Conecte-se conosco

Empresas

Fundo JBS pela Amazônia aprova os seis primeiros projetos de desenvolvimento sustentável

Serão investidos R$50 mi

Publicado

em

JBS é fechada novamente

O Fundo JBS pela Amazônia aprova os seis primeiros projetos de desenvolvimento sustentável, conforme comunicado ao mercado.

De acordo com o documento, o fundo, constituído em setembro de 2020, anuncia os primeiros seis projetos que, em conjunto, receberão R$ 50 milhões de investimentos.

O objetivo é impulsionar a promoção de ações de conservação e preservação da floresta, melhora da qualidade de vida das comunidades locais, além do desenvolvimento científico e tecnológico da região.

No total, os projetos devem beneficiar mais de 14 mil famílias com a geração de empregos, que propiciarão aumento de renda em até 40%.

Já a participação feminina e de jovens nos negócios comunitários deve crescer 30%.

RestaurAmazônia: desenvolvido pela ONG Solidaridad, com apoio do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), terá cinco anos para implantar em 1.500 pequenas propriedades sistemas agroflorestais, que integram pecuária, agricultura e floresta.

O objetivo é promover boas práticas agrícolas para que as propriedades mantenham sua viabilidade econômica, o sustento dos produtores e ainda ajudem a absorver carbono da atmosfera.

Fábrica da JBS em Passo Fundo, Rio Grande do Sul

JBS

Já o Programa Economias Comunitárias Inclusivas, nas Comunidades de Bailique e Beira Amazonas, no Amapá, fortalecerá a cadeia do açaí na região e em três anos deve promover ampliação da renda de 240 famílias locais, além da consolidação de um modelo de bioeconomia inclusiva, que pode ser usado para outras cadeias.

Estão previstas a construção de fábrica própria para produção de polpa; a ampliação do portfólio de produtos de maior valor agregado; a elaboração de plano para liofilização do fruto, o que diminui custos da cadeia logística; além da construção de escolas e qualificação de jovens e mulheres para atuar na atividade.

O projeto será implementado em conjunto por diversas entidades como a cooperativa extrativista Amazonbai.

A JBS está listada na bolsa brasileira sob o ticker JBSS3.

Veja o documento:

Fundo JBS pela Amazônia aprova os seis primeiros projetos de desenvolvimento sustentável

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

GPA (PCAR3) investe em logística para turbinar receita

Meta do grupo é ampliar estruturas de entrega e armazenagem

Publicado

em

Crédito: Isto é Dinheiro

Como um dos passos iniciais do fulfillment (conjunto de serviços para a venda digital) o grupo GPA (PCAR3), controlador do Pão de Açúcar e do hipermercado Extra, anunciou hoje (17) que pretende dar início à venda de seus serviços logísticos, de forma a ampliar a lista de redes que utilizam suas estruturas de entrega e armazenagem, gerando, assim, mais receita.

Coleta de produtos – Como medida prévia, o GPA começou a coletar produtos dos lojistas de seu “marketplace” (shopping virtual), com o objetivo de oferecer aos vendedores os preços das tabelas negociadas com os Correios.

Duas frentes – Em sua estratégia de crescimento para 2022, o grupo pretende atacar em duas frentes: a armazenagem dos produtos dos vendedores em seus centros de distribuição e o uso das 870 lojas do grupo como ponto de coleta e envio de mercadorias dos lojistas. De abril a junho, a venda on-line do grupo atingiu R$ 428 milhões, uma alta de 32% sobre igual período de 2020.

‘Same day’ – Como resultado da criação, há 45 dias, de sua divisão logística própria (GPA Log), o grupo conseguiu reduzir, em mais de um dia, o prazo de coleta, entrega e postagem pelos Correios. No caso de entrega do Rio para São Paulo, a meta da empresa é reduzir o prazo atual, de três dias para 24 horas, o chamado ‘same day’. “Isso tornará viável quando as demais etapas do plano avançarem, a exemplo da armazenagem dos centros da empresa”, prevê o diretor-executivo de logística do GPA, Marcelo Arantes.

Atraso ‘vantajoso’ – “O difícil, neste caso, nem é a logística, mas a separação. Imagine ter que fazer a compra em 15 minutos, que é o tempo máximo para uma venda com prazo prometido de uma hora”, explicou Arantes, ao considerar uma ‘vantagem’ o fato de a GPA estar atrasada em relação às concorrentes, no que toca à venda de alimentos pela Internet (marketplace). “Isso ajuda a empresa a aprender com os erros alheios”.

Venda complexa – Sobre a operação, Arantes esclarece que “a venda de alimento é muito mais complexa do que qualquer outra, pois a forma de acondicionar o produto pode fazer a empresa perder o cliente”, comenta, ao adiantar que a empresa estuda a possibilidade de dar gratuidade aos lojistas, por tempo indeterminado, no serviço de armazenagem nos centros, depois que o projeto já estiver em curso, no ano que vem. A medida do GPA não deixa de ser inovadora, uma vez que marketplaces cobram taxas de comissão sobre venda pelos serviços.

Continue lendo

Empresas

Gerdau anuncia distribuição de proventos aos acionistas

Exercício social de 2021

Publicado

em

Bonsucex Holding elevou sua participação acionária na Metalúrgica Gerdau

A Gerdau anunciou a distribuição de proventos aos acionistas, conforme comunicado encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, os proventos são relativos ao exercício social de 2021. Os valores serão pagos conforme datas informadas abaixo e serão calculados e creditados com base nas posições dos acionistas em 27 de setembro de 2021.

Também disse que os valores dos juros sobre o capital próprio serão pagos com retenção do imposto de renda na fonte de 15%.

E acrescentou que os beneficiários residentes ou domiciliados em países com tributação favorecida sujeitam-se a incidência de imposto de renda retido na fonte de 25%.

Gerdau

Gerdau

Ainda de acordo com o documento, os acionistas pessoas jurídicas que estejam dispensados da retenção do imposto de renda na fonte deverão comprovar essa condição enviando documentação para o Atendimento a Acionistas da Itaú Corretora de Valores.

Caso esses acionistas não entreguem seus documentos até o dia 04 de outubro de 2021, serão considerados não-isentos.

Os pagamentos serão feitos pela instituição depositária das ações, Itaú Corretora de Valores S.A., mediante crédito automático para aqueles acionistas que tenham informado o número da sua inscrição no CPF/CNPJ e a respectiva conta bancária. Tais informações devem ser fornecidas por meio do Investfone – Central de atendimento a acionistas.

O processamento do respectivo crédito ocorrerá a partir do 3º dia útil após a atualização dos dados cadastrais.

Os proventos não requeridos no prazo de três anos, a contar da data de pagamento, prescreverão e reverterão em favor da sociedade (Lei 6.404/76, art. 287º, inciso II, item a).

A companhia está listada na bolsa brasileira (B3) sob o ticker GGBR4.

Veja o documento:

Gerdau anuncia distribuição de proventos aos acionistas

Continue lendo

Empresas

SER conclui aquisição da Starline Tecnologia, dona da Prova Fácil

100% do capital social

Publicado

em

SER conclui aquisição da Starline Tecnologia, dona da Prova FácilSER conclui aquisição da Starline Tecnologia, dona da Prova Fácil

A SER Educacional anunciou a conclusão da aquisição da Starline Tecnologia, dona da Prova Fácil, conforme documento encaminhado ao mercado.

De acordo com a empresa, após cumprimento das condições precedentes, foi realizada a conclusão financeira do contrato e a efetiva transferência para a 3L Tecnologias Educacionais e Soluções Digitais S.A., subsidiária da Ser, de 100% do capital social da Starline.

Também disse que a Prova Fácil é uma EdTech líder em gestão de provas na América Latina, com mais de 100 milhões de avaliações realizadas nos últimos cinco anos, tendo sido reconhecida em 2017 pelo EdTech Startups Awards como uma das três EdTechs mais inovadoras da América Latina e uma das 20 melhores do mundo.

SER anuncia conclusão da aquisição da Starline Tecnologia, dona da Prova Fácil

SER

Ainda de acordo com a empresa, a PROVA FÁCIL automatiza e moderniza qualquer processo avaliativo, transformando avaliações em inteligentes bancos de dados que permitem analisar e melhorar o desempenho e experiência de aprendizado de seus alunos e colaboradores, e possui soluções B2B, B2C e B2B2C que permitem mais clareza na gestão do conhecimento de uma instituição de ensino ou empresa.

Com isso, a Prova Fácil contribuirá para o desenvolvimento do ecossistema de educação continuada da Ser Educacional, representando a entrada da SER no mercado de gestão de provas e conhecimento, e a Transação terá sinergias importantes, tais como: investimento na aceleração da Prova Fácil, com sua expertise no segmento, e base de faturamento líquido anual de R$6,0 milhões; integração com o banco de mais de 1,5 milhão de questões da Prova Colegiada, sistema próprio de avaliação semestral do desempenho acadêmico dos alunos da SER, entre outras.

Além disso, todos os executivos da EdTech continuarão à frente da Prova Fácil e ainda contarão com o apoio financeiro e estratégico da Ser Educacional.

A Ser está listada na bolsa brasileira (B3) sob o ticker SEER3.

Veja o documento:

SER anuncia conclusão da aquisição da Starline Tecnologia, dona da Prova Fácil

Continue lendo

MAIS ACESSADAS