Conecte-se conosco

Moedas

Dólar fecha em alta pela 4ª semana consecutiva de valorização

Alta de 0,95% na moeda norteamericana elevou seu valor para R$ 5,6068, o maior visto nos últimos três meses.

Publicado

em

Mais uma vez o dólar fechou em alta, ficando acima dos R$ 5,60 e renovando máxima em três meses. Essa é a 4ª semana consecutiva de valorização, o que não se via desde o fim de abril. A moeda fechou a sexta-feira com alta de 0,95%, a R$ 5,6068.

A valorização foi sustentada pelo desconforto fiscal doméstico e pelo reavivamento da divisa no exterior. Esse é o maior patamar desde 20 de maio, que chegou a R$ 5,6902.

A variação máxima durante a sessão foi de 1,44% (R$ 5,634), enquanto a mínima foi de 0,04% (R$ 5,5562).

A apreciação chegou a 7,68% na semana, com cotação subindo em 3,31%, a quarta positiva seguida. Neste mês, o dólar já subiu 7,44%, enquanto no ano já está 39,72% mais alto.

No exterior, o índice do dólar valorizava-se 0,6%, a caminho de escapar da nona semana consecutiva de perdas. Dados fortes de atividade empresarial nos EUA deram respaldo global à moeda norte-americana nesta sessão.

Aqui, o mercado deu sinal de que ia tentar evitar nova alta da moeda, mas o mercado viu as negociações sobre o veto com cautela. Na véspera, a Câmara dos Deputados manteve o veto presidencial sobre o reajuste salarial a servidores públicos, logo após o Senado Federal ter derrubar a proibição no dia anterior.

O presidente Jair Bolsonaro elogiou os “muito valorosos” parlamentares do Congresso que ajudaram na manutenção de seu veto, ressaltando que tem “sócios” na casa.

Em nota, o Bradesco disse que “O tema fiscal deve continuar em destaque na próxima semana, já que o governo tem até 31 de agosto para enviar o projeto do Orçamento de 2021, com as diretrizes para cumprimento do teto de gastos. Após aumento relevante das despesas neste ano, para limitar os efeitos da pandemia, o desafio de cumprir o teto e cortar gastos persiste”.

As preocupações de ordem fiscal e a avaliação dos investidores de que o nível baixo dos juros não compensa os riscos tem impactado o valor da moeda brasileira.

Analistas do Bank of America acreditam que o dolar deve chegar R$ 5,40 no final do ano com intervenções do Banco Central.

“Esperamos que a taxa de câmbio permaneça fraca, refletindo o prêmio de risco elevado em meio ao frágil cenário macroeconômico e às baixas taxas de juros”.

Ainda nesta sexta-feira, o Banco Central vendeu 650 milhões de dólares em moeda spot, elevando a 1,79 bilhão de dólares o total colocado desde a véspera. No mercado, a ação é vista como uma reação a saídas de recursos mais significativas.

Felipe Pellegrini, gerente de tesouraria do Travelex Bank, avaliou que o real tem sido pressionado nas últimas semanas a despeito de alguma melhora no bloco de moedas emergentes. Para Pellegrini, a falta de novas informações negativas para o câmbio podem indicar que a depreciação chegou a um limite.

“Existe uma resistência forte nos 5,70 reais. Se o dólar não passar desse nível e se as notícias ajudarem, você tem um acúmulo de posições que podem ser desfeitas, ajudando o dólar a buscar talvez os R$ 5,40”, concluiu.

Publicidade
Comentários

Economia

Projeção de inflação para 2022 ‘encosta’ na meta e juros disparam

Incertezas sobre rumos da política monetária alimentam apostas de elevação da Selic

Publicado

em

Crédito: Site Terra

O avanço das projeções de que a inflação para 2022 (IPCA de 4,96%) já deverá ‘encostar’ no chamado teto da meta inflacionária do próximo ano (5%) serviu de senha para a disparada dos juros no mercado, face à incerteza do investidor com relação aos rumos da política monetária.

Susto e salto – O susto provocado entre os agentes financeiros do país se refletiu no ‘salto’, de 12,045% para 12,34% a taxa do CDI para janeiro de 2023.

Fim do aperto – Outro reflexo foi a precificação da Selic pelo mercado de juros, de 13,75%, para o fim do atual ciclo de aperto monetário, e no intervalo entre 13% e 13,25%, para o fim do ano que vem, pelos cálculos do estrategista-chefe da Renascença DTVM, Sérgio Gonçalves.

Encostando no teto – Uma piora muito expressiva. Assim define o atual momento monetário a estrategista-chefe da MAG Investimentos, Patrícia Pereira, para quem o fato de “o número de 2022 já ter encostado no teto, com mais de um ano de antecedência, é um sinal bem forte para o Banco Central”.

Credibilidade em xeque – De acordo com o cenário-base montado pela MAG, ocorreriam três elevações de 1,5 ponto percentual na Selic, até que a taxa básica atingisse o patamar de 12,25%, no fim do ciclo de aperto monetário pelo BC, previsto para março próximo. “Não consigo imaginar uma diminuição do ritmo, pois as expectativas estão indo embora e, de certo modo, a credibilidade do BC também”, aponta.

Cai expectativa – Em que pese as perspectivas de avanço da Selic, na avaliação da B3, a probabilidade de uma alta de 1,5 ponto percentual na taxa básica, em dezembro próximo, caiu de 60%, em 19 de novembro, para 47% ontem (22); a aposta em uma elevação de 1,75 ponto ficou em 20% e para dois pontos percentuais, de 25,9%.

Inflação por nove meses – “Se levarmos em conta fatores, como inércia maior, moeda mais fraca e expectativas de inflação ainda sob controle, concluímos que a atual onda inflacionária de dois dígitos poderá se estender por, pelo menos, nove meses consecutivos”, concordam os economistas do Rabobank, Mauricio Une e Gabriel Santos, ao preverem uma ‘descida lenta’ da inflação para 4,9%, no fim do próximo ano, com expectativa de retorno ao centro da meta somente em 2023.

Continue lendo

Moedas

Dólar bate R$ 5,60 com falas de membros do Fed

Moeda norte-americana subiu pelo quinto dia seguido e voltou a ficar acima de R$ 5,60.

Publicado

em

Influenciado pelo mercado externo, o dólar subiu pelo quinto dia seguido e voltou a ficar acima de R$ 5,60. A bolsa de valores teve a primeira alta após quatro sessões consecutivas de perda, mas fechou a semana com perda de mais de 3%.

Confira mais: Ibovespa fecha em alta de 0,59%, aos 103.035,02 pontos

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (19) vendido a R$ 5,609, com alta de R$ 0,039 (+0,7%). A cotação chegou a cair durante a manhã, atingindo R$ 5,52 por volta das 11h30, mas inverteu o movimento após declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) de que os estímulos monetários concedidos durante a pandemia de covid-19 podem ser retirados mais rápido que o previsto.

A expectativa de alta de juros nos Estados Unidos estimula a retirada de capitais de países emergentes, como o Brasil. Com o desempenho de hoje, o dólar fechou a semana com alta de 2,8%. A divisa ainda cai em novembro, mas a queda foi reduzida para apenas 0,56%. Em 2021, a moeda norte-americana sobe 8,1%.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 103.035 pontos, com ganho de 0,59%. A alta foi puxada por ações de mineradoras, influenciada pela subida do preço internacional do minério de ferro, e por empresas de telefonia, beneficiadas por uma decisão do Supremo Tribunal Federal de reduzir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre serviços de telecomunicações em Santa Catarina. Apesar da alta de hoje, a bolsa encerrou a semana com queda de 3,1%.

A expectativa de que o Senado fatie a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios trouxe alívio para o mercado. Para investidores, a aprovação de um texto mais enxuto ajudará a reduzir as incertezas fiscais. Mesmo com a PEC aumentando os gastos públicos em 2022, os analistas econômicos acreditam que essa saída seria menos custosa do que um eventual decreto de calamidade pública para bancar o Auxílio Brasil de R$ 400.

* Com informações da Reuters

Continue lendo

Investimentos

Dólar alto estimula investimentos no país, afirma Paulo Guedes

Para o ministro, o investidor terá um adicional de ganhos com a alta do dólar.

Publicado

em

O dólar alto, acima do nível de equilíbrio, estimula os investimentos no Brasil, disse nesta quinta-feira (18) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, as empresas estrangeiras que investirem no país podem ter ganhos extras com a desvalorização da moeda.

Leia ainda: Bolsonaro critica política que atrela preço dos combustíveis ao dólar

Em evento promovido pela Secretaria de Política Econômica da pasta, o ministro atribuiu ao clima político e a ruídos externos a alta recente da moeda norte-americana. “O dólar foi lá em cima por causa desse barulho político, incerteza, briga, confusão. Os fundamentos econômicos estão sólidos, estão aí os gatilhos fiscais, os marcos regulatórios, o Banco Central independente, o déficit em queda”, declarou.

Para Guedes, o investidor terá um adicional de ganhos com a alta do dólar. “Os fundamentos estão aí e o dólar está lá em cima ainda por causa da barulheira infernal. Não tem problema, quem entrar agora [investir no país agora] tem uma margem adicional de ganho. Além do que vai ganhar no projeto em si, [a empresa] está entrando com um dólar favorável, que está acima da taxa de equilíbrio”, comentou o ministro.

O ministro defendeu a independência da autoridade monetária. Para ele, as eleições de 2022 estarão livres de interferências do Banco Central (BC) no câmbio, porque será a primeira vez em que a disputa ocorrerá com o BC submetido às regras de independência.

Guedes repetiu estimativas repassadas recentemente, segundo as quais o Brasil receberá R$ 500 bilhões em investimentos privados nos próximos anos. Ele disse ter sido informado, na viagem recente do presidente Jair Bolsonaro ao Oriente Médio, de que investidores árabes pretendem comprar dois times de futebol no Brasil.

Saúde

O ministro comentou a redução dos gastos com a saúde no próximo ano por causa da contenção da pandemia de covid-19. Embora tenha dito que a alocação de recursos dependa do Congresso, Guedes disse que a diminuição das despesas com saúde poderá dar mais espaço para aumentos de salários para os servidores.

“Esse é o grande desafio à frente para a classe política: assumir os orçamentos públicos. Fazer em tempos de paz o que nós só conseguimos fazer em tempos de guerra contra a pandemia. Olha, está aqui o dinheiro para a saúde, mas não tem dinheiro para aumento de salário neste ano. No ano seguinte, a crise foi embora, ok, diminuiu o gasto com a saúde, temos aqui a possibilidade de dar reajuste de salário”, ressaltou o ministro.

Em relação aos servidores, o ministro disse que o congelamento dos salários do funcionalismo, que começou no início da pandemia de covid-19 e durará até o fim deste ano, gerou mais economia para o governo que a reforma administrativa. Cerca de R$ 150 bilhões deixaram de ser gastos pela União, por estados e por municípios em um ano e meio.

Guedes reclamou do excesso de vinculação do Orçamento, dizendo que atualmente 96% do Orçamento brasileiro é carimbado por vinculações e gastos obrigatórios. Repetindo discursos feitos desde o início do governo, ele defendeu que o Congresso tenha a liberdade de decidir integralmente o destino dos recursos públicos.

Precatórios

O ministro voltou a defender a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que permite o parcelamento dos precatórios (dívidas com sentença definitiva na Justiça) e muda a fórmula de correção do teto de gastos. Para ele, o texto aprovado pela Câmara dos Deputados dá mais “previsibilidade” sobre o pagamento das dívidas judiciais e não configura calote. “Não tem nada de calote, absolutamente nada de calote”, declarou.

Na avaliação de Guedes, se a PEC não for aprovada haverá uma explosão de gastos com precatórios nos próximos anos. Para 2023, calculou, essas despesas podem superar R$ 100 bilhões e inviabilizar o pagamento de benefícios sociais. A PEC, ressaltou, está sendo feita com responsabilidade. “Se não confiarmos no que está sendo feito, no que está sendo desenhado, se estiverem fazendo coisas absurdas, erradas, coisas que ameacem a população brasileira, também não podemos ficar”, comentou.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS