Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Vale anuncia programa de recompra de 270 mi de ações

O prazo é de até 12 meses

Publicado

em

O conselho de administração da Vale (VALE3) aprovou nesta quinta-feira, 1º, o programa de recompra de até 270 milhões de ações ordinárias e seus respectivos ADRs (NYSE:VALE), proposto por seu Comitê Executivo. Com base na composição acionária da mineradora em 28 de fevereiro, a soma equivale a 5,3% do número total de ações em circulação. O prazo do programa é de até 12 meses.

Segundo o Estadão, em fato relevante a empresa ressalta que o programa “não compete com nossa intenção de consistentemente distribuir dividendos acima do mínimo estabelecido por nossa política”. A decisão, acrescenta o comunicado, demonstra a confiança da gestão no potencial da Vale de “criar e distribuir valor de forma consistente”.

No final de fevereiro, ao ser questionado por um analista durante teleconferência sobre os resultados de 2020 se a distribuição de dividendos da Vale não poderia ser maior, o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da mineradora, Luciano Siani Pires, explicou que a companhia terá pago em 12 meses US$ 7,3 bilhões em dividendos.

Vale (VALE3) aprova programa de recompra de até 270 milhões de ações

Vale

A mineradora informa que sua subsidiária Vale Canada Limited (VCL) concluiu a venda de sua participação acionária na Vale Nouvelle-Calédonie (VNC) para o consórcio Prony Resources New Caledônia. O consórcio de investidores, que inclui a Trafigura, contempla uma participação majoritária e não diluível dos interesses da Nova Caledônia.

“Após vários meses de negociação, estou satisfeito por ter concluído o nosso desinvestimento na VNC, beneficiando os empregados, a Nova Caledônia e todos os seus stakeholders. A Vale está totalmente comprometida com esta transação. Ela atende às garantias exigidas nos âmbitos financeiro, social e ambiental e oferece um futuro sustentável para as operações”, afirma o CEO da Vale, Eduardo Bartolomeo em comunicado enviado à Comissão de Valores Imobiliários (CVM).

A empresa diz que sua intenção desde o início do processo de desinvestimento foi se retirar da Nova Caledônia de uma maneira ordenada e responsável. O acordo cumpre isso. “Reconhecemos a Vale por seu profissionalismo na condução do processo e seu compromisso em sair da Nova Caledônia de forma responsável”, disse o Estado francês em um comunicado divulgado nesta quarta-feira.

Você pode gostar
Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.