Conecte-se conosco

Economia

Caixa libera hoje saques e transferências a nascidos em março

Os pagamentos da segunda parcela do benefício começam em 18 de maio para o público do Bolsa Família, e em 16 de maio para os demais beneficiários.

Publicado

em

A Caixa Econômica Federal (Caixa) viabiliza nesta terça-feira, 4, os saques e transferências da primeira parcela do Auxílio Emergencial aos beneficiários que não fazem parte do Bolsa Família nascidos em março, que receberam a parcela em poupança social digital no dia 11 de abril.

O pagamento da primeira parcela do auxílio para este público terminou em 29 de abril. Para quem faz parte do Bolsa Família, os pagamentos foram até 30 de abril. 

Vale destacar que os pagamentos da segunda parcela do benefício começam em 18 de maio para o público do Bolsa Família, e em 16 de maio para os demais beneficiários

Veja quem pode sacar a partir desta terça:

  • Trabalhadores que não fazem parte do Bolsa Família, nascidos em março

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial, pelo site ou pelo site Consulta Auxílio.

Veja abaixo os calendários de pagamento.

BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA

Auxílio Emergencial 2021 Bolsa Família — Foto: Economia G1

Auxílio Emergencial 2021 - Calendário para trabalhadores fora do Bolsa Família — Foto: Economia G1

Leia também: Quando sacar o Auxílio Emergencial de 2021? Veja 

Publicidade
Comentários

Economia

PIS/Pasep: Veja se você recebe o benefício a partir de janeiro

Se você trabalha de carteira assinada e recebe até dois salários mínimos, veja como fica o pagamento do abono do PIS/Pasep para 2022.

Publicado

em

Depois que o pagamento do abono salarial PIS/Pasep foi adiado, a nova previsão é de que os valores sejam pagos a partir de janeiro de 2022. O adiamento foi por conta do Programa Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda. O pagamento é um direito de quem teve carteira assinada por pelo menos 30 dias e recebe até dois salários mínimos.

Leia mais: Veja como consultar o PIS pelo CPF através do site ou aplicativo

O PIS é pago para quem trabalha de carteira assinada em empresas privadas. Já o Pasep é para os servidores públicos. O valor pago pelo PIS/Pasep é de no máximo um salário mínimo. Sendo que o valor final pago aos trabalhadores depende do tempo de serviço durante o ano.

Quem recebe o PIS/Pasep em janeiro?

Entre as regras para ter direito ao PIS/Pasep é necessário ter trabalhado de carteira assinada por pelo menos 30 dias no ano referência. Além de ter como salário máximo dois salários. Outra exigência é estar há pelo menos cinco anos inscrito no PIS/Pasep.

O PIS é pago pela Caixa Econômica e o Pasep pelo Banco do Brasil. Por outro lado, quem não tem conta nesses dois bancos pode sacar o PIS/Pasep em qualquer caixa eletrônico, desde que esteja com o Cartão Cidadão e a senha.

Se você também não tem o Cartão Cidadão, outra forma de ter acesso ao dinheiro é apresentando um documento de identificação com foto numa agência da Caixa, além da carteira de trabalho.

Existe uma expectativa por parte dos trabalhadores de que o governo federal libere o pagamento em dobro do PIS/Pasep. Ou seja, seria o pagamento retroativo depois que os valores foram adiados durante a pandemia da Covid-19. Apesar dessa expectativa, ainda não se tem nenhuma confirmação a respeito.

Caso o trabalhador tenha dúvida dos valores a receber em janeiro, veja abaixo o cálculo de acordo com os meses trabalhados:

  • 1 mês de trabalho: R$ 100;
  • 2 meses de trabalho: R$ 200;
  • 3 meses de trabalho: R$ 300;
  • 4 meses de trabalho: R$ 400;
  • 5 meses de trabalho: R$ 500;
  • 6 meses de trabalho: R$ 600;
  • 7 meses de trabalho: R$ 700;
  • 8 meses de trabalho: R$ 800;
  • 9 meses de trabalho: R$ 900;
  • 10 meses de trabalho: R$ 1.000;
  • 11 meses de trabalho: R$ 1.100;
  • 12 meses de trabalho: R$ 1.200

Continue lendo

Economia

Boletim Focus prevê inflação de 10,18% em 2021

Essa foi a 35ª elevação consecutiva da projeção.

Publicado

em

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu de 10,15% para 10,18% neste ano. Essa foi a 35ª elevação consecutiva da projeção. A estimativa está no Boletim Focus desta segunda-feira (6), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), em Brasília, com a expectativa das instituições para os principais indicadores econômicos.

Confira também: Alta da inflação muda a expectativa do salário mínimo para 2022

Para 2022, a estimativa de inflação subiu de 5% para 5,02%. Para 2023, a previsão passou de 3,42% para 3,50% e para 2024 foi mantida em 3,10%.

A previsão para 2021 está acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior de 5,25%. Para 2022 e 2023, as metas são 3,5% e 3,25%, respectivamente, também com intervalo de tolerância 1,5 ponto percentual.

Taxa de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, definida em 7,75% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Na última reunião do Copom deste ano, marcada para esta terça (7) e quarta-feira (8), a previsão do mercado financeiro é que a Selic suba para 9,25% ao ano.

Para o fim de 2022, a estimativa é de que a taxa básica chegue a 11,25% ao ano. E para 2023 e 2024, a previsão é de Selic em 8% ao ano (a previsão da semana passada era 7,75% ao ano) e 7% ao ano, respectivamente.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Além disso, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

PIB e câmbio

As instituições financeiras consultadas pelo BC reduziram a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano de 4,78% para 4,71%. Para 2022, a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – é de crescimento de 0,51%. Na semana passada, a estimativa de expansão era de 0,58%. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro projeta expansão do PIB de 1,95% e 2,10%, respectivamente.

A expectativa para a cotação do dólar subiu de R$ 5,50 de R$ 5,56 para o final deste ano. Para o fim de 2022, a previsão passou de R$ 5,50 para R$ 5,55.

Continue lendo

Empresas

BRF pretende investir R$55 bi até 2030, incluindo desembolsos de 2021

A BRF está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker BRFS3

Publicado

em

A BRF pretende investir R$ 55 bilhões até 2030, incluindo os desembolsos de 2021, conforme fato relevante encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, a estimativa prevê limite prudencial de alavancagem financeira líquida (razão entre a dívida líquida e o EBITDA Ajustado dos 12 meses anteriores) de até 3 vezes.

Também disse que o período de 2021 a 2024 leva em consideração a estimativa de atingimento de receita líquida de aproximadamente R$ 65 bilhões, com crescimento do EBTIDA em duas vezes em relação aos últimos 12 meses findos em 30 de setembro de 2020.

E acrescentou que o período de 2025 a 2027 leva em consideração a estimativa de crescimento da receita líquida e do EBTIDA em aproximadamente 2,5 vezes em relação aos últimos 12 meses findos em 30 de setembro de 2020 e com crescimento da receita em mais de 60% no mercado brasileiro.

BRF

Ainda de acordo com o documento, em relação ao período de 2028 a 2030, a companhia leva em consideração a estimativa de atingimento de receita líquida em mais de R$ 100 bilhões e de crescimento do EBTIDA em mais de 3,5 vezes em relação aos últimos 12 meses findos em 30 de setembro de 2020, com Margem EBITDA média acima de 15%, margem líquida média de 6% e retorno sobre o capital investido (“ROIC”) de 16%, aproximadamente.

A BRF está na bolsa brasileira (B3) sob o ticker BRFS3.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS