Conecte-se conosco

Ações, Units e ETF's

Índices acionários da China recuam por tensões com os EUA

Subíndice de bancos do CSI300 foi o que apresentou a maior queda, chegando a 2,2%, enquanto o índice do setor financeiro recuou 2%.

Publicado

em

Os índices acionários da China fecharam em baixa nesta segunda-feira, pressionados pelas crescentes preocupações com a tensão nas relações entre o país e os Estados Unidos, embora dados positivos de comércio tenham reduzido as perdas na sessão.

No índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, foi registrada uma queda de 0,86%, enquanto o índice de Xangai perdeu 0,81%.

Já o índice de start-ups ChiNext caiu 0,2% e o STAR50 teve variação positiva de 0,1%.

O subíndice de bancos do CSI300 foi o que apresentou a maior queda, chegando a 2,2%, enquanto o índice do setor financeiro recuou 2%.

De acordo com três fontes familiarizadas com a questão, entre elas uma autoridade norte-americana, os EUA estão preparando sanções a ao menos uma dúzia de autoridades chinesas sobre seu suposto papel na desqualificação por Pequim de parlamentares de oposição eleitos em Hong Kong.

Além disso, os EUA incluíram na quinta-feira a fabricante chinesa de chips SMIC e a petroleira CNOOC em uma lista de supostas empresas militares chinesas.

Por outro lado, as perdas foram contidas após dados da alfândega mostrarem que as exportações chinesas em novembro tiveram alta de 21,1% sobre o ano anterior, enquanto as importações cresceram 4,5%.

Confira outros índices registrados nesta segunda-feira:

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,76%, a 26.547 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 1,23%, a 26.506 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,81%, a 3.416 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,86%, a 5.022 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,51%, a 2.745 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,88%, a 14.256 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,51%, a 2.825 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,62%, a 6.675 pontos.

Publicidade
Comentários

Ações, Units e ETF's

Conheça as 30 maiores pagadoras de dividendos em 2020

Analistas fizeram um levantamento de resultados em 2020, de acordo com números de 2019.

Publicado

em

Dividendos

Analisar dividendos é importante para os investidores que desejam aplicar pensando em viver de renda. Eles representam o percentual de lucros que a companhia distribui entre os acionistas, como uma espécie de remuneração. Assim, se tiver comprado ação de uma empresa que paga dividendos, o investidor possui direito a grana extra.

Em algumas situações, o dinheiro é pago mensalmente. Já em outras, os dividendos são disponibilizados uma vez a cada trimestre, semestre ou até mesmo por ano. Dessa forma, o período de liberação dependerá dos critérios da empresa. Mas esse não deve ser o único item a ser avaliado ao determinar as melhores e maiores pagadoras de dividendos.

“A carteira de investimentos em dividendos olha muito para o longo prazo, porque você vai buscar ganhar com o lucro que a empresa distribui, e não necessariamente com a valorização dela” destaca o analista de investimentos da Rico, Thiago Salomão.

Portanto, ao decidir por investir em dividendos, é importante selecionar empresas consolidadas, que distribuem bons dividendos e permanecem com a aplicação por longo tempo. 

Veja a lista com as 30 maiores pagadoras de dividendos de 2019:

Empresa

Setor 

Média Div Yld (inic)

5 anos em %

Div Yield (inic)

12 meses Div + JCP

em %

Retorno 12 meses

com DIV e JCP

em %

Cyrela Realt (CYRE3)

Construção civil 5,27 11,04

113,29

BBSeguridade (BBSE3)

Previdência e seguros 7,57 10,14

36,61

Petrobras BR (BRDT3)

Petróleo gás e biocombustíveis 6,97 10,01

30,09

Sid Nacional (CSNA3)

Siderurgia e metalurgia

2,71 9,37

38,30

Itausa (ITSA4)

Intermediários financeiros 6,66 9,00

7,71

Qualicorp (QUAL3)

Serviços médico-hospitalares análises e diagnósticos 6,51 8,36

225,08

MRV (MRVE3)

Construção civil 5,94 7,94

52,12

Telef Brasil (VIVT4)

Telecomunicações 5,87 7,68

30,22

Smiles (SMLS3)

Diversos 6,79 7,55

-15,55

ItauUnibanco (ITUB4)

Intermediários financeiros 5,56 7,48

-3,46

Taesa (TAEE11)

Energia elétrica 10,93 7,34

30,23

BR Malls Par (BRML3)

Exploração de imóveis 2,23 7,05

37,41

Santander BR (SANB11)

Intermediários financeiros 7,43 5,89

-12,02

CCR SA (CCRO3)

Transporte 4,44 5,45

34,84

Bradesco (BBDC3)

Intermediários financeiros 4,47 5,38

-5,12

Cemig (CMIG4)

Energia elétrica 6,24 5,25

15,02

Bradesco (BBDC4)

Intermediários financeiros 4,80 5,25

-10,90

Bradespar (BRAP4)

Mineração 5,43 4,97

44,48

Cielo (CIEL3)

Serviços financeiros diversos 3,62 4,77

-29,99

Klabin S/A (KLBN11)

Madeira e papel 3,90 4,71

20,38

Fleury (FLRY3)

Serviços médico-hospitalares análises e diagnósticos 5,52 4,71

53,39

Brasil (BBAS3)

Intermediários financeiros 5,30 4,66

-5,67

Btgp Banco (BPAC11)

Intermediários financeiros 5,87 3,93

131,79

Engie Brasil (EGIE3)

Energia elétrica 6,47 3,76

21,40

Eletrobras (ELET6)

Energia elétrica 2,40 3,59

1,96

B3 (B3SA3)

Serviços financeiros diversos 4,39 3,58

64,63

Hypera (HYPE3)

Comércio e distribuição 2,87 3,57

29,73

Petrobras (PETR4)

Petróleo gás e biocombustíveis 1,63 3,50

13,01

Tim Part S/A (TIMP3)

Telecomunicações 2,39 3,44

48,59

Irbbrasil Re (IRBR3)

Previdência e seguros 4,50 3,26

24,36

Informações com base em estudo de analistas da Rico (19/02/2020).

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

PicPay se prepara para oferta inicial de ações na Bolsa

Fintech teve crescimento impulsionado em 2020, em razão da pandemia de Covid-19, que estimulou o uso de serviços financeiros digitais.

Publicado

em

PicPay

Diante do contexto competitivo no setor bancário, o PicPay aquece para ingressar na lista de companhias de tecnologia que devem abrir capital em 2021. A carteira digital foi difundida no Brasil por possibilitar transferências instantâneas entre contas de bancos distintos e vem constantemente atualizando as suas soluções financeiras.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a fintech ainda não formalizou o contrato com o sindicato responsável pela estruturação de sua oferta. Entretanto, a empresa já deu início aos acordos.

O PicPay expandiu aceleradamente em 2020, principalmente depois do começo do isolamento social, imposto pela pandemia de Covid-19. Como consequência, foram impulsionados os serviços financeiros digitais. 

A carteira digital foi fundada em 2012 por um trio de empreendedores de Vitória, no Espírito Santo. Em 2019, a companhia foi comprada pelo Banco Original, da J&F, que também gere a JBS.

Continue lendo

Ações, Units e ETF's

Itaúsa (ITSA4) vai emitir debêntures para comprar Liquigás

Publicado

em

Itaúsa

A Itaúsa (ITSA4) vai emitir R$ 1,3 bilhão em debêntures, de acordo com documento enviado ao mercado nesta última quinta-feira (10).

A empresa informou que o valor será utilizado para viabilizar a compra da Liquigás, no qual os recursos não utiliados utilizados na compra será para recomposição do capital de giro.

COMUNICADO AO MERCADO

3ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES

Comunicamos que o Conselho de Administração da ITAÚSA S.A. (“Companhia”), em reunião realizada nesta data, aprovou a 3ª emissão de debêntures nãoconversíveis em ações, no montante de R$ 1,3 bilhão, que serão utilizados,majoritariamente, para aporte na Copagaz Distribuidora de Gás S.A., de forma aviabilizar a aquisição da Liquigás Distribuidora S.A., sendo os recursosremanescentes utilizados para recomposição do capital de giro da Companhia.São Paulo (SP), 10 de dezembro de 2020.

ALFREDO EGYDIO SETUBAL
Diretor de Relações com Investidores

Continue lendo

MAIS ACESSADAS