Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Blue Chips e P2P como estratégias para migrar da renda fixa para outros investimentos

Blue Chips e P2P como estratégias para migrar da renda fixa para outros investimentos

Publicado

em

Pandemia, Selic baixa, volatilidade na bolsa, cenário político nacional e internacional caótico. Com tudo isso, os investimentos tradicionais acabaram tendo sua rentabilidade reduzida e a bolsa de valores tornou-se um lugar de incertezas para os menos experientes.

Diante desse cenário, muitos investidores acabaram migrando da renda fixa para outras modalidades de investimentos.

Ao ver seus títulos terem rendimento reduzido, muitos recorreram à renda variável, isto é, apostaram em ações na bolsa de valores.

Apesar de o momento ser de incertezas, há formas de diminuir os riscos, diversificando a carteira. Confira algumas dicas de modelos de investimento para quem quer sair da renda fixa:

Uma boa opção é buscar as Blue Chips, que têm grande valor de mercado, ainda que oscilem em tempos de crise, como é o caso das ações dos quatro principais bancos do país (Banco do Brasil, Santander, Bradesco e Itaú) e de empresas tradicionais e resilientes, como Petrobras e Vale, por exemplo.

Investimentos

.

Renda Variável

Isso tudo além de poder contar com a assessoria de uma miríade de consultores e especialistas no assunto que, cada vez mais, procuram o investidor pessoa física para auxiliá-lo no árido terreno da renda variável.

Outra forma de simular – digamos – uma renda fixa é apostar na modalidade P2P (peer-to-peer lending).

Nela, o investidor tem a possibilidade de investir diretamente em uma empresa sem a interferência de um banco.

Em um país onde o spread bancário é elevado, em comparação com as demais nações, esta é uma modalidade que pode oferecer boa rentabilidade.

A Allugator Invest é um bom exemplo de empresa que se utiliza do P2P para financiar seus lotes de eletrônicos para locação. A plataforma promete rendimentos de até 13% ao ano (ou 600% do CDI).

E há os investimentos em commodities ou ativos tangíveis. Estes, que antes eram associados aos “guardadores de dinheiro no colchão”, hoje são modalidades cada vez mais em alta.

Comprar ouro, dólar e até obras de arte ou moedas antigas, tem sido uma opção de investimento considerada confiável por muitos. Contudo, os retornos podem demorar a vir, podendo levar até décadas para trazer algum rendimento.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ações, Units e ETF's

Marfrig (MRFG3): BB Investimentos atualiza preço-alvo para R$27,20

A boa execução do modelo de negócios permitiram ganhos de eficiência

Publicado

em

O BB Investimentos analisou o ativo Marfrig (MRFG3) em seu portfólio e optou por reajustar o preço-alvo, agora em R$ 27,220 por ação, com recomendação Neutra.

“Levamos em consideração a incorporação de resultados trimestrais recentes em nosso modelo financeiro, bem como a atualização de estimativas para os próximos anos, considerando o atual cenário favorável para o setor de proteínas e os desafios que enxergamos para os próximos trimestres”, destacou o banco de investimentos.

Também disse que o bom momento setorial, especialmente nas operações da América do Norte – que combina a alta disponibilidade de gado com a recuperação da economia impulsionando o consumo – não é o único responsável pelos resultados operacionais recordes da Marfrig nos últimos trimestres.

“A boa execução do modelo de negócios, com investimentos direcionados à melhoria de processos, que permitiram ganhos de eficiência e crescimento orgânico, bem como o foco em produtos processados e de maior valor agregado, também foram fundamentais. Além disso, destacamos a gestão de passivos nos últimos anos, que permitiram a redução do endividamento, a melhora de risco e o retorno do pagamento de dividendos, após uma década sem distribuir”, ressaltou.

Marfrig

Para os próximos trimestres, o BB diz esperar que a recuperação econômica e o retorno da alimentação fora da residência continuem impulsionando o consumo de proteína animal nos EUA e a demanda por carne bovina na China, apesar do bloqueio recente (e temporário) das exportações brasileiras ao país asiático.

“Além disso, assumimos que os preços de exportação permaneçam bastante atraentes para os produtores da América do Sul, beneficiados pela desvalorização das moedas locais em relação ao dólar. Como alerta, acreditamos que o consumo no Brasil ainda seguirá lento no curto prazo, com o cenário de menor disponibilidade de renda da população limitando o acesso aos elevados preços da carne bovina; entretanto, vale ressaltar que a maior oferta sazonal de gado e os volumes não direcionados para a China podem exercer pressão baixista nos preços de venda, contribuindo para uma melhora gradual da absorção no mercado interno”, frisou.

Veja MRFG3 NA Bolsa:

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Nubank faz NYSE e Nasdaq disputarem seu IPO em NY

A companhia iniciou sua operação em uma casa alugada nos arredores de SP; atualmente, é uma multinacional

Publicado

em

O Nubank começou como uma fintech e se transformou em um banco digital delineando um movimento que até hoje é difícil quando se tenta classificar a empresa como um case de sucesso ou mais que isso: sendo um fenômeno administrativo-comercial.

Isso porque a companhia iniciou sua operação em uma casa alugada nos arredores de São Paulo oferecendo crédito a jovens que até então eram desprezados pelo mercado financeiro convencional.

Da fundação, em maio de 2013, à rodada de investimentos com a participação da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, onde levantou US$ 500 milhões, o Nubank hoje disputa a atenção da NYSE e da Nasdaq.

A primeira é a tradicional Bolsa de Valores de Nova York, e a segunda, também sediada na terra da Estátua da Liberdade, é uma bolsa ligada às empresas de tecnologia. Ambas são gigantes e concentram empresas de ponta. E o Nubank agora é uma delas.

Nubank

Acontece que o Nubank anunciou a pouco tempo que abriria capital nos Estados Unidos e, desde então, NYSE e Nasdaq querem fazer a oferta inicial da empresa brasileira. Para isso, analistas, bancos de investimentos e nomes de peso, cada um de um lado da corda, puxam esse cabo de guerra tentando cativar a dona do roxinho para um ou outro segmento.

De qualquer maneira, seja qual for a escolha, o Nubank chegou lá e a partir do momento que listar suas ações em Nova York se tornará um ativo e tanto para investidores do mundo todo tanto por sua tecnologia, bem como por seu core business. Mas, principalmente, por conseguir desbravar em mercados emergentes como Brasil, Argentina, Colômbia e México.

A empresa ainda não definiu seu futuro lá fora. Ao menos não divulgou sua preferência ao mercado. Por enquanto!

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Ibovespa fecha em queda de 3,28%, aos 110.672,76 pontos

Dow Jones +0,57% (35.458,37); +S&P 500 +0,74% (4.519,77); Nasdaq +0,71% (15.129,09); Dólar +1,33% (R$ 5,5938)

Publicado

em

O Ibovespa fechou a sessão desta terça-feira (19) em queda de 3,28%, aos 110.672,76 pontos. Em direção oposta, o dólar encerrou em alta de 1,33%, a R$ 5,5938, depois de oscilar entre máxima de R$ 5,6123 e mínima de R$ 5,5347.

De acordo com o BTG Pactual, os investidores repercutem negativamente a possibilidade de o Auxílio Brasil estourar o teto de gastos e isso influenciou a bolsa brasileira neste dia.

Em Nova York, o Dow Jones subiu 0,57%, aos 35.458,37 pontos, o S&P 500 subiu 0,74%, aos 4.519,77, e a Nasdaq avançou 0,71%, aos 15.129,09.

Na Europa, o Stoxx 600 subiu 0,38% (468.82). Em Frankfurt, a bolsa avançou 0,24%, já em Londres a alta foi de 0,20%. Em Paris, houve que de 0,05%. Madri subiu 0,68%.

Do lado dos Treasuries, o T-Bond subiu a 2,0890% (2,0379%), o T-Note de 10 anos avançou a 1,6364% (1,5941%), e o T-Note de 2 anos caiu a 0,3872% (0,4274%).

Crédito: Agência Brasil

Mulher observa painel eletrônico da B3. 3/4/2019. REUTERS/Amanda Perobelli

Ibovespa: empresas:

Confira a maior e única alta do Ibovespa de hoje, segundo a Eleven Financial:
📈#GETT11 +17,88% (R$ 9,10)

Confira as 3 maiores baixas do Ibovespa de hoje:
📉#AZUL4 -10,36% (R$ 30,80)
📉#CIEL3 -9,20% (R$ 2,37)
📉#CASH3 -8,47% (R$ 4,43)

Auxílio Emergencial

Relator do Auxílio Emergencial, Marcelo Aro criticou nesta tarde a solução dos auxílios temporários. Mais cedo, o anúncio do novo Auxílio Brasil foi cancelado pelo ministro João Roma. Isso porque a fórmula para alcançar um benefício de R$ 400 inclui o complemento de duas parcelas temporárias até o final de 2022.

Acontece que se o Congresso insistir em colocar todo o valor como despesa definitiva, será obrigado a encontrar fontes de recurso de compensação, pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Há ainda a preocupação acerca do limite de R$ 30 bilhões para o extra-teto no ano que vem, que a equipe econômica quer incluir na PEC dos precatórios e os aliados políticos resistem.

Commodities

Entre as commodities, os preços dos contratos para dezembro do Brent terminaram o dia em alta de 0,89%, a US$ 85,08 por barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços dos contratos para novembro do WTI subiram 0,63%, a US$ 82,96 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Já os preços do ouro fecharam em alta, apesar da melhora do apetite por risco nas bolsas em Nova York. O metal interrompeu duas quedas consecutivas e, ao final da sessão regular, na Comex, o contrato do ouro para dezembro fechou em alta de 0,27%, a US$ 1.770,50 por onça-troy.

Coronavírus

Levantamento do consórcio de imprensa mostra que o Brasil registrou na segunda-feira (18) 197 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, com o total de óbitos chegando a 603.521 desde o início da pandemia.

Assim, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias ficou em 322 — abaixo da marca de 400 pelo 7º dia seguido. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -33% e aponta queda pelo nono dia seguido.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS