Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Ibovespa fecha em alta na esteira do tio Sam e com balanços no radar

O volume financeiro da sessão somava 42,1 bilhões de reais

Publicado

em

O Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira (5), com investidores repercutindo nova bateria de balanços, em pregão beneficiado ainda pelo clima favorável em Wall Street após números melhores do que o esperado sobre o mercado de trabalho dos EUA.

O Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 2,32%, a 115.301,99 pontos, de acordo com dados preliminares, acumulando a primeira semana positiva em um mês (+4,79%) na esteira de um armistício fiscal.

O volume financeiro da sessão somava 42,1 bilhões de reais. Em

“Combinação entre alívio fiscal com aprovação da PEC Emergencial e exterior positivo com dados de emprego bem acima do esperado nos EUA garante forte alta de 2,23% para o Ibovespa, que fecha a sexta-feira nos 115.202 pontos. Dólar também sobe (+0,45%) e encerra cotado a R$ 5,684.” (BTG Pactual).

Ibovespa fecha em alta na esteira do tio Sam e balanços no radar

(Blank Headline Received)

Ibovespa – Dólar

O dólar fechou na máxima em quatro meses ante o real nesta sexta-feira, aproximando-se de 5,70 reais e engatando a terceira semana consecutiva de valorização, com investidores replicando os ganhos da moeda norte-americana no exterior e ainda no aguardo das próximas votações da PEC Emergencial.

O dólar à vista subiu 0,40%, a 5,6841 reais na venda, depois de oscilar entre 5,7246 reais (+1,11%) e 5,6526 reais (-0,16%).

O patamar é o mais alto desde 3 de novembro do ano passado (5,7609 reais).

Na semana, a cotação apreciou 1,45%. Em três semanas seguidas de alta, o dólar se fortaleceu 5,77%, na mais longa série de ganhos desde o período de quatro semanas findo em 2 de outubro do ano passado, intervalo em que saltou 6,76%.

A tônica desta sexta-feira foi dada pelos dados de emprego geral nos Estados Unidos, que superaram em muito as expectativas para fevereiro, indicando força na recuperação dos EUA e aumentando o apelo para investimentos no país.

Com isso, os rendimentos dos Treasuries foram a novas máximas em um ano e o dólar ganhou terreno frente a quase todos os seus principais rivais. O índice do dólar contra uma cesta de moedas fortes subia 0,33% no fim do dia, nos picos desde novembro do ano passado.

O chamado “reflation trade” –quando investidores adotam estratégias voltadas a ativos que tendem a se valorizar em tempos de maior inflação na esteira de uma recuperação de uma crise– tem sido o tema dos mercados internacionais nas últimas semanas e, segundo analistas, assim deve permanecer.

O índice do dólar ante moedas de países ricos, que caiu 6,8% no ano passado, subia 2,2% neste ano e 3,1% desde a mínima de janeiro.

Na frente doméstica, os rumos de curto prazo para o câmbio continuarão a ser ditados pelo noticiário fiscal. Depois da aprovação da PEC Emergencial no Senado nesta semana, o texto passará pelo crivo da Câmara na próxima semana.

Ouro

Já o ouro fechou em leve queda nesta sexta-feira, perdendo o patamar de US$ 1700 por onça-troy, com a recuperação do dólar ante moedas rivais pressionando a cotação do metal precioso perto do término da sessão.

A commodity ainda sofreu influência da alta nos rendimentos dos Treasuries, os títulos da dívida pública americana, que dispararam mais cedo diante da expectativa de alta inflacionária provocada pelo relatório de geração de empregos nos EUA de fevereiro. Ao longo da sessão, porém, o movimento de venda dos títulos de ponta longa esfriou, mas não o suficiente para firmar o ouro em território positivo.

O ouro com entrega prevista para abril recuou 0,13%, encerrando a sessão cotado a US$ 1698,50, menor valor de fechamento desde 3 de junho do ano passado, de acordo com dados da FactSet reportados pela Dow Jones Newswires. Na semana, o metal precioso acumulou perdas de 1,75%.

Você pode gostar
Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.