Conecte-se conosco

MEI

Como fazer um fluxo de caixa para MEI

Publicado

em

Fluxo de Caixa MEI

Aqui, já tratamos de como fazer uma planilha de fluxo de caixa, lembra? Pois bem, essa é a ferramenta imprescindível para controlar suas entradas e saídas, mantendo a saúde financeira de seu negócio.

Mas, afinal, o que é o fluxo de caixa? Como o MEI pode fazer um fluxo de caixa? É complicado? A seguir, você verá que trata-se de uma operação importante e de fácil execução, que poderá ser colocada em prática desde o início de seu empreendimento.

O que é um fluxo de caixa?

O fluxo de caixa é, literalmente, o fluxo, o caminho do capital no caixa de uma empresa. Explicando de forma mais simples, corresponde ao que foi recebido e o que foi gasto durante um tempo determinado.

Como fazer um bom fluxo de caixa?

O primeiro passo é distinguir o que são as saídas e as entradas do seu caixa. Vejamos:

  • Entradas: tudo o que você recebe com suas vendas e prestacao de servicos. Lembre-se de registrar isso, de forma detalhada, diariamente.
  • Saídas: são todos os valores gastos com despesas, outras saídas e fornecedores. As despesas são seus gastos administrativos, como internet, papelaria, telefone, água, luz, etc. Como o próprio nome já diz, gastos com fornecedores são os custos provenientes das compras junto aos parceiros. Por fim, as outras despesas são aquelas obtidas com pagamentos de títulos, prestações, etc.

Separando a origem destes valores, você chegará ao resultado do período que, nada mais é, que o produto da soma das entradas e, em seguida, reduzir das saídas.

Como faço para calcular o lucro?

Sabendo como fazer o fluxo de caixa, é a hora de saber se seu negócio está dando lucros ou trazendo prejuízos. Para isso, você precisará calcular o lucro, ou seja, aquilo que “sobra”após a redução de seus gastos.

O cálculo dos lucros deve ser obtido após uma análise criteriosa de tudo o que seu negócio registrou como gastos, mesmo que de menor valor. No final, identifique se o valor obtido com todos os pagamentos recebidos é maior ou menor que o montante total das despesas.

Caso o resultado seja inferior às despesas, seu empreendimento está tendo prejuízos. Se, pelo contrário, o montante recebido seguir superior, mesmo após deduzidos todos os gastos, a conta final indica que você está tendo lucro.

Estou tendo prejuízos, e agora?

Calma, pois, nem tudo está perdido! Identificando essa situação no início, é possível reverter e passar a ter lucro. Veja como:

  • reduzir despesas: lembra quando comentamos sobre a análise de todas as despesas, mesmo as menores? Pois bem, verifique onde sua empresa está gastando mais e o que é possível cortar.
  • alterar valores de serviços e produtos: a lei da concorrência reza que ganha o cliente quem apresenta o menor preço. De fato, mesmo que a margem de lucro do seu produto seja pequena, isso pode ser compensado pelo maior volume de venda. Mas, é preciso ter cuidado e bom senso na hora de precificar seu trabalho. Mesmo que o reajuste de preços seja a última alternativa, verifique se não está vendendo barato demais o seu produto.
  • aumente o volume de vendas ou serviços: quem não aparece não é lembrado! Quanto mais visível a sua marca, mais você venderá e, com isso, passará a ter lucros. Se o capital está curto para investir em propaganda paga, vá atrás de meios mais baratos, como as redes sociais e o infalível boca a boca.

Do que se trata o fluxo de caixa projetado?

Ao pedir um empréstimo junto a instituições financeiras, elas pedem um documento chamado “fluxo de caixa projetado”. Isso nada mais é do que a projeção de lucros e despesas do seu negócio.

A contração de empréstimos, inclusive, exige que o microempreendedor saiba controlar o que precisa pagar e receber nos próximos meses. Afinal, estará assumindo um compromisso financeiro que não deve ser deixado de lado.

Mas, o fluxo de caixa projetado não é importante, apenas, se o MEI vai pedir um empréstimo. Esse procedimento é essencial para a própria organização do negócio, pois, com ele, contas futuras estarão previstas e inseridas nas próximas despesas, assim como futuros recebimentos.

Suponhamos que sua empresa adquiriu um equipamento a prazo cuja primeira parcela vencerá em 60 dias. Insira essa despesa no fluxo de caixa projetado, a fim de reservar um valor específico para sua quitação.

Outra finalidade para a qual as projeções fazem a diferença diz respeito à articulação entre o tempo de recebimento dos clientes e o prazo para pagamento de fornecedores. É necessário que haja um equilíbrio para não haver hiatos em seu caixa.

Frisamos que é imprescindível que o MEI tire  um tempo, diariamente, para o preenchimento dessa planilha. Qualquer despesa ou recebimento deve ser registrado, além da cuidadosa análise de sua planilha. Só assim você conseguirá manter seu negócio funcionando de forma saudável.

Publicidade
Comentários

Finanças

Empréstimo BNDES para MEI libera até R$ 20 mil em 2021

Participação do BNDES é de até 100% em empréstimos para MEIs, porém dinheiro é liberado por instituições financeiras parceiras.

Publicado

em

BNDES

Com o intuito de auxiliar na manutenção do emprego e criar novas oportunidades de trabalho, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem oferecido linhas de empréstimo e financiamentos para os empreendedores. Um exemplo é o empréstimo BNDES para microempreendedores individuais (MEIs).

Pertencente ao microcrédito, o empréstimo BNDES para MEI dispõe de recursos 100% financiados pelo banco. Porém, esses são liberados pelas instituições financeiras autorizadas a comercializar as linhas de crédito.

O seu público-alvo são empresas de pequeno porte (EPP), empresas de pequeno porte (EPP) e MEI. Todos devem ter formalização de atividade junto à Receita Federal e receita bruta anual igual ou inferior a R$ 360 mil.

O empréstimo BNDES para MEI possui algumas regras que devem ser cumpridas pelas instituições que disponibilizam o crédito. São elas: Não exigir garantias reais; a participação do BNDES deve ser de até 100% do crédito financiado; a Taxa de Abertura do Crédito (TAC) não pode ultrapassar 3% do valor financiado; e os juros negociados entre agente operador e cliente não excederão o percentual de 4% ao mês.

O crédito contratado deverá ser usado como capital de giro e investimentos em obras, máquinas, equipamentos, materiais e insumos. A lista com as instituições financeiras parceiras do BNDES pode ser acessada no site do banco. E a aprovação ou não do empréstimo dependerá da análise feita pelo agente operador.

 

Continue lendo

MEI

Deseja empreender este ano? Saiba quanto custa ser MEI em 2021

A formalização como MEI garante vantagens às quais o empreendedor não tem acesso atuando como trabalhador informal ou autônomo, entre elas a tributação simplificada.

Publicado

em

Finanças MEI

Uma boa opção para quem já é ou deseja abrir o próprio negócio é se formalizar como Microempreendedor Individual (MEI). Trata-se da forma de negócio mais simples prevista pela legislação brasileira, na qual, além de tributação simplificada, o empreendedor tem direito a benefícios trabalhistas como salário maternidade e aposentadoria, entre outras vantagens às quais ele não tem acesso atuando como trabalhador informal ou autônomo.

Para poder se cadastrar como MEI, o empreendedor deve exercer uma das atividades permitidas para a categoria, conforme a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE). Ademais, o faturamento anual do negócio não pode passar de R$ 81 mil, e o empreendedor não pode ter participação em outra empresa, seja na condição de sócio, administrador ou titular.

Antes de se formalizar na categoria, o empreendedor deve conhecer bem o regime tributário e demais critérios deste regime. O primeiro passo para se formalizar é fazer o registro como MEI. Esta etapa é gratuita e online, basta fazer o cadastro no Portal do Empreendedor.

O MEI tem tributação simplificada, ou seja, será cobrada somente uma taxa mensal, por meio do pagamento do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Este valor é fixo, e reajustado anualmente de acordo com o salário mínimo vigente. Em 2021, a tarifa será de R$ 55, referente à contribuição do INSS, além de outros impostos, a saber:

  • Comércio ou indústria: R$ 1 (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS)
  • Serviços: R$ 5 (Imposto sobre Serviços – ISS)
  • Comércio e serviços: R$ 6 (ICMS/ISS)

Desta forma, o valor da taxa para MEI em 2021 será de R$ 56, R$ 60 e R$ 61, respectivamente, dependendo do setor no qual o negócio está inserido. Com o pagamento do DAS, além da regularização da empresa, o empreendedor e seus dependentes terão acesso aos benefícios do INSS, como auxílio maternidade, aposentadoria por idade ou invalidez, auxílio reclusão, pensão por morte e auxílio doença.

Outros benefícios para MEI são possuir um CNPJ e emitir notas fiscais, possibilidade de contratar um funcionário, dispensa de contador para a empresa e acesso facilitado à diversas linhas de crédito.

Continue lendo

Imposto de Renda - IRPF

MEI será obrigado a declarar o Imposto de Renda 2021?

Microempreendedores individuais estão isentos de pagamento do IRPJ, mas algumas condições os tributam no IRPF.

Publicado

em

Imposto de Renda - Malha Fina

O Imposto de Renda (IR) é um tributo a ser pago pelos contribuintes para o governo federal. O seu valor dependerá dos rendimentos declarados, sendo que quanto maior a renda proporcional é o imposto devido, assim como também é com o oposto. E isso independe do tipo de atuação, sejam autônomos, empresários e profissionais formais etc.

Existem dois tipos de IR, o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ). O IRPF incide sobre o rendimento de pessoas que apresentem renda igual ou superior a R$ 28.559,70, de acordo com a tabela de 2020 (a tabela de 2021 ainda foi divulgada). No caso do IRPJ, os valores são sobre a renda das empresas e organizações. 

Porém, a Lei Complementar n° 128, de 19 de dezembro de 2008, estabeleceu que o MEI está isento de tributos federais. Entre eles, estão excluídos o Imposto sobre os Produtos Industrializados (IPI), Programa de Integração Social (PIS), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e o IRPJ. Assim, o MEI fica isento da Declaração do IRPJ não do IRPF. Isso quer dizer que caso o empreendedor tenha rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 durante o calendário-base, também de acordo com a tabela de 2020, ele precisa enviar a declaração. 

Além dessa condição, o MEI tem obrigatoriedade de declarar o IRPF nos seguintes casos:

  • Tenha posse ou propriedade de bens ou direitos com valor total superior a R$ 300 mil;
  • Possua receita bruta de atividade rural igual ou acima de R$ 142.798,58;
  • Seja residente no Brasil a partir de qualquer mês do ano e que tenha permanecido até 31 de dezembro de 2020;
  • Detenha rendimentos tributados direto na fonte ou isentos superiores a R$ 40 mil;
  • Dispôs de recebimento de capital ou operações em mercados futuros, alienação de bens, na Bolsa de Valores, entre outros, em qualquer período do ano. 

Continue lendo

MAIS ACESSADAS