Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Ibovespa perde marca de 118 mil pontos e fecha em queda

O índice caiu 0,54%, aos 117.670 pontos

Publicado

em

Depois de testar a marca de 118 mil pontos e ficar ainda mais perto de zerar as perdas no ano, o Ibovespa perdeu terreno e fechou em queda nesta sexta-feira. A cautela com os rumos do Orçamento de 2021 pesou hoje no mercado e ainda serve como uma trava para ganhos mais claros, assim como o número ainda elevado de casos de covid-19 pelo país.

De acordo com o Valor Econômico, após ajustes, o Ibovespa fechou em queda de 0,54%, aos 117.670 pontos, pressionado por boa parte das ações com maior peso no índice, como Vale e bancos. O giro financeiro foi relativamente modesto e ficou em R$ 19,315 bilhões.

Mesmo com uma leitura relativamente construtiva em relação ao tema do Orçamento nos últimos dias, hoje os investidores voltaram a mostrar que o imbróglio fiscal está longe de passar tranquilidade. Como não há indicação concreta de como o governo vai conseguir resolver a pressão do Congresso

pela manutenção das emendas parlamentares que tornam o Orçamento não factível, o mercado evita se expor demais ao risco e busca a proteção contra possíveis surpresas que possam aparecer ao longo do fim de semana.

Ibovespa perde marca de 118 mil pontos e fecha em queda

Ibovespa

Entre as ações com maior peso no índice, bancos e Vale recuaram. A mineradora caiu 1,44%. Brasdesco ON cedeu 0,72%, Bradesco PN caiu 0,16% e Itaú PN teve queda de 0,15%.

Por outro lado, as ações de administradoras de shopping centers subiram desde cedo e ganharam força após o governo do Estado de São Paulo informar que a região saiu da fase emergencial e voltou para a fase vermelha. Entre as maiores altas do Ibovespa, BR Malls subiu 1,84%; Multiplan ganhou 1,37% e Iguatemi teve alta de 2,58%.

Além da questão fiscal, o que voltou a marcar a sessão na bolsa é uma continuidade da rotação entre setores, enquanto ações mais ligadas ao comércio exterior seguem em alta – inclusive, por causa da depreciação cambial.

No lado das exportadoras, siderúrgicas, frigoríficos e representantes de papel e celulose ganharam terreno.

O destaque é o avanço de ações da Sabesp, que subiram 2,70%, após a empresa anunciar revisão tarifária proposta pela Arsesp a partir de 2021. De acordo com o Credit Suisse e o BTG Pactual, o reajuste foi melhor que o esperado.

Por outro lado, o dia foi negativo para papéis do setor de energia, varejistas – principalmente as comércio eletrônico -, supermercados, e transportes.

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.