Conecte-se conosco

Commodities

Produção de milho da China deve recuar até 10 mi de t após tufões

Fortes ventos e chuvas arrasaram plantações nas principais áreas de produção do nordeste do país.

Publicado

em

Analistas acreditam que a safra de milho da China deve cair em até 10 milhões de toneladas na comparação com as últimas estimativas do governo, ou cerca de 4%, após fortes ventos e chuvas terem prejudicado as plantações nas principais áreas de produção no cinturão de milho do nordeste do país asiático.

Com a notícia, os futuros de milho na China atingiram alta recorde e aumentaram as preocupações com a escassez de oferta no segundo maior consumidor do grão do globo, após salto das importações e redução nos gigantescos estoques estatais.

Destacando a última estimativa de produção do Ministério da Agricultura para a safra 2019/20, de 260,7 milhões de toneladas, o analista da Cofco Futures Zhang Delong, falou sobre a queda. “Acreditamos que a produção de milho na região Nordeste cairá entre 5-10 milhões de toneladas nesta ano (safra)”, disse.

No final de agosto e início de setembro, três tufões arrasaram o principal cinturão de milho da China nas províncias de Heilongjiang, Jilin, Liaoning e na região da Mongólia Interior, atingindo plantas e inundando campos tão logo a lavoura de milho chegou à maturidade.

“Ter a plantação arrasada não é o mesmo que não ter colheita, e você talvez recupere alguma produção se houver um tratamento adequado depois”, opinou o analista da Shengda Futures, Meng Jinhui, que prevê recuo de 5 milhões de toneladas na produção no nordeste chinês.

Enquanto as perdas ocorrem, a demanda da indústria de produção de carne se fortalece rapidamente, alimentando temores sobre a potencial falta de oferta do grão para o setor de ração.

Na segunda-feira, o contrato futuro do milho mais negociado na Bolsa de Commodities de Dalian, com entrega para janeiro, aumentou para o nível histórico de 2.419 iuanes (357,16 dólares) por tonelada.

O grão estrangeiro “é barato, então faz sentido comprar. Não temos grãos suficientes para ração, mas podemos simplesmente comprar”, disse um executivo de uma trading agrícola estatal sem se identificar.

A China deve passar a comprar mais de grandes fornecedores musicais, como os Estados Unidos.

Continue lendo
Publicidade
Comentários