de exigências sanitárias, como passaporte vacinal e obrigatoriedade de vacinação de crianças contra a doença viral, instituídas arbitrariamente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – sem qualquer consulta prévia aos demais poderes – em flagrante violação aos princípios constitucionais de acesso à Justiça e de autodeterminação do indivíduo, que não pode ser obrigado a fazer algo que fere sua consciência.

Principais indicadores

Estados Unidos (futuros)

Dow Jones, -0,21%.
S&P 500, -0,08%.
Nasdaq, +0,35%.

Ásia

Shanghai SE (China), -0,97% (fechado).
Nikkei (Japão), +2,09% (fechado).
Hang Seng Index (Hong Kong), -1,08% (fechado).
Kospi (Coreia do Sul), +1,87% (fechado).

Europa

FTSE 100 (Reino Unido), -1,09%.
DAX (Alemanha), -1,74%.
CAC 40 (França), -1,42%.
FTSE MIB (Itália), -1,35%.

Commodities

Petróleo WTI, +0,57%, a US$ 87,1 o barril.
Petróleo Brent, +0,75%, a US$ 90,01 o barril.
Minério de ferro, +7,59% a 829 iuanes ou US$ 130,32 (Bolsa de Dalian – China).

Criptomoedas

Bitcoin, + 0,03%, a US$ 36.603,42.

Publicidade
Comentários

MAIS ACESSADAS