Conecte-se conosco

Moedas

Entenda como a nota de R$ 200 custa o mesmo que uma moeda de R$ 1

Segundo economista, nova cédula de R$ 200 também não é um sinalizador da inflação.

Publicado

em

200 reais

Segundo o Governo Federal, o pagamento do auxílio emergencial durante a pandemia aumentou a demanda pelo papel-moeda. O Banco Central (BC), por sua vez, acendeu uma luz amarela e, com medo de faltar dinheiro em circulação, iniciou a produção da nota de R$ 200, visando suprir a busca por dinheiro e não permitir a carência de notas menores. 

Arthur Mota, economista da Exame Research, explica que a nota tem como um dos objetivos fazer as pessoas gastarem mais para movimentar a economia. “A gente tem um volume grande de dinheiro circulando e [com a nova cédula] facilita muito a transação tanto dentro do ponto de vista financeiro, mas também entre as pessoas”.

Ainda segundo Mota, o especialista afirma que a emissão da nota não está relacionada com períodos de inflação. “A mudança desta cédula não tem a ver com a inflação. Nunca, na verdade, o valor de uma cédula foi significativo para combate ou sinalização de inflação”, completou. 

A nota do lobo-guará custa 0,32 centavos para ser produzida. Apesar de parecer pouco, essa é a cédula com a produção mais cara da Casa da Moeda. Além disso, o valor gasto na produção da nova nota é quase o mesmo que a quantia gasta para fazer a moeda de R$ 1, que é de 0,31 centavos. Tradicionalmente, as moedas apresentam custo de produção mais altos que as notas, visto que levam metais em sua composição.

Essas informações foram acessadas no podcast #003 da Exame.

Continue lendo
Publicidade
Comentários