Conecte-se conosco

Bancos

Nubank lança assistente de pagamentos para contas recorrentes

Novidade do banco digital permite que o cliente automatize o pagamento de compromissos financeiros do dia a dia.

Publicado

em

Novo layout app Nubank

O Nubank tem uma novidade para quem tem compromissos financeiros recorrentes e quer mais facilidade para quitar essas contas em dia. O assistente de pagamentos do banco digital possibilita que o cliente com conta pessoal ou PJ cadastre suas dívidas mensais no débito automático.

Veja também: Mais crédito no cartão: Nubank realiza aumento de limite em massa

A nova função garante mais tranquilidade e segurança na hora de garantir que todas as contas recorrentes foram quitadas em dia. É mais fácil, prático e transparente em um mundo moderno e cheio de tarefas.

A fintech também anunciou que vai ampliar as funções do assistente de pagamentos em breve. O serviço está sendo disponibilizado aos poucos para os titulares de contas digitais no Nubank.

Até o momento, é possível colocar em débito automático boletos como água, luz, telefone, gás e internet. Basta cadastrar no aplicativo e ter saldo suficiente disponível na data pagamento.

Como colocar uma conta no débito automático?

Confira o passo a passo para ativar a nova funcionalidade:

  • Acesse o aplicativo do Nubank;
  • Na tela inicial do app, aperte a opção “Assistente de pagamentos”;
  • Toque no sinal de “+”, depois em “Pagamento”;
  • Escolha o tipo de pagamento e a empresa;
  • Clique em “Débito automático”;
  • Informe o código de débito automático (geralmente pode ser encontrado na fatura da conta);
  • Aperte em “Aceitar e enviar” e confirme com a senha.

O usuário ainda pode definir um valor para ser avisado caso a dívida fique muito alta. Essa opção fica disponível logo após informar o código de débito automático.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ações, Units e ETF's

Hypera (HYPE3): Operação segue robusta, mas operação descontinuada polui, diz BB

Para a corretora, o resultado referente ao terceiro trimestre foi misto

Publicado

em

O BB Investimentos analisou o ativo Hypera (HYPE3) em seu portfólio e optou por recomendar Compra com preço-alvo para o final de 2022 em R$ 45,00.

“O resultado referente ao terceiro trimestre foi misto, em nossa visão. Se, por um lado, a companhia entregou expressivo crescimento de vendas e ganho de participação de mercado por mais um trimestre, combinado com maior alavancagem operacional e consequente crescimento de EBITDA, por outro, o resultado líquido de operações descontinuadas referente a um acordo com a Ontex sobre o negócio de descartáveis vendido em 2017 maculou a rentabilidade do período. A companhia vem negociando a 10,7x EV/EBITDA e 14,4 P/L, ante uma média de 2 anos de 12,6x e 15,5x, respectivamente”, disse.

E acrescentou que os papéis HYPE3 acumulam queda e 14,1% nos últimos 30 dias até sexta (22), reflexo da divulgação do fato relevante sobre o acordo firmado com a Ontex e que contempla a obrigação da Hypera em pagar o valor de R$ 500 milhões.

Às 15h30 desta segunda (25) a ação da companhia subiu mais de 4% na bolsa, negociada a R$ 29,21, entre as maiores valorizações do Ibovespa.

Hypera

Considerando que o acordo foi firmado por um valor bastante superior ao provisionado anteriormente pela companhia (R$ 100 milhões), o BB diz entender que o movimento do papel reflete o descontentamento dos investidores com os impactos de curto prazo na rentabilidade e no fluxo de caixa da companhia.

“Contudo, apesar do efeito negativo na rentabilidade do trimestre e no processo de desalavancagem, que será um pouco mais lento do que o originalmente estimado, consideramos que a Hypera segue com um modelo de negócios bastante robusto, com evoluções significativas em seu planejamento estratégico para alavancar vendas e rentabilidade ao longo dos próximos anos, além da sua capacidade em arcar com o pagamento decorrente do acordo sem impactar os investimentos previstos orginalmente”, frisou.

Veja HYPE3 na Bolsa😐

Continue lendo

Bancos

Estoque total de crédito vai a R$4,428 tri sem setembro, diz BC

O levantamento também está separado por setores, como Habitaçao e outros

Publicado

em

O estoque total de crédito marcou R$ 4,428 trilhões em setembro ante agosto, informou o Banco Central (BC).

De acordo com a autoridade monetária, trata-se do total de operações de crédito do sistema financeiro e representa alta de 2,00% no período.

Também disse que em setembro ante agosto, houve alta de 1,0% no estoque para pessoas físicas e elevação de 2,3% no estoque para pessoas jurídicas.

E acrescentou que o estoque de crédito livre avançou 2,4% em setembro, enquanto o de crédito direcionado apresentou alta de 1,5%.

Estoque total de crédito

Ainda de acordo com o BC, no crédito livre houve alta de 2,0% no saldo para pessoas físicas no mês passado. Para as empresas, o estoque avançou 2,9% no período.

O banco informou, também, que o total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) foi de 52,4% para 52,9% na passagem de agosto para setembro.

Habitação e veículos

Os dados mostram que o estoque das operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física cresceu 1,2% em setembro ante agosto, totalizando R$ 789,219 bilhões.

O estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física, por sua vez, subiu 1,1% em setembro ante agosto, para R$ 235,444 bilhões. Em 12 meses, houve alta de 12,5%.

Setores

A autoridade monetária destacou que o saldo de crédito para as empresas do setor de agropecuária subiu 3,0% em setembro, para R$ 38,355 bilhões.

Já o saldo para a indústria avançou 1,3%, para R$ 744,379 bilhões. O montante para o setor de serviços teve alta de 2,1%, para R$ 1,091 trilhão.

No caso do crédito para pessoa jurídica com sede no exterior e créditos não classificados (outros), o saldo subiu 100,3%, aos R$ 19,062 bilhões.

Setor não financeiro

Conforme o levantamento, o saldo do crédito ampliado ao setor não financeiro subiu 1,2% em setembro ante agosto, para R$ 13,076 trilhões. O montante equivale a 156,3% do PIB do Brasil.

Já o crédito ampliado inclui, entre outras, as operações de empréstimos feitas no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e as operações com títulos públicos e privados. A medida permite uma visão mais ampla sobre como empresas, famílias e o governo geral estão se financiando, ao abarcar não apenas os empréstimos bancários.

No caso específico de empresas, o saldo do crédito ampliado cresceu 3,1% em setembro ante agosto, para R$ 4,514 trilhões. O montante equivale a 54,0% do PIB.

BNDES

Também disse que o saldo de financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para empresas teve alta de 0,8% em setembro ante agosto, somando R$ 378,166 bilhões, informou o Banco Central. Em 12 meses, a queda acumulada é de 3,8%.

Em setembro, houve avanço de 2,5% nas linhas de financiamento agroindustrial do BNDES, alta de 0,8% no financiamento de investimentos e queda de 1,9% no saldo de capital de giro.

Concessões

Em se tratando de concessões dos bancos, estas, no crédito livre, subiram 3,2% em setembro ante agosto, para R$ 387,5 bilhões. No acumulado dos nove primeiros meses do ano, o avanço foi de 18,6% e, nos 12 meses até setembro, a alta foi de 12,9%.

Continue lendo

Bancos

HSBC reporta lucro líquido de US$3,54 bi no 3º tri, mais que o dobro do ano anterior

A receita ficou em US$ 12,01 bilhões entre julho e setembro,

Publicado

em

O HSBC reportou lucro líquido de US$ 3,54 bilhões no terceiro trimestre de 2021, mais que o dobro ano anterior, conforme balanço encaminhado ao mercado.

Isso porque no terceiro trimestre de 2020 o banco havia obtido lucro líquido de US$ 1,36 bilhão. O resultado ficou bem acima da expectativa de analistas, que previam lucro de US$ 2,22 bilhões.

Já a receita ficou em US$ 12,01 bilhões entre julho e setembro, bem semelhante aos US$ 11,93 bilhões de um ano antes.

A instituição financeira, que tem sede em Londres mas foca o mercado asiático, informou que pretende recomprar até US$ 2 bilhões em ações, diante de seu bom desempenho no terceiro trimestre.

Com o resultado de hoje, às 4h25 (de Brasília) a ação da HSBC subia 0,36% na Bolsa de Londres. Em Hong Kong, onde o HSBC também está listado, seu papel avançava 0,43%.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS