Conecte-se conosco

Criptomoedas

Bitcoin atinge sua máxima histórica de R$ 70 mil, diz especialista

Bitcoin atinge sua máxima histórica de R$ 70 mil, diz especialista

Publicado

em

Bitcoin

O Bitcoin, a principal criptomoeda do mundo digital, atingiu hoje a sua máxima histórica em reais, sendo negociada a R$ 70 mil.

Após queda de quase 50% do preço em março, no início da pandemia, o ativo acumula hoje valorização que passa de 130% na moeda brasileira.

Mesmo sendo negociado a U$ 12 mil, quantia distante da marca mais alta em dólar, a moeda alcançou número máximo no Brasil, por conta da depreciação do real perante o dólar.

Cripto Ativos

.

Cenário

Diante do atual cenário, as quedas no mercado de aplicações aconteceram repentinamente e as bolsas brasileira, americana, o ouro, a prata, o Bitcoin, as Altcoins viram seus ativos caírem bruscamente. O único ativo que não caiu, no Brasil, foi o dólar, que pulou, rapidamente, de R$ 4 para quase R$ 6, em patamares nunca antes vistos.

Daniel Coquieri, COO da BitcoinTrade, corretora especializada no mercado brasileiro, explica que o fator determinante para a chegada da máxima na moeda no Brasil e nos Estado Unidos não, é a desvalorização do real perante o dólar.

“Outro ponto que é importante entender é que o criptoativo vem subindo no mundo todo e em outros países, como a Argentina, já atingiu sua máxima também por conta da queda do preço da moeda local perante a moeda americana”, explica o COO.

Pandemia

Quase tão rápido quanto a queda, foi a recuperação do Bitcoin em meio a pandemia. Em meados de abril, o preço já se encontrava nos patamares anteriores, e essa rápida recuperação chamou a atenção de investidores pelo mundo, que voltaram seus olhares para este mercado.

“Esse comportamento de recuperação rápida também aconteceu com as bolsas, mas o Bitcoin ganhou destaque pela velocidade em que voltou aos patamares pré-covid”, complementa o executivo.

Histórico do Bitcoin

A última vez que o Bitcoin atingiu este valor máximo de negociações em real foi em dezembro de 2017. Na época, o preço na moeda americana também chegou ao seu recorde de U$20 mil.

Logo após a criptomoeda atingir o valor de R$ 70 mil em 2017, teve uma queda de 31% em seu valor, duas semanas depois fechando o ano cotada a R$ 48.600.

Em 2018 não foi diferente e a montanha russa foi instaurada na precificação da moeda. Em fevereiro, o ativo foi negociado a R$ 21 mil, mas no fim do mês chegou a R$ 40 mil, média de valor que se manteve nos meses seguintes, até junho.

A partir de setembro, o preço se fixou, mas em dezembro teve uma queda brusca de 10% em 24h. E nas semanas posteriores, o preço do Bitcoin acabou se desvalorizando 50%, chegando ao patamar dos R$12 mil.

O ano de 2019 começou mostrando a dificuldade do mercado em firmar o preço em um patamar mais alto.

Até que em 2 de abril deste ano, a moeda foi valorizada quase 20% em 24 horas, chegando a alta de R$50 mil.

“Desse ponto em diante, o Bitcoin passou a sofrer uma lenta desvalorização. Alguns movimentos nos davam esperanças, mas todas as fortes altas eram rapidamente compensadas por uma forte queda. Mas mesmo com a alta volatilidade do mercado, fechamos o ano com o criptoativo sendo negociado a R$ 29 mil e isso já representava uma valorização de 95% no ano”, relembra o COO.

Continue lendo
Publicidade
Comentários