Conecte-se conosco

Investimentos

Confira as 10 ações mais recomendadas para setembro por 3 casas de análises

Saiba o que as empresas sugerem como opção de melhor rentabilidade para este mês, sobretudo após queda de 2,47% na Ibovespa em agosto.

Publicado

em

Índices de títulos públicos e debêntures têm os melhores resultados do ano

Agosto foi um mês de desafios para o mercado acionário. Fatores como inflação, aumento da taxa básica de juros, crise política e a indefinição sobre os precatórios fizeram com que a Ibovespa fechasse o mês em queda de 2,47% no mês passado.

Leia mais: Revisão do FGTS: Prazo para entrar com o pedido pode estar perto do fim

Com a chegada de setembro, os contratempos do mercado continuam. Por isso, é importante acompanhar as indicações de ações das principais corretoras, como a XP, a Toro e a CM Capital, para não errar e conseguir boas opções de rentabilidade.

Confira a seguir um conjunto de ativos mais recomendados pelas carteiras das corretoras, que trazem ações ligadas a commodities e ao setor financeiro:

Empresa Ação Indicações
BTG Pactual BPAC11 3
Vale VALE3 2
Weg WEGE3 2
Magazine Luiza MGLU3 1
PetroRio PRIO3 1
Usiminas USIM5 1
BR Partners BRBI11 1
B3 B3SA3 1
Lojas Americanas LAME4 1
Natura NTCO3 1
Fontes: XP Investimentos, Toro Investimentos e CM Capital

Deste Top 10 de ações mais recomendadas, um dos destaques é a saída da SulAmérica (SULA11) e a entrada da Weg (WEGE3) na carteira da XP. Os motivos, segundo a corretora, foram o aumento nos casos de disseminação da variante delta do coronavírus, além da expectativa de sinistralidade elevada a curto prazo.

Outras ações recomendadas pelas carteiras  para este mês incluem: Marfrig (MRFG3), a Equatorial (EQTL3), a Usiminas (USIM5), CCR (CCRO3), YDUQS (YDUQ3), Mosaico (MOSI3), MRV (MRVE3), Tupy (TUPY3), Rede D’Or (RDOR3) e Assaí (ASAI3).

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ações, Units e ETF's

Hotmart e Ebanx preparam IPOs na Nasdaq

Empresas brasileiras registram forte crescimento e presença internacional

Publicado

em

Crédito: Folha UOL

Motivados pela temporada efervescente de lançamento de ações nos Estados Unidos, as brasileiras Hotmart e Ebanx também planejam realizar as respectivas ofertas iniciais (IPOs) na maior bolsa de tecnologia do mundo, a norte-americana Nasdaq.

Renome mundial – Desde o início do ano, a Hotmart prepara sua IPO, que deverá levantar US$ 400 milhões, sob a supervisão dos pesos-pesados JP Morgan, Morgan Stanley e Goldman Sachs, além de ser conduzida por investidores de renome mundial, como a gestora General Atlantic e o fundo soberano de Cingapura GIC.

Aporte da Advent – Já o Ebanx, que deverá fazer sua IPO somente no início do ano que vem (ainda sem estimativa de valores para a operação), recebeu, em junho último, aporte de US$ 430 milhões do fundo de private equity Advent.

Valor similar – Celebrizada por responder pelos pagamentos da empresa de streamig Spotify, a Ebanx poderá captar um valor similar ao da Hotmart. Só em 2020, a paranaense Ebanx, presente em 15 países da América Latina, processou 145 milhões de transações.

Forte crescimento – A posição de destaque de ambas as companhias brasileiras decorre do ‘forte crescimento obtido nos últimos anos, inclusive com operações importantes fora do Brasil’.

Vez do Nubank – Avaliado em torno de US$ 50 bilhões, o Nubank também está perto de listar suas ações, o que deve ocorrer entre outubro e novembro.

Nada a declarar – A Hotmart, por sua vez, informou, em nota, que a empresa “não tomou (ainda) nenhuma decisão, nem tem previsão de anunciar um movimento nesse sentido”.

Continue lendo

Agronegócio

Ucrânia conclui colheita de trigo em 33 mi toneladas

Volume da safra 20/21 representa alta de 33%

Publicado

em

A Ucrânia concluiu a safra de trigo de 2021. E o resultado final representa um alta de 33% em relação ao volume colhida no último ciclo. Ao todo, foram 33 milhões de toneladas com um rendimento de 4,65 toneladas por hectare, segundo informou o Ministério da Agricultura do país na sexta-feira

Na safra anterior, foram 24,9 milhões de toneladas de trigo produzidas. Até setembro, 45,7 milhões de toneladas de grãos foram colhidos em 65,3% da área plantada, com a produção média de 4,39 toneladas por hectare. As exportações 2020/21 foram registradas em 44,7 milhões de toneladas e podem saltar para 60,7 milhões de toneladas em 2021/22.

O país planeja ainda atingir um recorde de 80,6 milhões de toneladas de grãos em 2021, ante 65 milhões de toneladas em 2020. No ano passado, a Ucrânia também colheu 24,9 milhões de toneladas de trigo e 7,6 milhões de toneladas de cevada.

Continue lendo

Agronegócio

Café avança e açúcar recua

Interrupção no fornecimento asiático, alta do dólar e energia influenciaram variações

Publicado

em

Nesta sexta-feira, os contatos futuros do café robusta subiram para uma máxima de quatro anos na ICE. Embora o fluxo de fornecimento do maior produtor, o Vietnã, estejam interrompidas, em virtude da pandemia do Covid-19 e falta de capacidade de carga em contêineres, o produto registrou recuperação na demanda, o que ajudou a restringir a oferta.

Para novembro, o café robusta fechou em alta de 44 dólares, ou 2,1%, em 2.151 dólares a tonelada, após atingir a máxima de quatro anos, de 2.157 dólares. Segundo os operadores, houve uma procura maior pelos grãos de robusta nas últimas semanas, devido ao alto custo do café arábica. Os estoques de robusta da bolsa caíram de 141.330 toneladas para 131.270 toneladas.

Já o café arábica recuou 1,75 centavo de dólar, ou 0,9%, em 1,864 dólar por libra-peso para dezembro. No Brasil, a expectativa futura é positiva, já que há previsão de chuvas nas áreas cafeeiras do Brasil para os próximos meses. Em nota, a exportadora Comexim informou que “o mercado de café está atento à previsão do tempo e bastante positivo, esperando chuvas que podem induzir uma floração”.

Por outro lado, os preços do açúcar diminuíram. Para outubro, o açúcar bruto ​​fechou em queda de 0,31 centavo de dólar, ou 1,6%, em 19,18 centavos de dólar por libra-peso. Já o açúcar branco fechou em queda de 8,10 dólares, ou 1,6%, em 504,80 dólares a tonelada para dezembro. De acordo com os operadores, os preços do dólar e da energia contribuíram para a variação.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS