Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

ETF: entenda o que é e como funciona esse tipo de investimento

Investidores que desejam diversificar a carteira sem arriscar tanto devem conhecer os fundos de índice negociados em bolsa.

Publicado

em

ETFs

Antes de optar por investir na bolsa é preciso considerar diversos fatores, incluindo os riscos. Nesse sentido, o Exchange Traded Fund (ETF), ou fundos de índice, pode ser considerado o perfeito equilíbrio para arriscar com moderação.

O que é ETF?

Como já mencionado anteriormente, ETF é a sigla em inglês para Exchange Traded Fund, (fundo negociado em bolsa, em tradução livre). Esse é um fundo de investimento que tem como referência algum índice da bolsa de valores, como o Índice Brasil ou Índice Bovespa

Investir na bolsa, arriscando um pouco, mas sem arriscar demais. Essa é uma das formas de definir o interesse das pessoas pelo chamado ETF. Abaixo, entenda como funciona esse tipo de investimento.

Como investir?

Um ETF é composto por uma série de ativos financeiros que são administrados por uma gestora especializada. As pessoas que desejam investir no fundo devem comprar uma “cota” de participação, cujo valor varia de acordo com cada produto. 

Isso significa que, em vez de aplicar diretamente, o investidor paga para ter um fundo administrado por uma gestora especializada. Além disso, por estar atrelado a algum índice de referência, o ETF “imita” esse indicador. Nesse sentido, um fundo referenciado no Ibovespa, por exemplo, deve ser constituído pelas mesmas ações do índice e nas mesmas proporções. 

O objetivo com isso é replicar os resultados de determinado índice. Se ele sobe, o ETF também deve seguir essa tendência, e vice-versa. 

Em suma, o ETF pode ser entendido como uma cesta de ativos financeiros, podendo ser de renda fixa ou variável, administrado por uma gestora e tendo um índice como referência. 

Tipos de ETF — Renda fixa e variável

No mercado financeiro, é possível encontrar ETFs de renda fixa e variável. Conheça cada um dos tipos. 

  • ETF de renda variável

Também chamados de ETFs de Ações, esses fundos são negociados em Bolsa e formados por ações que correspondem a um índice de referência reconhecido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Por exemplo, o Ibovespa. 

  • ETF de renda fixa

Os ETFs de renda fixa, por outro lado, são fundos negociados em Bolsa que buscam refletir as variações e a rentabilidade de índices de renda fixa, compostas principalmente por títulos públicos ou privados. 

Características do ETF

Os ETFs são conhecidos por serem mais “sofisticados” do que uma ação ou títulos do Tesouro Direto, por exemplo. Sendo assim, é importante conhecer suas características antes de aplicar. 

  • Diversificação: por ser composto de outros ativos financeiros, o investidor consegue diversificar sua carteira mesmo com um único produto. 
  • Gestão passiva: como o ETF está atrelado a algum índice já existente, a gestora do fundo só precisa replicar os ativos e suas devidas proporções. 
  • Liquidez: os ETFs são negociados nos pregões da B3, tornando mais simples a compra e venda das cotas. Para fundos de índice de renda variável, o período para liquidação é de 2 dias a partir da negociação. Considerando fundos de renda fixa, o prazo é de apenas 1 dia. 

ETF ou fundo de ações

A principal diferença entre essas duas aplicações está na gestão e escolha de ativos. Enquanto a gestão do ETF é passiva, ou seja, sua composição reflete algum índice que já existe e as proporções são replicadas, a gestão do fundo de ações é ativa. Isso significa que a gestora escolhe os papéis que vão compor sua carteira se baseando em análises próprias e outros fatores. 

Apesar disso, ambas são, como os próprios nomes determinam, fundos. Logo, o investidor compra cotas em vez de adquirir os ativos diretamente.

Como comprar ETF?

Como comprar ETF?

Como comprar ETF?

É possível investir em ETFs desembolsando pequenas quantias. A partir de 28 de setembro de 2020, inclusive, passou a ser aceitável negociar apenas uma cota de ETF de renda variável na B3. Anteriormente, a quantidade mínima era 10. 

No caso das ETFs de renda variável, os investidores também podem negociar a partir de uma cota. Por isso, é considerado um investimento inicial baixo. 

No entanto, há outras despesas para investir em ETFs. Confira: 

  • Taxa de administração: tarifa anual que varia de acordo com a corretora e o índice de referência. Essa taxa costuma ser menor do que de fundos tradicionais, por conta da gestão ser passiva;
  • Taxa de corretagem: dependendo da corretora, pode ser necessário pagar uma taxa de corretagem referente à intermediação das operações;
  • Taxa de emolumentos: tarifas cobradas pela B3 e pela Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia quando uma operação é realizada.

Tributação ETF

Os ETFs de renda fixa e variável estão sujeitos ao Imposto de Renda. A alíquota que incide sobre eles é de 15% sobre o rendimento, não importando o prazo da aplicação. 

Como investir em ETF?

Já leu todas as informações e decidiu que aplicar nesses fundos é a melhor das opções para sua carteira? Para investir é necessário ter conta em uma corretora de investimentos. 

Em seguida, basta acessar a plataforma de investimentos, conhecida como home broker, e pesquisar pelo ETF que deseja comprar, escolher a quantidade de cotas e finalizar. 

Em alguns casos, é possível encontrar corretoras que não cobram taxa de corretagem, se tornando ainda mais rentável. 

Ações, Units e ETF's

Conheça as 30 maiores pagadoras de dividendos em 2020

Analistas fizeram um levantamento de resultados em 2020, de acordo com números de 2019.

Publicado

em

Dividendos

Analisar dividendos é importante para os investidores que desejam aplicar pensando em viver de renda. Eles representam o percentual de lucros que a companhia distribui entre os acionistas, como uma espécie de remuneração. Assim, se tiver comprado ação de uma empresa que paga dividendos, o investidor possui direito a grana extra.

Em algumas situações, o dinheiro é pago mensalmente. Já em outras, os dividendos são disponibilizados uma vez a cada trimestre, semestre ou até mesmo por ano. Dessa forma, o período de liberação dependerá dos critérios da empresa. Mas esse não deve ser o único item a ser avaliado ao determinar as melhores e maiores pagadoras de dividendos.

“A carteira de investimentos em dividendos olha muito para o longo prazo, porque você vai buscar ganhar com o lucro que a empresa distribui, e não necessariamente com a valorização dela” destaca o analista de investimentos da Rico, Thiago Salomão.

Portanto, ao decidir por investir em dividendos, é importante selecionar empresas consolidadas, que distribuem bons dividendos e permanecem com a aplicação por longo tempo. 

Veja a lista com as 30 maiores pagadoras de dividendos de 2019:

Empresa

Setor 

Média Div Yld (inic)

5 anos em %

Div Yield (inic)

12 meses Div + JCP

em %

Retorno 12 meses

com DIV e JCP

em %

Cyrela Realt (CYRE3)

Construção civil 5,27 11,04

113,29

BBSeguridade (BBSE3)

Previdência e seguros 7,57 10,14

36,61

Petrobras BR (BRDT3)

Petróleo gás e biocombustíveis 6,97 10,01

30,09

Sid Nacional (CSNA3)

Siderurgia e metalurgia

2,71 9,37

38,30

Itausa (ITSA4)

Intermediários financeiros 6,66 9,00

7,71

Qualicorp (QUAL3)

Serviços médico-hospitalares análises e diagnósticos 6,51 8,36

225,08

MRV (MRVE3)

Construção civil 5,94 7,94

52,12

Telef Brasil (VIVT4)

Telecomunicações 5,87 7,68

30,22

Smiles (SMLS3)

Diversos 6,79 7,55

-15,55

ItauUnibanco (ITUB4)

Intermediários financeiros 5,56 7,48

-3,46

Taesa (TAEE11)

Energia elétrica 10,93 7,34

30,23

BR Malls Par (BRML3)

Exploração de imóveis 2,23 7,05

37,41

Santander BR (SANB11)

Intermediários financeiros 7,43 5,89

-12,02

CCR SA (CCRO3)

Transporte 4,44 5,45

34,84

Bradesco (BBDC3)

Intermediários financeiros 4,47 5,38

-5,12

Cemig (CMIG4)

Energia elétrica 6,24 5,25

15,02

Bradesco (BBDC4)

Intermediários financeiros 4,80 5,25

-10,90

Bradespar (BRAP4)

Mineração 5,43 4,97

44,48

Cielo (CIEL3)

Serviços financeiros diversos 3,62 4,77

-29,99

Klabin S/A (KLBN11)

Madeira e papel 3,90 4,71

20,38

Fleury (FLRY3)

Serviços médico-hospitalares análises e diagnósticos 5,52 4,71

53,39

Brasil (BBAS3)

Intermediários financeiros 5,30 4,66

-5,67

Btgp Banco (BPAC11)

Intermediários financeiros 5,87 3,93

131,79

Engie Brasil (EGIE3)

Energia elétrica 6,47 3,76

21,40

Eletrobras (ELET6)

Energia elétrica 2,40 3,59

1,96

B3 (B3SA3)

Serviços financeiros diversos 4,39 3,58

64,63

Hypera (HYPE3)

Comércio e distribuição 2,87 3,57

29,73

Petrobras (PETR4)

Petróleo gás e biocombustíveis 1,63 3,50

13,01

Tim Part S/A (TIMP3)

Telecomunicações 2,39 3,44

48,59

Irbbrasil Re (IRBR3)

Previdência e seguros 4,50 3,26

24,36

Informações com base em estudo de analistas da Rico (19/02/2020).

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

PicPay se prepara para oferta inicial de ações na Bolsa

Fintech teve crescimento impulsionado em 2020, em razão da pandemia de Covid-19, que estimulou o uso de serviços financeiros digitais.

Publicado

em

PicPay

Diante do contexto competitivo no setor bancário, o PicPay aquece para ingressar na lista de companhias de tecnologia que devem abrir capital em 2021. A carteira digital foi difundida no Brasil por possibilitar transferências instantâneas entre contas de bancos distintos e vem constantemente atualizando as suas soluções financeiras.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a fintech ainda não formalizou o contrato com o sindicato responsável pela estruturação de sua oferta. Entretanto, a empresa já deu início aos acordos.

O PicPay expandiu aceleradamente em 2020, principalmente depois do começo do isolamento social, imposto pela pandemia de Covid-19. Como consequência, foram impulsionados os serviços financeiros digitais. 

A carteira digital foi fundada em 2012 por um trio de empreendedores de Vitória, no Espírito Santo. Em 2019, a companhia foi comprada pelo Banco Original, da J&F, que também gere a JBS.

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Itaúsa (ITSA4) vai emitir debêntures para comprar Liquigás

Publicado

em

Itaúsa

A Itaúsa (ITSA4) vai emitir R$ 1,3 bilhão em debêntures, de acordo com documento enviado ao mercado nesta última quinta-feira (10).

A empresa informou que o valor será utilizado para viabilizar a compra da Liquigás, no qual os recursos não utiliados utilizados na compra será para recomposição do capital de giro.

COMUNICADO AO MERCADO

3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES

Comunicamos que o Conselho de Administração da ITAÚSA S.A. (“Companhia”), em reunião realizada nesta data, aprovou a 3ª emissão de debêntures nãoconversíveis em ações, no montante de R$ 1,3 bilhão, que serão utilizados,majoritariamente, para aporte na Copagaz Distribuidora de Gás S.A., de forma aviabilizar a aquisição da Liquigás Distribuidora S.A., sendo os recursosremanescentes utilizados para recomposição do capital de giro da Companhia.São Paulo (SP), 10 de dezembro de 2020.

ALFREDO EGYDIO SETUBAL
Diretor de Relações com Investidores

Continue lendo

MAIS ACESSADAS