Conecte-se conosco

Economia

Conheça 22 benefícios que você poderá receber após o fim do auxílio emergencial

CadÚnico é a ferramenta usada pelo governo federal para implementação de programas sociais.

Publicado

em

Cadastro Único

Os depósitos do auxílio emergencial foram finalizados em dezembro de 2020. No entanto, ainda neste mês há um calendário de saques do benefício, que vão até 27 de janeiro de 2021. Até então, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não sinalizou a prorrogação do programa social. 

Diante disso, as pessoas que estiverem em condição de vulnerabilidade social e necessitarem de recursos financeiros para o sustento de seus familiares deverão ir atrás de outros meios. 

Com o intuito de amenizar os impactos econômicos impulsionados pela pandemia de Covid-19, uma série de programas tem sido disponibilizada pelo governo federal. E o Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) vem sendo um dos instrumentos para a implementação desses programas assistenciais no Brasil. 

Por meio dele, o Estado consegue mensurar a realidade socieconômica de cada região. Isso porque constam informações de escolaridade, renda, trabalho, situação da residência, entre outros. 

Confira a seguir 22 benefícios sociais que os cidadãos podem receber por meio do CadÚnico:

  1. Água para Todos;
  2. Aposentadoria para Pessoas de Baixa Renda;
  3. Benefícios Assistenciais;
  4. Benefício de Prestação Continuada (BPC);
  5. Bolsa Estiagem;
  6. Bolsa Família;
  7. Carta Social;
  8. Carteira do Idoso;
  9. Crédito Instalação;
  10. Exame Nacional do Ensino Médio (Enem);
  11. Identidade Jovem (ID Jovem);
  12. Isenção de pagamento de taxa de inscrição em concursos públicos e processos seletivos;
  13. Programa Brasil Alfabetizado;
  14. Programa de Apoio à Conservação Ambiental (Bolsa Verde);
  15. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)
  16. Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais/ Assistência Técnica e Extensão Rural;
  17. Programa Minha Casa Minha Vida / Programa Casa Verde e Amarela;
  18. Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF);
  19. Programa Nacional de Reforma Agrária;
  20. Programa Cisternas;
  21. Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE);
  22. Telefone Popular.

Publicidade
Comentários

Bancos

Banco Inter registra lucro líquido de R$22,1 mi no 4º tri, queda de 11%

No acumulado de 2020, o Inter lucrou R$ 5,578 milhões, ante R$ 81,569 milhões em 2019

Publicado

em

Banco Inter

O banco digital Inter (BIDI11) reportou lucro líquido de R$ 22,1 milhões no quarto trimestre de 2020, queda de 11% ante igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, o aumento das despesas operacionais e das provisões para devedores duvidosos (PDD) pesaram no número final.

No acumulado de 2020, o Inter lucrou R$ 5,578 milhões, ante R$ 81,569 milhões em 2019.

Já a receita média por cliente (Arpu, na sigla em inglês) recuou para R$ 197,98 entre outubro e dezembro de 2020, depois de ter ficado em R$ 251,88 no último trimestre do ano anterior. Essa redução veio das operações de crédito. Houve melhora do Arpu em relação aos R$ 174,23 obtidos no terceiro trimestre.

Inter (BIDI11) reporta lucro líquido de R$22,1 mi no 4º tri, queda de 11%

Banco Inter: balanço

O custo de aquisição de clientes aumentou para R$ 26,79 no quarto, vindo de R$ 25,36 um ano antes, refletindo maiores despesas com marketing. Por outro lado, o Inter apontou que o custo de servir caiu 20,7% em 12 meses, para R$ 137,34.

O Inter fechou dezembro com R$ 9,449 bilhões na carteira de crédito expandida, um aumento de 86,6% no ano. Destacaram-se principalmente as operações com empresas conhecidas como “risco sacado”. Mas, de acordo com o banco, a originação de consignado e financiamento imobiliário também foi recorde. A inadimplência ficou em 2,8%, uma queda de 1,6 ponto em relação a dezembro do ano anterior.

Banco Inter: carteira

A carteira de cartão de crédito atingiu R$ 1,938 bilhão no fim do quarto trimestre, sendo que R$ 263 milhões correspondiam a rotativo e parcelado. O banco encerrou o ano com 8,5 milhões de clientes.

Em mensagem que acompanha as demonstrações financeiras, o presidente do Inter, João Vitor Menin, afirmou que a fintech terminou 2020 com o “alicerce pronto”, o que permite assumir novos desafios neste ano. “Partimos para a abertura da nossa plataforma para não correntistas”, disse.

Dentre as frentes de negócios do Inter, o marketplace movimentou R$ 632,4 milhões no quarto trimestre, chegando a R$ 1,17 bilhão no ano todo. Na área de investimentos, atingiu 1,2 milhão de clientes e, em seguros, uma carteira de 254,9 mil.

Veja BIDI11 na Bolsa:

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

BRF registra lucro líquido de R$902 mi no 4º trimestre, alta de 30%

No acumulado do ano o lucro líquido somou R$ 1,39 bilhão, elevação de 14,6%

Publicado

em

A processadora Brasil Foods (BRFS3) reportou lucro líquido de R$ 902 milhões no quarto trimestre de 2020, alta de 30% em relação a igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, no acumulado do ano o lucro líquido somou R$ 1,39 bilhão, elevação de 14,6%. Já a receita líquida saltou 23,5%, para R$ 11 bilhões. No acumulado, o indicador subiu 18%, para R$ 33 bilhões.

Brasil Foods (BRFS3) reporta lucro líquido de R$902 mi no 4º tri, alta de 30%

BRF: balanço

Segundo a empresa, o Ebitda ajustado, que mede o resultado operacional, foi de R$ 5,2 bilhões em 2020, alcançando uma margem de 13,1%, evolução de 110,7% quando comparado ao início da reestruturação.

No trimestre, o Ebitda ficou em R$ 1,5 bilhão, alta de 12,3%.

Para a companhia, essa evolução é reflexo direto da solidez da governança corporativa, gestão operacional e comercial eficiente, disciplina financeira, fortalecimento da cultura da companhia e expansão da capacidade de inovação.

A empresa também evoluiu na gestão da sua dívida, saindo de uma alavancagem líquida de 5,12x em 2018, com dólar a R$ 3,80 para um índice de 2,73x com a moeda americana a R$ 5,20.

O prazo médio da dívida passou de 3 anos em 2018 para 9,9 anos em 2020. A receita em inovação no Brasil mais do que dobrou, saltando de 2,7% em 2018 para 5,6% em 2020.

BRF: Lorival Luz

CEO Global, Lorival Luz disse considerar que a companhia está fundamentada para um crescimento sustentável. “Estamos muito orgulhosos dos resultados apresentados ao término deste primeiro ciclo de transformação, pois eles reforçam a nossa disciplina e excelência para executar a estratégia, nossa capacidade de inovar e, principalmente, a força do nosso time e da nossa cultura”.

O volume de aves caiu 4%, enquanto o de suínos e outros despencou 15,8% no Brasil.

A receita líquida atingiu um número recorde de R$ 20,985 bilhões, crescimento de 20,0% em comparação com o ano de 2019.

No segmento internacional, a BRF reforçou sua expansão geográfica e fechou o ano com 44 novas habilitações.

A companhia apresentou receita líquida de R$ 17,24 bilhões, com aumento de 15,7% em relação a 2019. Já o Ebitda ajustado de R$ 2,10 bilhões caiu 9,3% no ano, e a margem ficou em 12,2% (-3,4 p.p.).

A receita líquida dos frangos Halal, destinados aos países mulçumanos, totalizou R$ 1.924 bilhão, alta de 32,1%, favorecida pela desvalorização cambial do real versus o dólar.

Veja BRFS3 na Bolsa:

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Grupo Fleury registra lucro líquido de R$139,5 mi no 4º tri, alta de 149%

No acumulado do ano o lucro da companhia somou R$ 257 milhões, queda de 17,7%

Publicado

em

Fleury (FLRY3) reporta lucro líquido de R$139,5 mi no 4º tri, alta de 149%

O Grupo Fleury (FLRY3) registrou lucro líquido de R$ 139,5 milhões no quarto trimestre do ano passado, alta de 148,7% em relação a igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, no acumulado do ano o lucro da companhia somou R$ 257 milhões, queda de 17,7%.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 52,8% no comparativo trimestral, para R$ 298,1 milhões, enquanto o montante anual foi de R$ 837,5 milhões, queda de 4,9% em relação a 2019.

A margem Ebitda trimestral ficou em 32,1%, alta de 5 pontos percentuais. Já no acumulado do ano houve queda, de 30,3% em 2019 para 28,2% no ano passado.

Fleury (FLRY3) reporta lucro líquido de R$139,5 mi no 4º tri, alta de 149%

Fleury: receitas

A receita líquida subiu 28,9% no comparativo anual, para R$ 928,2 milhões no último trimestre. No acumulado do ano, a receita do Fleury somou R$ 2,9 bilhões, avanço de 2,3%.

A receita bruta entre outubro e dezembro alcançou o recorde de R$ 1 bilhão, montante que representa alta de 28,5% em relação ao mesmo período de 2019. Já no comparativo anual, a alta foi de 2,1%, para R$ 3,2 bilhões.

A companhia afirma que a retomada do volume de atendimentos e exames eletivos se manteve em patamares elevados no quarto trimestre. O número de atendimentos orgânicos chegou a 1,6 milhão, alta de 17,6% no comparativo trimestral.

Segundo o Fleury, os números são resultado da maior realização de procedimentos eletivos e da “contínua e relevante contribuição dos testes para covid-19” realizados pela companhia.

A receita bruta dos exames de covid-19 se manteve em patamares semelhantes aos registrados no terceiro trimestre, representando 11,1% da receita bruta total da companhia.

A receita bruta orgânica nas unidades de atendimento do grupo avançou 26,2% entre os trimestres, para R$ 825,4 milhões. A maior alta registrada foi da marca Fleury, que avançou 24%, seguida pela marca a+ São Paulo, com alta de 20,9% na receita de atendimento. As marcas regionais tiveram crescimento de 28,8%, enquanto o faturamento das marcas do Rio de Janeiro avançou 17,1%.

Fleury: segmentos

O segmento de genômica registrou alta de 24,3% na receita bruta, para R$ 18,5 milhões no último trimestre. O Fleury destaca o lançamento da marca Sommos DNA, realizado em dezembro.

Os atendimentos em unidades hospitalares e laboratórios de referência, no chamado B2B, cresceram 40,7% no período, somando receita de R$ 175,1 milhões.

Os valores não repassados por planos de saúde, as chamadas glosas, avançaram 5,6% no comparativo trimestral. O montante foi de R$ 9,9 milhões, o que representa 1% da receita bruta. No quarto trimestre de 2019, o indicador era de 1,36%.

O custo dos serviços prestados cresceu 22,7% em relação ao quarto trimestre de 2019, para R$ 621,8 milhões. O custo de pessoal e serviços médicos, que somou R$ 279,3 milhões, representou 30,1% da receita líquida da companhia.

A geração de caixa operacional do Fleury cresceu 33% no comparativo trimestral, para R$ 272,3 milhões ao fim de dezembro. O nível de alavancagem, medido pela razão entre a dívida líquida e o Ebitda, foi de 1,1 vez. No quarto trimestre do ano anterior, o indicador era de 0,9 vez.

Veja FLRY3 na Bolsa:

Continue lendo

MAIS ACESSADAS