Conecte-se conosco

Economia

Auxílio emergencial tem de ser substituído por Bolsa Família reforçado, diz Guedes

Ministro da Economia Paulo Guedes fala sobre a necessidade de substituir o auxílio emergencial por um programa sustentável.

Publicado

em

O auxílio emergencial precisa ser substituído por um programa de transferência renda fortalecido, como Bolsa Família ou Renda Brasil, afirmou nesta terça-feira o ministro Paulo Guedes. Segundo o chefe da pasta de economia, o substituto tem de ser “sustentável” e com valor superior a R$ 170.

“Mas talvez não sei se vamos chegar aos 600 (reais)”, ponderou o ministro durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

Guedes também sinalizou que o país pode criar um programa de erradicação da pobreza de “quatro, cinco anos”, custeado com o dinheiro da privatização de estatais. Entretanto, uma medida com essa demandaria uma PEC editada em “esforço conjunto” com o Congresso.

Em resposta a perguntas de parlamentares, o ministro elogiou o programa criado pelo PT, pontuando que o valor de uma iniciativa permanente não chegaria a R$ 600 porque não há fontes estáveis de financiamento.

“O auxílio emergencial, em uma situação de emergência, a gente consegue de repente durante um ano dar os 600, agora, ele é de natureza diferente. Uma coisa é o Bolsa Família, outra coisa é o auxílio emergencial, o Bolsa Família é para sempre, então ele tem que ter um financiamento estável”, concluiu.

Leia mais: Bolsa Família: Veja quando atualizar suas informações para não perder o benefício

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.