Conecte-se conosco

Bancos

Banco Digital, Agibank reporta lucro líquido de R$22,5 mi no 1º tri, alta de 58,9%

A receita avançou 11%

Publicado

em

Agibank

O Banco Digital Agibank reportou lucro líquido de R$ 22,5 milhões no primeiro trimestre de 2021, alta de 58,9% ante igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, a receita somou R$ 395,7 milhões, elevação de 11,5% no período.

A fintech elencou que a atuação multicanal foi mais uma vez destaque na estratégia da instituição para ampliar sua presença nacional e alcançar novos clientes, que hoje somam mais de 2,9 milhões de correntistas.

Já a carteira de crédito bruta chegou a R$ 2,6 bilhões, um avanço de 47,6% em relação a março de 2020, sendo que a originação de crédito atingiu R$ 1,1 bilhão no trimestre, um avanço de 48,4% por dia útil em relação ao mesmo período do ano anterior.

Também disse que a inadimplência acima de 90 dias passou de 26,6% da carteira de crédito bruta no primeiro trimestre de 2020 para 8,7% em março deste ano. As linhas de crédito consignado e cartão consignado já registram uma participação no portfólio de 49,3%, contra 27,9% em março de 2020.

O banco, que registrou 74 pontos de NPS (Net Promoter Score) em março, também investiu na abertura de novos hubs de atendimento, com mais de 141 pontos físicos inaugurados entre janeiro e março, chegando a 751 em todo o Brasil. A meta é chegar a 1.200 até 2023.

Agibank

Agibank

O Agibank qquer se descolar da imagem de financeira. Para isso, pretende expandir sua carteira de crédito, mas com modelo diferenciado do que propunha até então. O público-alvo são clientes com pouco ou nenhum nível de bancarização.

Recentemente, a instituição recebeu aporte de R$ 400 milhões da Vinci Partners.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Bancos

PagBank lança limite especial, DDA e débito automático no aplicativo

Empresa anuncia novas funcionalidades para facilitar as transações de seus mais de 11 milhões de clientes.

Publicado

em

O PagBank, banco digital da PagSeguro, anunciou três novidades no seu aplicativo. Seus mais de 11 milhões de clientes agora têm acesso ao débito direto autorizado (DDA), débito automático e limite especial. As novas funções prometem deixar o gerenciamento das finanças ainda mais fácil.

Leia mais: Após disparada nos preços, carros ‘populares’ ultrapassam R$ 70 mil

A empresa já oferece cartão de crédito internacional sem anuidade, empréstimos, transferências gratuitas e ilimitadas, recargas de celular, investimentos, seguros e shopping. Conheça mais detalhes sobre as novidades anunciadas.

DDA

No PagBank, quem tem uma conta pessoa física ou jurídica pode escolher como e quando pagar suas contas, sem precisar correr para imprimir o boleto. É só abrir o documento na aba “Boletos Digitais (DDA)” do aplicativo e realizar o pagamento em poucos segundos. O serviço deve ser disponibilizado ainda neste mês.

Débito automático

Já pensou em deixar suas contas no débito automático e nunca mais precisar pagar juros porque esqueceu a data de vencimento? No PagBank essa funcionalidade já está disponível para todos os clientes. Basta cadastrar os boletos frequentes e deixar saldo suficiente na conta para garantir o pagamento das contas.

Limite especial

Quando o bolso aperta, o PagBank tem o limite especial para te ajudar. Desde o início de agosto, os usuário passaram a ter limite de crédito pré-aprovado na conta para contratar quando mais precisarem. Em alguns casos, a empresa ainda oferece isenção de juros. A oferta está sujeito à análise de crédito.

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Negociação para venda da Braskem (BRKM5) desperta ceticismo

Para analistas, iniciativa não passa de ‘estratégia protelatória’ da Novonor

Publicado

em

Crédito: CMA

A venda da Braskem (BRKM5), por meio de várias rodadas de oferta de ações da petroquímica em bolsa, é a proposta hoje à mesa de negociações entre bancos credores e representantes da Novonor (ex-Odebrecht), cujo êxito depende de a Petrobras (PETR3, PETR4) não exercer seu direito de venda de sua participação em bolsa na Novonor.

Ceticismo impera – Apesar de engenhosa, a ideia das tranches foi recebida com ceticismo pelo mercado, que interpreta a iniciativa como mera ‘estratégia protelatória’, apenas para ganhar tempo juntos aos bancos, reunido no grupo formado por Bradesco, Itaú Unibanco, Santander, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Venda frustrada – Após a venda frustrada da Braskem pelo valor de mercado atual, por falta de interessados, a Novonor decidiu fazê-la via mercado, com emissões de ações em mais de uma rodada.  A modalidade, no entanto, demandava acordo prévio com a Petrobras, segunda maior acionista da petroquímica, além de uma definição mais clara da possibilidade de a Braskem manter, juntas, as operações no Brasil e na América do Norte. Até agora, todas essas questões corporativas permanecem pendentes.

Momento certo – Animada pelo momento favorável das ações da Braskem na B3 – valorização de 140%, somente este ano – a Novonor pretende levantar R$ 18 bilhões com a venda de sua participação na petroquímica, avaliada em R$ 45 bilhões pelo mercado.

Participação estrangeira – Caso a proposta seja aceita pelos bancos credores, a expectativa é de que a oferta seja encaminhada à bolsa nas próximas semanas, mediante a participação de bancos credores e instituições estrangeiras. Atualmente, a Novonor detém 50,1% do capital votante da Braskem, enquanto a Petrobras responde por 36,1% de capital total.

Continue lendo

Bancos

Mercado já trabalha com Selic de ‘dois dígitos’ para 2022

Inflação alta demandaria ‘aperto monetário’, apontam analistas e ex-diretores do BC

Publicado

em

Crédito: Investnews

Olhando logo à frente, analistas e ex-diretores do Banco Central (BC) já trabalham com um cenário em que taxa Selic (básica de juros) atinge dois dígitos, em 2022, no qual a autoridade monetária teria uma ‘atuação mais agressiva’ para o controle da inflação, que teria ganhado ‘tração’, ou seja, ela deve continuar subindo nos próximos meses, também movida pelo fator eleitoral do pleito no ano que vem.

Inflação persistente – Essa postura é defendida pelo ex-diretor do BC, Alexandre Schwartsman, segundo o qual “a política monetária atual foi incapaz de conter a deterioração nas expectativas de inflação”, que se tem mostrado “bem mais persistente do que se pensava”. Ele vai além, ao afirmar que esse processo (inflacionário) “estaria disseminado na economia brasileira, em especial, o setor de serviços”.

‘Rápido no gatilho’ – Para o ex-diretor do BC, “quanto mais rápido for feito o aperto na política monetária, maior a chance de sucesso (da autarquia) de fazer convergir a inflação à meta do ano que vem – de 3,5%, com margem de 1,5 ponto percentual, para cima ou para baixo. Projeção mais recente do Boletim Focus aponta um IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de 4,10% para 2022, mas com viés de alta firme.  Mas para que tal convergência se concretize, Schwartsman defende a necessidade de ‘acelerar o ritmo de alta da Selic, até que está chegue a 9%, em meados do ano que vem.

Ajuste ‘ideal’ – Em linha com a previsão do ex-BC, os economistas do banco Credit Suisse, Solange Srour e Lucas Vilela consideram ‘ideal’ para o momento, a previsão de aumento de um ponto percentual da Selic, a cada uma das três próximas reuniões do Copom, turbinando a taxa a um patamar de 8,25% a.a. para 9,75% a.a, no final de 2022, em razão do “forte aumento da inflação no período”. Eles defendem, ainda, a aplicação de duas altas seguidas da Selic em 2022: de 1 ponto percentual em fevereiro, e de 0,50 ponto em março próximo. Já a previsão de inflação, para o banco helvético, é de um IPCA no intervalo entre 8,1% e 8,5% este ano, e de 5% para 5,2%, em 2022.

Inflação de sobra – Para o sócio da SPX Capital e também ex-diretor do BC, Beny Parnes, é quase inevitável que o crescimento da inflação chegue a 2022, também pressionada por fatores como a “crise hídrica, além de riscos políticos e fiscais”.

Medida equivocada – Parnes observa, ainda, que a política monetária cometeu o equívoco de manter em 2% a Selic, diante de um ‘contexto de elevado nível de incerteza’. Na prática, acrescenta ele, a medida só serviu para desvalorizar o real frente a outras moedas emergentes, além de contribuir, hoje, para manter elevados os índices inflacionários. Por fim, o sócio da SPX Capital avalia que a alta de um ponto percentual da Selic é suficiente para gerar “o menor nível de ruído possível junto aos agentes de mercado”.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS