Conecte-se conosco

Política

‘Declaração à Nação’ de Bolsonaro diz que não houve ‘intenção de agredir’ poderes

Mandatário foi aconselhado pelo ex-presidente Michel Temer a publicar um “manifesto de pacificação” após atos antidemocráticos no 7 de Setembro.

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apresentou nesta quinta-feira, 9, um texto intitulado “Declaração à Nação”. O documento é visto como uma retratação do mandatário após os recentes ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) no último dia 7 de Setembro. Segundo ele, nunca houve a “intenção de agredir quaisquer poderes”.

Leia mais: Brics: Bolsonaro defende modernização da OMC e de regras de subsídios industriais e agrícolas

De acordo com o texto, “as pessoas que exercem o poder não têm o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”. A elaboração e divulgação da “Declaração à Nação” partiu de um conselho do ex-presidente Michel Temer a Bolsonaro.

Na manhã desta quinta-feira, Bolsonaro solicitou que um avião fosse enviado a São Paulo para buscar seu antecessor, que teria um almoço agendado com o chefe do executivo com a finalidade de discutir soluções para a crise institucional. A partir desse encontro, Temer orientou que Bolsonaro publicasse o “manifesto de pacificação”.

Em seu texto, o mandatário coloca a culpa da crise institucional nas “discordâncias” em relação às decisões do ministro do Supremo, Alexandre de Moraes. O mandatário afirma ainda que as questões devem ser resolvidas recorrendo a meios judiciais, como previsto no Art 5º da Constituição Federal.

“Quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”, relatou o presidente na declaração.

Posicionamento de Bolsonaro

Confira a seguir na íntegra o texto divulgado por Bolsonaro em tom de cordialidade depois das recentes críticas ao STF.

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

Jair Bolsonaro
Presidente da República federativa do Brasil

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Vale-gás pode ficar no papel para que novo Bolsa Família seja lançado

Governo quer impedir o Congresso de aprovar o projeto do vale-gás por medo de falta de verbas para o novo Bolsa Família.

Publicado

em

O projeto que cria o chamado vale-gás pode acabar novamente fora da pauta do Senado por pressão de líderes governistas. O benefício, prometido pelo presidente Jair Bolsonaro, tem como objetivo custear a compra do botijão de gás de cozinha de famílias de baixa renda.

Leia mais: Quando será depositada a última parcela do auxílio emergencial? Veja aqui

Para tentar dissuadir os senadores de votarem a proposta, o governo defende que o espaço aberto no Orçamento pelo parcelamento de dívidas judiciais contra a União, os chamados precatórios, deve ser usado no novo Bolsa Família.

“Me parece que a situação do precatório não está equacionada até agora e nós temos um caminho claro para resolver o problema do gás”, contrapôs o senador Eduardo Braga (MDB-AM), autor do projeto que cria o programa Gás para os Brasileiros.

Na Câmara dos Deputados, outros textos com o mesmo fim também estão ameaçados. Na próxima semana, o deputado Christiano Áureo (PP-RJ), relator de uma proposta semelhante, deve divulgar seu parecer.

O deputado defende a liberação de recursos suficientes para que as famílias possam comprar um botijão de 13kg a cada dois meses. Para isso, uma opção é criar uma taxa de R$ 2,18 por botijão na Cide para os combustíveis, atualmente zerada, e usar o dinheiro para o vale-gás. A segunda alternativa é utilizar parte royalties da União sobre o petróleo.

Vale-gás

As discussões sobre a criação do benefício ganharam impulso após Bolsonaro sinalizar que a Petrobras dispõe de R$ 3 bilhões voltados para a distribuição de um vale-gás bimestral. A princípio, a iniciativa atenderia aos beneficiários do Bolsa Família.

Braga sugere o uso de dividendos da Petrobras e recursos da cessão onerosa na casa dos R$ 6 bilhões por ano para financiar o programa. O vale-gás deve atender aos inscritos no CadÚnico, famílias com renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo, ou que tenham em sua composição alguém que recebe o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Continue lendo

Política

Importação de carros usados é discutida entre governo e entidades privadas

Proposta foi vista com maus olhos por quase todos os envolvidos. Associação e representantes da iniciativa privada também não apoiaram.

Publicado

em

A abertura para a importação de carros usados foi tratada na última quarta-feira (13), na Câmara dos Deputados. O tema foi visto com preocupação pela Comissão de Viação e Transportes da Casa. Entre as restrições apontadas para não liberar a importação de usados, estão as questões ambientais. Além disso, as condições de segurança e o estado dos veículos também foram alvos de debates.

Leia mais: Gasolina batizada? Entenda por que se coloca etanol na gasolina

Mudanças

Atualmente, é permitida a importação de veículos automotores nos casos em que o carro não tenha similar no país. Essa premissa deve ser utilizada para atender às missões diplomáticas e anseios de colecionadores. Os projetos de Lei 6468/2016 e 237/20, em tramitação, querem modificar essa limitação. 

As propostas visam liberar a importação para pessoas físicas e jurídicas, quase sem restrições. A justificativa é a de reduzir os preços de venda de veículos novos e usados no país.

Contudo, a liberação da importação pode trazer mais inseguranças para os veículos que rodam no país. Uma vez que pode desencadear a entrada de veículos velhos, que não atendem às normas de segurança brasileiras. È o que avalia o coordenador-geral de Segurança no Trânsito do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Daniel Tavares. As informações foram cedidas pela Agência Brasil.

Preocupação

Segundo Tavares, o Denatran vê com preocupação a aprovação da proposta. Ela pode contribuir para o aumento na idade da frota em circulação no país, que já tem uma idade avançada.

“O Brasil possui uma frota com idade bastante avançada e existem diversos projetos que buscam melhorar a idade média da frota e, obviamente, as condições de segurança desses com itens mais novos. A importação de veículos usados acaba por não estar alinhada com essa condição de aprimoramento da segurança dos veículos que circulam no Brasil”, disse.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é com os níveis de emissão de poluentes. Foi o que pontuou a  diretora de Qualidade Ambiental (Diqua) do Ibama, Carolina Mariani.

Ela disse que é preciso ficar atento para questões como a reposição de peças. Isso porque o Brasil é signatário de diversos tratados internacionais de proteção ao meio ambiente. Segundo a diretora, alguns veículos antigos possuem peças fabricadas com substâncias proibidas no Brasil, como o amianto.

“Tem que ser feita uma verificação bastante cautelosa, até porque o Brasil é signatário de outros compromissos internacionais e pode ser que alguns desses componentes não estejam em harmonia com a nossa atual situação de importação de substâncias”, observou.

Consumidores

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom) também se posicionou com preocupação. Uma vez que a legislação nacional não pode ser aplicada em outros países, isso poderia gerar problemas com a importação de veículos com defeito. Esse ponto pode afetar diretamente os direitos dos consumidores.

Um dos exemplos citados são os recalls. O procedimento serve para acionar os proprietários a fazerem reparos nos veículos. Em caso de carros importados, o procedimento ficaria inviável.

Além disso, setores patronais e representantes do setor automotivo também foram contrários. Apenas representantes de importadores acreditam em melhorias geradas pela liberação. O tema continua em debate na esfera pública.

Continue lendo

Política

De olho na reeleição, Bolsonaro confirma diversos benefícios

Presidente Jair Bolsonaro aprova mudanças em programas já existentes e cria novos para aumentar sua popularidade.

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro aumentou na última segunda-feira, 13, o teto do programa Casa Verde e Amarela, voltado para a compra da casa própria de famílias de baixa renda. O chefe do Executivo também editou a medida provisória do Habite Seguro, iniciativa que oferece subsídios para policiais e bombeiros.

Veja também: Imposto de Renda: Reforma terá texto alterado pelo Senado

No domingo, 12, ele havia sancionado a lei que mais que dobra os número de cidadãos elegíveis ao programa de tarifa social de energia. Com ele, as famílias recebem desconto de até 65% na conta de luz e isenção da bandeira tarifária.

O que essas medidas têm em comum é a busca de Bolsonaro por popularidade em meio à degradação das expectativas econômicas. O Boletim Focus mais recente espera crescimento de 1,72% para o PIB em 2022, reduzindo a projeção anterior de 2,04% divulgada há um mês. Já a inflação prevista para este ano chegou a 8%, mais que o dobro do centro da meta (3,75%).

Fontes do governo afirmam que essa queda foi o principal motivo que levou o presidente a escrever uma carta de recuo na última quinta-feira. Afinal, 2022 é ano de eleição.

Redução dos juros

Também há uma forte expectativa sobre a redução das taxas de juros para financiamento da casa própria praticadas pela Caixa Econômica Federal. O anúncio foi feito pelo presidente do banco, Pedro Guimarães, durante um evento no Palácio do Planalto.

“A Caixa vai reduzir os juros. Não está aumentando a Selic? Então a Caixa, com o lucro que nunca teve, sem roubar, vai diminuir os juros da casa própria”, antecipou.

Ainda segundo o executivo, a estatal deve anunciar o “maior programa de crédito do mundo” ainda nesta semana. As informações preliminares são de que os empréstimos, oferecidos por meio de aplicativo Caixa Tem, chegarão a cerca 105 milhões de brasileiros.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS