Conecte-se conosco

Criptomoedas

Bitcoins: ‘Declarações de Musk causam instabilidade’, diz especialista

Ativo marcou US$40 mil

Publicado

em

Veja como declarar Bitcoin e outros ativos digitais no IR 2021

O mercado de criptomoedas teve impacto positivo nesta segunda-feira (14) com a elevação dos bitcoins registrando um patamar acima de US$ 40 mil após declaração de Elon Musk, presidente (CEO) da montadora de carros elétricos Tesla, dizer em uma rede social que poderia voltar a aceitar bitcoins em pagamentos dos carros da empresa se ao menos 50% da mineração mundial de criptomoedas utilizar fontes de energia limpa.

Segundo Tasso Lago, especialista em criptomoedas e fundador da Financial Move, o CEO da Tesla Elon Musk tem uma influência muito forte no mercado de criptomoedas e suas declarações na mídia sempre causam instabilidades nas cotações das criptomoedas.

“Recentemente Elon Musk fez uma crítica sobre os bitcoins em relação ao consumo de energia e seu impacto ambiental e isso causou uma reação negativa nas cotações promovendo a queda de seu valor no mercado. Agora, em novo posicionamento após reunião com uma equipe de cúpula dos Estados Unidos para alinhar medidas voltadas ao uso de uma energia mais sustentável, Musk disse que é possível retomar com o bitcoins. Isto é um ponto muito positivo, pois alinha a moeda digital com as políticas de ESG e favorece a sua valorização frente ao mercado”, explica Tasso Lago.

Imposto de Renda 2021: Como declarar criptomoedas sem erros?

Bitcoins

Lago é pós-graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – COPPEAD e Mestre em Finanças por Corporativas pela Université de Bordeaux.

Começou atuando na Inteligência de Mercado da Fundação Getúlio Vargas, e em 2017 atuou no banco da IBM Global Finance como Analista Financeiro do mercado norte americano, sendo responsável por contas como Michelin, Cisco Systems e gerenciado contas estaduais e municipais dos Estados Unidos. Palestrante nos maiores congressos de economia e investimentos, atua como gestor de capital em sua empresa e é professor de Blockchain e Criptomoedas na COPPEAD.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Criptomoedas

O que é uma stablecoin e por que investir nessa criptomoeda?

Entenda como funciona as criptomoedas estáveis e quais as vantagens para os investidores. Mercado tem crescido cada dia mais.

Publicado

em

Uma das principais críticas às criptomoedas é sobre sua instabilidade. O valor da mais famosa delas, o Bitcoin, já variou mais de US$ 30 mil dólares só em 2021. Por isso, muitos investidores têm preferido apostar nas chamadas stablecoins.

Leia mais: Aprenda como investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro

O que é stablecoin?

O nome inglês tem tradução literal para “moeda estável”. A stablecoin é isso mesmo: uma criptomoeda que oferece estabilidade em seu valor. Não quer dizer que não existam variações, mas apenas que elas não são tão gritantes.

Como funciona?

O principal motivo que faz uma criptomoeda, como o bitcoin, variar tanto, é a falta de lastro. Em outras palavras, a falta de ancoragem em outro ativo deixa um vácuo de parâmetros. Não tem como comparar se está caro ou barato, é mais uma questão de oferta e demanda apenas. Ou seja, depende do interesse momentâneo.

Por isso, a stablecoin acaba sendo lastreada em ativos reais, como petróleo e dólar. Assim, é possível identificar parâmetros de alta e de queda. O valor só varia conforme seus ativos também variam.

Como exemplo, existe a stablecoin Tether – uma das mais famosas. Ela está lastreada em dólar, então seu valor é igual a US$ 1. Sempre que o dólar aumenta, ela aumenta e sempre que cai, ela cai. 

Qual a vantagem?

Dessa forma, qual é a vantagem em comprar um stablecoin no lugar do ativo. Porque um investidor compraria 500 Tether e não US$ 500, por exemplo?

“A vantagem de comprar uma stablecoin em vez do ativo no qual ela está lastreada (como o dólar, no caso do Tether) é conseguir combinar a estabilidade do ativo com a praticidade de uma moeda digital”. É o que explica a fintech Nubank, em seu blog.

Existem casos em que é mais barato fazer uma transação por stablecoin do que em dólar. Pois os meios para transação são mais práticos e menos burocráticos. Dessa forma, o público investidor acaba sendo um pouco específico.

Tipos

Para quem tem interesse em investir na área. Existem quatro tipos de stablecoin:

Centralizadas: geralmente lastreadas em moedas reais;

Cripto-colateralizadas: lastreadas em criptomoedas descentralizadas;

Commodity-colateralizadas: lastreadas em ativos, como ouro, imóveis, obras de arte etc.

Não-colateralizadas: baseada em algoritmos que definem quantidades de moedas em circulação.

Continue lendo

Criptomoedas

Bitcoin: 48% dos brasileiros acreditam que país deveria adotar criptomoeda

Interesse no uso do ativo em transações no país cresce cada vez mais, principalmente depois de El Salvador oficializar o uso da moeda.

Publicado

em

O Bitcoin passa por momentos históricos, sobretudo depois de El Salvador se tornar o primeiro país do mundo a adotar o dinheiro eletrônico como moeda oficial. E a tendência é chegar a mais lugares. Uma pesquisa mostra que populações de países da América Latina têm interesse em seguir o mesmo caminho. O Brasil é um deles.

Leia mais: Bitcoin recua US$ 10 mil em poucas horas após implementação em El Salvador

De acordo com um estudo encomendado pela Sherlock Communications, e feito pela plataforma Toluna, 48% dos brasileiros entrevistados acham que o país deveria adotar o Bitcoin como moeda. Deste total, 31% apenas concordam com o tema enquanto 17% acreditam fortemente no poder do ativo.

Do lado contrário, 30% dos participantes da pesquisam são neutros, ou seja, não concordam ou discordam que o país deva adotar a criptomoeda. Já 12% discordam e 9% são veemente contra a sua utilização nas transações nacionais.

Ao todo, foram ouvidas 2.700 pessoas com mais de 18 anos de idade. Participaram da pesquisa cidadãos dos seguintes países: Chile, México, Venezuela, El Salvador, Costa Rica e Argentina. O questionário sobre o uso do Bitcoin foi feito de forma totalmente online pela plataforma da Toluna.

De todos os países, o Brasil foi o que mais teve defensores do cripto-reconhecimento na região, onde 56% apoiam a abordagem de El Salvador e 48% acreditam que o dinheiro eletrônico deve ser implementado também em terras tupiniquins. Por outro lado, há ainda uma porcentagem de 30% dos entrevistados que acreditam que o Bitcoin pode acabar com as moedas locais.

Mesmo demonstrando interesse em adotar o Bitcoin como dinheiro, 35% dos brasileiros ainda acreditam que o país está muito atrás em relação ao ativo, sobretudo quando feita a comparação com outros países quando o assunto é o mercado cripto num geral.

Continue lendo

Criptomoedas

De olho na segurança, Mastercard adquire empresa de rastreamento de criptomoedas

Mastercard confirma a compra da CipherTrace, empresa que atua no rastreamento de criptomoedas para apoio à segurança.

Publicado

em

A Mastercard está apostando cada vez mais no mercado de criptomoedas. A gigante no setor de pagamentos confirmou a compra da CipherTrace, empresa que atua no rastreamento de cripto que ajuda outras companhias em relação à segurança e fraude.

Leia mais: Ainda há esperança para a poupança? Veja se ela vale a pena nos dias de hoje

Desde 2011, tanto pessoas físicas quanto jurídicas são alvo de fraudes ligadas a esse mercado. Em um dos maiores roubos de criptomoedas da história, criminosos chegaram a se apropriar de mais de 850.000 BTC de uma só vez.

O caso não é isolado, já que crimes como esses vem se tornando cada vez mais comuns com o aumento da aceitação desse tipo de moeda em vários países.

A CipherTrace atua na prevenção e resolução desse tipo de caso. Para a Binance, uma de suas clientes, a companhia presta serviços que evitam o uso da corretora como forma de limpar os rastros após um crime, a exemplo de um hack em um protocolo de DeFi.

A empresa também afirma ter sido a primeira a criar um sistema capaz de rastrear transações de Monero (XMR), criptomoeda comumente usada para quem quer sair limpo após um roubo como esse.

Em julho deste ano, a Mastercard também criou um programa para acelerar o desenvolvimento de startups ligadas a criptomoedas, batizado de Start Path. A companhia ainda é parceira das exchanges Gemini, BitPay e Uphold.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS