Conecte-se conosco

Finanças

Empréstimo Sebrae libera até R$ 12,5 mil para MEIs

Com taxas de juros entre 1,19% e 1,59% ao mês, crédito pode chegar até R$ 125 mil no caso de empresas de pequeno porte.

Publicado

em

Linha de crédito para pequenos e médios varejistas

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com a Caixa Econômica Federal, está liberando crédito para financiamento de capital de giro. Serão R$ 12 bilhões disponibilizados pelo banco com garantia do Sebrae, por meio do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe), 

A ação visa contemplar os negócios afetados pela pandemia de Covid-19. O público-alvo da linha de crédito são os microempreendedores individuais (MEIs), microempresas (ME) e empresas de pequena porte (EPP). 

O valor do crédito irá depender da categoria da empresa, sendo até R$ 12,5 mil (MEIs), até R$ 75 mil (ME) e até R$ 125 mil (EPP). As taxas de juros oscilam, na média de 1,59% ao mês; 1,39% ao mês; e 1,19% ao mês, respectivamente.

Para pedir o empréstimo são exigidos registro de CNPJ, com pelo menos um ano de faturamento, e zero restrições nele e no CPF. Além disso, será necessário reunir a documentação: CPF (sócios e representantes); CNPJ; comprovante de endereço; Certificado da Condição do Microempreendedor Individual (CCMEI) e Declaração Anual do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (DASN – SIMEI), no caso de MEIs.

Ainda, há as etapas de qualificação do empreendedor, avaliação, consultoria e dicas. Em uma primeira etapa, basta assistir um vídeo do Sebrae disponibilizado em sua plataforma. Depois de vê-lo, é só esperar 72 horas e atualizar os dados, com a solicitação da linha de crédito no site da Caixa ou agência física. Se aprovada a análise, o empreendedor será avisado. Por fim, caso não consiga pagar as parcelas, o Sebrae realiza uma consultoria online para recuperação do negócio e renegociação da dívida.

Publicidade
Comentários

Finanças

Banco Original amplia crédito para empreendedores e zera a taxa no Pix na conta PJ

Em 2020, o Banco Original registrou um aumento acima de 45% no volume de clientes Pessoa Única, atigindo a marca de 170 mil contas digitais.

Publicado

em

Banco Original

O Banco Original disponibilizou uma oferta especial de capital de giro para clientes da Conta Pessoa Única. Criada com o intuito de auxiliar as microempresas, a linha assegura a continuidade dos empreendimentos e a saúde financeira, com até 36 meses para pagar e taxa de juros reduzida.

A conta possui como público-alvo os empreendedores individuais (MEI, EI e EIRELI), aliando serviços bancários para pessoas físicas e jurídicas em um só aplicativo. A solicitação de abertura é feita de forma totalmente digital, por meio do site (www.original.com.br). O cliente ainda dispõe de um pacote completo com saques, pagamentos, além de acesso a maquininha de cartão Cielo ou GetNet.

“Por meio da inovação estamos o tempo todo criando produtos e soluções que melhorem a vida financeira dos nossos clientes e atendam às necessidades dos negócios. É por meio dessas novidades que queremos apoiar os empreendedores a buscarem formas de sobreviverem e serem bem-sucedidos em um cenário desafiador de mercado”, ressalta o coordenador do Comitê de Inovação do Banco Original, Raul Moreira.

Além dessa oportunidade, o Original anunciou ter zerado a taxa para transações via Pix. Dessa forma, a instituição financeira passa a estimular o sistema de pagamentos instantâneos como diferencial aos seus clientes.

“O público empreendedor é um dos principais focos de trabalho no Original. O Brasil ultrapassou a marca de 11 milhões de empreendedores MEI, sendo 2,6 milhões de novos empreendedores que se formalizaram somente em 2020. Promover a inclusão financeira e a transformação digital desse público são duas palavras de ordem da nossa estratégia. O principal exemplo é o Pix, que passa a ser referência na nossa oferta para promover o recebimento das vendas de maneira muito mais ágil e com custos reduzidos, otimizando o fluxo de caixa desse empresário”, acrescenta Moreira.

Segundo o executivo, apenas no ano de 2020, a instituição financeira verificou um aumento acima de 45% no volume de clientes Pessoa Única. Com isso, alcançou a marca de 170 mil contas digitais atreladas ao segmento.

Continue lendo

Finanças

Nubank: 118% do CDI vale a pena? Quanto rende R$ 1.000 na conta digital?

Função Resgate Planejado começou a ser liberada em 2020, no aplicativo Nubank. Rentabilidade varia conforme prazo de resgate do dinheiro.

Publicado

em

Resgate planejado Nubank

Em 2020, o Nubank começou a oferecer a função Resgate Planejado para um grupo de clientes. A opção fica disponível no aplicativo, dentro de “Guardar Dinheiro”, oferecendo rentabilidade de até 118% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). O dinheiro deixado na conta do Nubank já apresenta rendimento maior do que a poupança, de 100% do CDI, e é uma ótima alternativa diante da mínima histórica da Selic.

A nova funcionalidade conta com proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), de até R$ 250 mil por CPF. Existiam quatro opções, avaliadas no dia 4 de outubro de 2020:

  • Conta do Nubank (liquidez diária): Rendendo 100% do CDI;
  • 3 meses (90 dias): Rendendo 104% do CDI;
  • 6 meses (180 dias): Rendendo 106% do CDI;
  • 12 meses (1 ano): Rendendo 112% do CDI;
  • 24 meses (2 anos): Rendendo 118% do CDI.

As formas de poupar o capital, com datas estabelecidas, só podem ser retiradas no dia marcado. Dessa forma, o “Guardar Dinheiro” não dispõe de liquidez imediata, o que diferencia dos recursos na conta digital.

De acordo com dados disponíveis para serem consultados no site da B3, a taxa CDI estava 1,90% ao ano, em 22 de janeiro de 2021. Sendo assim, confira quanto renderia R$ 1 mil em cada um dos casos:

  • Conta do Nubank (liquidez diária) = 1,90% (R$ 1.019);
  • 3 meses (90 dias) = 1,975% (R$ 1.019,75);
  • 6 meses (180 dias) = 2,014% (R$ 1.020,14);
  • 12 meses (1 ano) = 2,128% (R$ 1.021,28);
  • 24 meses (2 anos) = 2,2425% (R$ 1.045,34).

Se vale a pena ou não, dependerá do objetivo que se tenha com as quantias. Caso a reserva de emergência já esteja construída e deseje comprar algo com o dinheiro, em uma data específica, deixar o dinheiro na conta com resgate planejado pode ser uma boa. Por outro lado, para investimentos de maior prazo pode ser mais favorável investir em outro ativo.

Continue lendo

Finanças

Banco Inter: veja 6 dicas para aumentar o limite do seu cartão de crédito

Análise de crédito do Banco Inter é feita de forma individual, liberando limites distintos para cada cliente conforme perfil de consumo.

Publicado

em

Banco Inter

Na procura de sempre oferecer as melhores soluções para os seus clientes, o Banco Inter listou algumas dicas para aumentar o limite de crédito dos seus consumidores. Esses já possuem o cartão, mas estão em busca de maior poder compra. E em alguns casos, a atualização não é feita de forma imediata, mas após constantes análises.

O limite do cartão Inter é liberado individualmente, de acordo com o perfil do usuário. O valor depende da renda mensal, registro de gastos por mês, histórico de pagamento e demais critérios. No entanto, sempre que há crédito liberado, um e-mail é enviado para informar o novo valor disponível.

A princípio, para aumentar o limite, fique sempre de olho na pontuação do seu score. Ele é como um termômetro, disponibilizado pelos órgãos de proteção ao crédito (SPC e Serasa) para as instituições financeiras avaliarem se aprovam ou não a liberação de recursos.

Por isso, pague sempre as suas faturas em dia e no valor completo, para provar ser um bom comprador. Use também o seu cartão Inter com frequência e compre o limite total, pois assim indicará para a instituição financeira que possui muitos gastos e o limite vigente não é o necessário.

Além disso, desfrute do aplicativo do Banco Inter. Usufrua de todos os serviços, tais como investimentos e aplicações, depósitos por boleto e TEDs.

Estabeleça uma boa relação com a instituição bancária e aproveite, inclusive, do programa de limite de crédito de investimentos do banco. Invista em Certificado de Depósito Bancário (CDB) e deixe o dinheiro render mais que a poupança.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS