Conecte-se conosco

Empresas

TIM conquista direito de comprar participação no C6 Bank

Desde 2020, operadora tinha parceria com Banco C6, que totaliza R$ 5,3 bilhões em ativos com mais de R$ 1,5 bilhão em transações por mês.

Publicado

em

C6 Bank e TIM

Na última segunda-feira, 1, a TIM Brasil divulgou que conquistou o direito de participação acionária minoritária no C6 Bank. Desde março de 2020, a operadora de telefonia possuía parceria com o banco digital C6. A chance de exercer esse direito estava sujeita ao alcance das metas estabelecidas em acordo, tendo sido atingidas em dezembro.

“A TIM obteve, no âmbito da parceria estratégica firmada com o Banco C6, o direito ao exercício de Bônus de Subscrição equivalente a participação indireta de aproximadamente 1,4% do capital social do C6”, disse a empresa ao mercado por meio de comunicado.

De acordo com a operadora, esse direito será desempenhado “no momento em que a administração da companhia julgar mais oportuno”. “Importante destacar que o mencionado Bônus de Subscrição concederá à TIM, quando exercido, uma posição minoritária e sem posição de controle ou de influência significativa na administração do C6”, complementa o informe.

Em fevereiro do ano passado, o C6 possuía 1,5 milhão de contas abertas. Já em novembro, passaram a ser quatro milhões de clientes. No momento, o banco soma R$ 5,3 bilhões em ativos e efetua mais de R$ 1,5 bilhão em transações por mês.

“Em menos de um ano, a parceria entre as empresas gerou um número expressivo de contas abertas através das ofertas combinadas de serviços de telecomunicações e financeiros, o que reforça o relacionamento entre TIM e C6”, afirma a operadora.

Publicidade
Comentários

Empresas

Eletronuclear lança edital para contratar obra civil de Angra 3

A companhia pertence à estatal Eletrobras (ELET6)

Publicado

em

A Eletronuclear, da estatal Eletrobras (ELET6), lançou nesta quinta-feira (25) um edital que visa a contratação de empresa para retomar a obra civil de sua usina nuclear de Angra 3 e para realizar parte da montagem eletromecânica do empreendimento.

Segundo a Reuters, o objetivo é adiantar algumas atividades de construção antes mesmo de se contratar a empreiteira que irá empreender a obra global e concluirá a construção da planta.

“A expectativa é que o contrato seja assinado até maio. Com isso, o primeiro concreto – marco importante da retomada das obras de Angra 3 – deve ser lançado em outubro”, informou a empresa.

Eletrobras (ELET6): Eletronuclear lança edital para contratar obra civil de Angra 3

.

Eletronuclear: empreiteira

Já a contratação de uma empreiteira que deverá dar sequência à obra está prevista para o segundo semestre de 2022, segundo a Eletronuclear, que já opera as usinas nucleares de Angra 1 e Angra 2.

Os trabalhos a serem contratados agora são parte do chamado “Plano de Aceleração do Caminho Crítico de Angra 3”, que visa iniciar atividades em paralelo ao desenvolvimento pelo BNDES de uma modelagem de negócio para a retomada definitiva do empreendimento, explicou à Reuters o presidente da Eletronuclear, Leonam Guimarães.

Com isso, a empresa buscará garantir a entrada em operação da terceira usina do complexo de Angra, em Angra dos Reis (RJ), em novembro de 2026, segundo ele.

“É um prazo viável, por isso o plano foi aprovado pela Eletrobras e está sendo efetivamente implementado”, afirmou.

O projeto

A construção do projeto Angra 3 foi paralisada no final de 2015, em meio à falta de recursos da Eletrobras e envolvimento de empreiteiras contratadas em investigações da Operação Lava Jato.

A obra da usina nuclear remete originalmente à década de 1980, mas o projeto ficou parado por anos antes de ser retomado no governo Lula.

O progresso físico global atual da usina é de 65%, disse a Eletronuclear.

A previsão é que as obras gerem cerca de 7 mil empregos diretos durante o pico das atividades.

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Petrobras registra alta de 5% na produção de óleo e gás em janeiro; ações sobem hoje

As ações da companhia lideravam o pregão desta quinta-feira (25) após a estatal reportar lucro líquido recorde

Publicado

em

A produção de petróleo e gás da Petrobras (PETR4) em janeiro cresceu 5% ante a média do quarto trimestre, para de 2,81 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d), segundo apresentação publicada pela companhia nesta quinta-feira (25).

Segundo a Reuters, a produção de petróleo ficou em 2,25 milhões de barris de petróleo por dia (bpd) no primeiro mês do ano, ante 2,15 milhões de bpd no último trimestre de 2019.

Já as ações da companhia lideravam o pregão desta quinta-feira (25) após a estatal reportar lucro líquido recorde de R$ 59,9 bilhões no quarto trimestre, se recuperando parte do tombo do início da semana.

Na contramão, os papéis da Ultrapar (SA:UGPA3) caíam 6% com resultados operacionais mais fracos, puxados pela rede Ipiranga.

Essar Group faz oferta por Petrobras

Petrobras: resumo do mercado

  • Petrobras (SA:PETR4) – A Petrobras teve lucro líquido recorde de R$ 59,9 bilhões no quarto trimestre do ano passado, ante R$ 8,15 bilhões no mesmo período de 2019, principalmente devido a uma reversão de baixa contábil bilionária relacionada aos preços do petróleo. Os papéis preferenciais e ordinários subiam 2,75% e 3,7%, respectivamente.
  • Eletrobras (SA:ELET3) – A capitalização da Eletrobras deve acontecer em dezembro, segundo o cronograma traçado pelo governo, aponta o Valor Econômico, citando o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord. A ação preferencial classe B avançava 1,88%.
  • AES Brasil – A AES Brasil registrou lucro líquido de R$ 602,6 milhões no quarto trimestre de 2020, aumento de 471% na comparação com o mesmo período do ano anterior, por efeito de resoluções sobre o risco hidrológico. A ação subia 1,89%.
  • JBS (SA:JBSS3) – A Folha informa que a fábrica da JBS na cidade de Greeley, nos EUA, ficará paralisada por dois dias para a vacinação dos funcionários entre 5 e 6 de março. O papel avançava 0,21%.
  • Ambev – A Ambev (SA:ABEV3) teve lucro líquido de R$ 6,9 bilhões no quarto trimestre de 2020, alta de 63,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, em resultado beneficiado por créditos tributários, mas também marcado por crescimento de volumes e receitas, enquanto as margens no período recuaram. O papel caía 3,18%.

Veja PETR4 na Bolsa:

Continue lendo

Empresas

BR Distribuidora e Americanas fecham negócio de conveniência

A parceria envolverá as redes de lojas Local e BR Mania e será efetivada pela criação de uma nova sociedade

Publicado

em

LAME4

A BR Distribuidora (BRDT3) informou que fechou acordo vinculante para a formação de parceria com a Lojas Americanas (LAME4) visando a exploração do negócio de conveniência dentro e fora de seus postos de combustíveis.

Segundo a Reuters, a parceria envolverá as redes de lojas Local e BR Mania e será efetivada pela criação de uma nova sociedade, na qual cada empresa terá participação de 50%, disse a BR em comunicado.

Para a nova sociedade, foi considerada avaliação (enterprise value) de até 995 milhões de reais, que considera o aporte da rede de franquias BR Mania e das lojas Local. Além disso, a transação inclui um desembolso pela Americanas de até 305 milhões de reais, na forma de aporte de 252 milhões de reais na nova empresa e pagamento de até 53 milhões de parcela variável à BR, com base em metas de performance.

BR Distribuidora (BRDT3) e Americanas (LAME4) selam parceria em lojas de conveniência

Americanas e B2W

No meio do caos do mercado financeiro da segunda-feira (22), as ações da Lojas Americanas (LAME3 e LAME4) destoaram totalmente do banho de sangue que virou a bolsa brasileira. Enquanto a Petrobras (PETR3 e PETR4) afundava mais de 20% e o Ibovespa caía cerca de 5%, as Lojas Americanas viram suas ações ordinárias e preferenciais dispararem 40% e 19,8%, respectivamente. O motivo? Uma possível fusão entre a Americanas e a sua controlada, a B2W (BTOW3).

É verdade que na terça-feira (23), dia de recuperação da bolsa, as ações da Lojas Americanas caíram mais de 5%, em um movimento de realização de lucros. Isso, no entanto, não diminuiu o otimismo dos investidores: eles acreditam que com a junção das duas operações, pode surgir uma empresa que consiga rivalizar, de fato, com Magazine Luiza (MGLU3) e Mercado Livre.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS