Conecte-se conosco

Economia

Ibovespa fecha em alta puxada por Vale e endossada por Wall Street

O volume financeiro da sessão somava R$ 24 bil

Publicado

em

O que significa investir a curto, médio e longo prazo?

O Ibovespa (IBOV) subiu 2% nesta segunda-feira e fechou acima dos 117 mil pontos pela primeira vez desde 19 de fevereiro, puxado pela disparada de Vale (VALE3) após anúncio de recompra de ações e endossado por máximas em Wall Street em meio a perspectivas otimistas para a economia norte-americana.

Segundo a Reuters, o Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa encerrou em alta de 2%, a 117.563,39 pontos, de acordo com dados preliminares.

O volume financeiro da sessão somava 24 bilhões de reais.

Investimento em bolsa de valores também deve ser declarado; saiba mais

Bolsa de valores de São Paulo

Ibovespa – Dólar

O dólar operou em queda ante suas principais moedas concorrentes nesta segunda-feira, diante da busca por ativos de risco por investidores em Nova York, otimistas com a recuperação da economia dos Estados Unidos. A sessão foi marcada também pela baixa liquidez, diante do fechamento dos mercados em algumas das principais economias europeias por conta do feriado local de Páscoa.

O Dollar Index (DXY), que mede a variação da moeda americana em relação a outras seis moedas fortes, fechou em queda de 0,46%, aos 92,595 pontos, pressionado pela alta do euro, principal componente do índice, que se valorizava a US$ 1,1812 no fim da tarde em NY. Já a libra tinha alta a US$ 1,3906, enquanto o dólar recuava a 110,22 ienes.

Após subir na madrugada desta segunda, repercutindo o avanço acentuado do mercado de trabalho dos EUA em março, o dólar se firmou em território negativo com a divulgação dos índices de gerentes de compras dos EUA (PMIs, na sigla em inglês), medidos pela IHS Markit e pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês), respectivamente. Os indicadores impulsionaram o apetite por risco de investidores, que se distanciaram da segurança do dólar.

A queda do dólar, porém, começou antes dos dados serem divulgados, acompanhando o recuo nos juros curtos dos Treasuries, os títulos da dívida pública americana, durante a manhã de hoje. A alta nos rendimentos, que predominou recentemente, pode ser entendida por investidores como um sinal de que a recuperação da economia americana tende a levar o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a apertar sua política monetária antes do previsto, o que fortaleceria o dólar.

Para o ING, o quadro positivo para a economia americana enfraquece a retórica do Fed de que juros baixos e estímulo monetário serão necessários a longo prazo, o que pode gerar pressão sobre o BC americano pelo aumento dos Fed funds já no fim de 2022, enquanto a previsão da entidade é de aumentar os juros apenas em 2024.

A presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, reforçou a resposta da instituição em entrevista à CNBC hoje, ao afirmar que não há por que a autoridade monetária se preocupar com a alta na curva longa dos retornos dos Treasuries no momento.

Você pode gostar
Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.