Conecte-se conosco

Economia

URGENTE! Cidadania libera novas parcelas do auxílio emergencial para mais 196 mil beneficiários

Beneficiários receberão desde a segunda até a quinta parcela do auxílio, sendo que aqueles que tiverem mais de uma parcela a receber vão sacar todas de uma só vez.

Publicado

em

O Ministério da Cidadania vai liberar novas parcelas do auxílio emergencial para 196 mil beneficiários. O novo lote contempla pessoas que fizeram a contestação entre os dias 7 e 16 de novembro e de 13 a 31 de dezembro de 2020 ou que tiveram o benefício reavaliado em janeiro deste ano após atualização de dados governamentais.

Os beneficiários receberão desde a segunda até a quinta parcela do auxílio, da seguinte forma:

  • 8,3 mil recebem a segunda, terceira, quarta e quinta parcelas do auxílio emergencial;
  • 40,9 mil pessoas recebem as três últimas parcelas;
  • 68,1 mil recebem a quarta e quinta parcelas;
  • 78,3 mil recebem apenas a quinta parcela.

Aqueles que tiverem mais de uma parcela a receber vão sacar todas de uma só vez. Ao todo, serão R$ 248,6 milhões destinados aos pagamentos desta nova etapa. Os valores estarão disponíveis para pagamentos, saques e transferências na quinta-feira, 28 de janeiro.

De acordo com o calendário oficial de pagamentos do auxílio emergencial, as últimas parcelas foram depositadas até 29 de dezembro, enquanto a liberação de saques e transferências segue até quarta-feira, 27. Para consultar a situação do benefício e outras informações sobre o auxílio, basta acessar o site auxílio.caixa.gov.br ou o aplicativo Auxílio Emergencial.

No total, o benefício contemplou 68 milhões de trabalhadores, o que corresponde a cerca de 32,2% da população brasileira e 40% das residências, totalizando R$ 330 bilhões em pagamentos.

Publicidade
Comentários

Empresas

Localiza (RENT3) registra lucro líquido de R$401,8 mi no 4º tri, alta de 76%

A receita líquida caiu 2,2%, para R$ 2,875 bilhões, devido a menores vendas de seminovos

Publicado

em

RENT3

A Localiza (RENT3) reportou lucro líquido de R$ 401,8 milhões no quarto trimestre de 2020, alta de 76% em igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, o montante foi alavancado pelo aumento dos preços dos veículos e permitiu margens maiores no negócio de seminovos, além de aceleração nos negócios de locação e de gestão de frotas.

Localiza (RENT3) reporta lucro líquido de R$401,8 mi no 4º TRI, alta de 76%

Localiza: receita

Segundo a companhia, a receita líquida caiu 2,2%, para R$ 2,875 bilhões, devido a menores vendas de seminovos para atender ao pico de férias no aluguel de carros, diante da menor disponibilidade de carros novos. Porém, isso foi compensando pelo aumento de 15,7% no preço médio de venda.

Já os preços de automóveis dispararam no Brasil ao longo de 2020, impulsionados entre outros fatores pelo salto nos preços de matérias-primas, como do aço, e dificuldade das fábricas na produção.

Localiza: frota

Além disso, a frota média de carros alugados subiu 4,1%, para 156.615 unidades, enquanto em gestão de frotas esse número subiu 5,1%, para 60.530. Em ambos os casos, tanto a diária média quanto a taxa de utilização cresceram no comparativo anual.

Assim, o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) cresceu 19,5%, para R$ 752,5 milhões.

A companhia ainda teve menores despesas financeiras no trimestre, devido à queda no serviço da dívida, acompanhando a redução da Selic para o piso histórico de 2% ao ano.

Em fato relevante separado, a Localiza informou que seu conselho de administração nomeou Bruno Lasansky como próximo presidente-executivo, a partir de 27 de abril.

Veja RENT3 na Bolsa:

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Minerva Foods (BEEF3) registra lucro líquido de R$697 mi em 2020

A receita líquida cresceu 17,4% nos três últimos meses de 2020, para R$ 5,7 bilhões

Publicado

em

Minerva Foods BEEF3

O frigorífico Minerva Foods (BEEF3), maior exportador de carne bovina da América do Sul, registrou lucro líquido de R$ 697,1 milhões no acumulado de 2020, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, trata-se de uma disparada ante os R$ 16,2 milhões registrados no ano anterior, o que permitiu propor a distribuição de dividendos adicionais em patamar recorde, informou a companhia nesta quinta-feira.

Minerva Foods (BEEF3) reporta lucro líquido de R$697 mi em 2020

Processamento de carne bovina em frigorífico em Santana de Parnaíba (SP)

Minerva: Ebitda

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou R$ 616,9 milhões no quarto trimestre, avanço de 2,2% no ano a ano. No acumulado de 2020, o Ebitda subiu 22,4%, para R$ 2,14 bilhões.

A receita líquida da companhia cresceu 17,4% nos três últimos meses de 2020, para R$ 5,7 bilhões, embora o abate de bovinos tenha recuado 4,8% no período, para 857,9 mil cabeças.

No total do ano, a receita líquida do Minerva avançou 13,3%, para R$ 19,4 bilhões.

Minerva: cenário

Neste cenário, o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, Edison Ticle, disse que a empresa propôs à Assembleia Geral Ordinária de acionistas o pagamento complementar de dividendos no valor de R$ 384,3 milhões ou R$ 0,73 por ação, excluindo os 23,1 milhões de ações em tesouraria, totalizando assim o montante de R$ 542 milhões ou R$ 1,03 por ação.

Os proventos serão distribuídos na forma de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) referentes ao exercício fiscal de 2020.

“O montante consolidado a ser distribuído representa cerca de 78% do lucro líquido da companhia no período, perfazendo um dividend yield de 10,5%, um dos mais elevados ‘dividend yields’ do mercado acionário brasileiro, referentes ao ano de 2020. Certamente ficaremos entre os principais do país”, disse o executivo.

Minerva: alavancagem

A alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado, encerrou o ano passado em 2,4 vezes, em linha com as projeções da companhia.

“Uma alavancagem que fique abaixo de 2,4 vezes pode abrir espaço para pagar ainda mais dividendos”, afirmou Ticle. Sem dar guidance, ele acrescentou que se os resultados continuarem no mesmo patamar ao longo de 2021, “certamente essa alavancagem vai estar abaixo de 2 vezes no final do ano”.

Mercado de carnes

O CEO do Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, disse que o alto patamar de preços de gado, que chegou a bater recordes acima de R$ 300 por arroba, representa uma volatilidade absolutamente natural para o mercado e, pensando nisso, a empresa aposta na estratégia de diversificação geográfica na América do Sul.

Apesar de ser visto como um elemento natural, o aumento de custos pressionou a margem Ebitda da companhia no quarto trimestre de 2020, para 10,8%, queda de 1,6 ponto percentual no ano a ano. “(Houve) pressão de custos que foi repassada para o preço de venda das mercadorias”, admitiu o diretor financeiro.

Sobre a hipótese de importação de gado vivo do Paraguai, dada a baixa oferta de animais terminados no Brasil, que está em avaliação pelo Ministério da Agricultura, Queiroz afirmou que apoia as aberturas de fronteira desde que as questões sanitárias sejam respeitadas.

China

Além disso, a expectativa é que a China continue sendo um importante mercado comprador da carne bovina sul-americana, em função dos focos de peste suína africana que continuam a aparecer nos planteis de porcos do país asiático.

“Se somar a questão da peste suína, com a redução de competitividade na Austrália e em outras origens, isso coloca a América do Sul como um grande fornecedor de carne”, afirmou.

Ele ainda disse que a empresa tem conseguido driblar a falta de contêineres que afeta a logística de alguns players no mercado por meio da estratégia de envio por portos alternativos.

“Não estamos tendo restrição nenhuma (por falta de contêineres). Trabalhamos em portos diferentes em toda a América do Sul, o que permite que tenhamos fluxo constante”, acrescentou.

Veja BEEF3 na Bolsa:

Continue lendo

Empresas

Vale registra lucro líquido de US$739 mi no 4º trimestre de 2020

O Ebitda ajustado sofreu impacto de despesas de US$ 4,863 bilhões relacionadas às doações de Brumadinho

Publicado

em

A mineradora Vale (VALE3) registrou lucro líquido de R$ 739 milhões no quarto trimestre, ante prejuízo líquido de R$ 1,56 bilhão um ano antes, refletindo um histórico desempenho da unidade de ferrosos guiado por preços mais altos que foi minimizado por despesas pelo desastre de Brumadinho (MG).

Segundo a Reuters, a empresa assinou em fevereiro um acordo de R$ 37,69 bilhões para reparação de danos coletivos causados pelo rompimento de barragem da mineradora em 2019 em Brumadinho, com autoridades de Minas Gerais, encerrando ações coletivas na Justiça.

Vale (VALE3) reporta lucro líquido de US$739 mi no 4º trimestre de 2020

Vista de mina da Vale em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG)

Vale: o acordo

O acordo impactou o resultado do quarto trimestre em R$ 3,872 bilhões, informou a Vale na noite de quinta-feira, ao relatar o balanço do ano 2020.

Além disso, a empresa realizou provisões adicionais para descaracterização de barragens de US$ 617 milhões.

Também afetou o resultado a realização de US$ 1,5 bilhão em baixas contábeis, principalmente relacionado a ativos de carvão e níquel.

Considerando todas as unidades da companhia, o lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado somou US$ 4,24 bilhões entre outubro e dezembro, alta de 20% ante o mesmo período de 2019.

Vale: Ebitda

O Ebitda ajustado sofreu impacto de despesas de US$ 4,863 bilhões relacionadas às doações de Brumadinho e à pandemia de Covid-19 no quarto trimestre.

O Ebitda de Minerais Ferrosos de US$ 8,8 bilhões no quarto trimestre foi US$ 2,944 bilhões superior ao do terceiro trimestre, alcançando seu segundo maior Ebitda ajustado da história.

Já a receita de vendas da companhia somou US$ 14,8 bilhões no quarto trimestre, ante cerca de US$ 10 bilhões um ano antes, com impacto positivo de um aumento dos preços do minério de ferro.

O preço médio realizado do minério de ferro foi de US$ 130,7 por tonelada no último trimestre de 2020, forte alta ante os US$ 83,5 por tonelada no mesmo período de 2019.

Vale: preço/toneladas

A Vale produziu 300,4 milhões de toneladas de minério de ferro em 2020, com recuo de 0,5% ante o ano anterior, em meio a efeitos da pandemia, restrições para a disposição de rejeitos e atrasos na abertura de novas frentes de lavra em Serra Norte, que anularam efeitos do retorno das atividades em algumas minas e o desenvolvimento da mina S11D, no Pará.

A companhia citou que retomou minas no sistema Norte e Sul em dezembro de 2020 e janeiro de 2021, ressaltando que assim mantém a meta de alcançar capacidade de 400 milhões de toneladas até o fim de 2022.

Já as vendas de sua principal commodity no ano passado somaram 254,9 milhões de toneladas, queda de 5,4% ante o ano anterior, à medida que a companhia buscou repor estoques apesar das compras recordes da China.

Em 2020 completo, a mineradora teve um lucro líquido de US$ 4,9 bilhões, ante prejuízo de US$ 1,7 bilhão no ano anterior.

Dividendos, dívida e guidance

Em comunicado separado, a Vale informou que o conselho de administração aprovou nesta quinta-feira distribuição de remuneração aos acionistas referente ao segundo semestre de 2020 no valor bruto de R$ 4,262386983 por ação.

“A continuação da Política de Dividendos visa devolver aos acionistas… uma parcela relevante da geração de caixa da Vale, em um padrão previsível e alinhado com o pilar estratégico da companhia de ‘Disciplina na Alocação de Capital'”, disse a empresa, citando que o pagamento da remuneração ocorrerá em 15 de março de 2021.

A Vale encerrou o ano com US$ 14,258 bilhões em caixa, mais do que a sua dívida bruta de US$ 13,360 bilhões, e portanto com uma posição líquida de caixa de US$ 898 milhões no quarto trimestre.

“Espera-se que a dívida líquida expandida continue com a tendência de queda para os US$ 10 bilhões de meta de longo prazo, uma vez que a companhia continua a gerar caixa e a pagar suas obrigações com Refis, Brumadinho, Renova (RNEW11) e Samarco”, afirmou a empresa.

Em outra nota separada, a Vale revisou sua estimativa para a produção de cobre de 390 mil toneladas para um intervalo entre 360-380 mil toneladas em 2021.

Veja VALE3 na Bolsa:

Continue lendo

MAIS ACESSADAS