Conecte-se conosco

Economia

Último dia da semana deve ser marcado por volatilidade

Investidores seguem atentos ao aumento de casos de Covid-19 e ao possível pacote de ajuda dos EUA. Por aqui, Brasília é o foco de atenção.

Publicado

em

A ausência de divulgações de dados econômicos relevantes aqui e no exterior deve impor mais um dia de volatilidade aos negócios. Os investidores seguem atentos ao aumento de casos de Covid-19 e ao possível pacote de ajuda dos Estados Unidos (EUA). Por aqui, Brasília é o foco de atenção. Ontem, depois de oscilar entre a mínima de 95.652 e a máxima de 97.954 pontos, o índice doméstico se firmou em terreno positivo. Às 9h05, o Ibovespa futuro indicava recuo de 0,49%, aos 96.615 pontos.

Assim como ontem, hoje, os investidores podem aproveitar a ausência de notícias relevantes para recompor suas carteiras. Vale lembrar que, no mês, a Bolsa já acumula perda de 2,37% e, no ano, de 16,11%. Ou seja, algumas ações estão bem atrativas para compra. Resta saber se o investidor está com apetite diante das incertezas vindas de Brasília.

Aliás, hoje, a atenção dos investidores estará ainda mais voltada para a capital do país com o intuito de descobrir quais serão os próximos passos do governo sobre questões importantes, como o teto de gastos, o novo programa assistencial, o novo imposto, reforma tributária, entre outros temas. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, ontem, integrantes do governo pediram a suspensão da votação do seguro-desemprego para quem foi demitido durante a pandemia. A ideia é apresentar uma nova proposta à prorrogação de mais duas parcelas do pagamento do seguro.

O mercado também espera que o ministro da Economia, Paulo Guedes, dê mais informações sobre a criação de tributos alternativos como contrapartida para a desoneração da folha de pagamento.

O avanço do coronavírus na Europa também continua no radar dos investidores. Os governos do Reino Unido e da França adotaram novas medidas para evitar o avanço da doença.

Nos EUA, o mercado espera uma nova rodada de estímulos à economia, que incluiria apoio às empresas aéreas e maior auxílio-desemprego. Os democratas estariam pensando em um pacote de US$ 2,4 trilhões, bem acima da proposta sugerida pelos republicanos, de R$ 1 trilhão.

Logo mais, o Departamento de Comércio divulga os dados de encomendas de bens duráveis em agosto.

Em Nova York, o futuro do índice do Dow Jones registrava queda de 0,46%, aos 26.593 pontos.

Continue lendo
Publicidade
Comentários