Conecte-se conosco

Economia

Seguro-desemprego poderá ser recebido em conta a partir desta sexta, 24

Agora, além da Caixa, é possível receber por qualquer banco pertencente ao sistema financeiro brasileiro, por meio de transferência eletrônica bancária.

Publicado

em

Seguro Desemprego

A partir desta sexta-feira, 24, os trabalhadores poderão solicitar o seguro-desemprego e informar dados da conta bancária de sua titularidade e preferência para recebimento do benefício. A nova possibilidade de pagamento engloba o seguro-desemprego nas modalidades formal, empregador doméstico, bolsa de qualificação profissional e trabalhador resgatado.

O pedido do seguro-desemprego pode ser realizado no portal.gov.br, aplicativo da Carteira de Trabalho Digital e até mesmo via atendimento presencial nas unidades de atendimento ao trabalhador, mas que deve ser evitado em função da pandemia do novo coronavírus.

No ato de solicitação do benefício, o usuário deverá informar o tipo de conta (corrente ou poupança), número e nome do banco, número da agência com o dígito verificador (DV) e o número da conta de sua titularidade. Segundo a Secretaria de Trabalho, do Ministério da Economia, só não devem ser informados dados de contas salários, pois nelas só podem ser efetuados depósitos e transferências de empregadores com cadastros, conforme normas do Banco Central.

Por meio da Resolução nº 847/2019, do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), foi permitida a extensão nos modos de recebimento do seguro-desemprego, autorizando novo canal de pagamento sem ônus ao beneficiário. Assim, além da Caixa Econômica Federal, passa a ser possível o pagamento por qualquer banco pertencente ao sistema financeiro brasileiro, por meio de transferência eletrônica bancária (TED).

A secretaria informou que a alteração foi operacionalizada em ação conjunta da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Caixa Econômica Federal e Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev).

Publicidade
Comentários

Economia

IRPF 2021: quem tem direito a isenção do Imposto de Renda por doença grave?

A Lei 7.713/88 regulamenta a legislação do Imposto de Renda e as condições que possibilitam a isenção do tributo devido ao governo federal.

Publicado

em

IRPF

O Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) é um tributo que deve ser pago todos os anos para o governo federal, mas existem alguns casos em que os contribuintes são isentos. Em 2020, todos cidadãos com rendimento tributável acima de R$ 28.559,70 no calendário-base de 2019 e demais critérios, deveriam enviar a declaração para a Receita Federal.

Para a declaração do IR são observadas diversas fontes de renda, como salário, aluguel, investimentos, prêmios de loteria e outros bens. Os dados são lançados e é gerado um imposto a ser recolhido ou valor que precisará ser devolvido aos contribuintes, na restituição do IR.

Entre os casos que permitem a isenção do IR, estão as doenças graves ou ocupacionais. Segundo a Lei 7.713/88, que regulamenta o tributo federal, os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), assim como os beneficiários da Previdência Privada, que sejam acometidos por alguma doença grave, possuem direito à isenção do IR.

No texto da lei são regulamentadas as doenças graves que autorizam o pedido, são elas:

  • Alienação mental;
  • Aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional;
  • Cardiopatia grave;
  • Cegueira;
  • Contaminação por radiação;
  • Doença de Parkinson;
  • Esclerose múltipla;
  • Espondiloartrose anquilosante;
  • Estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante);
  • Hanseníase;
  • Hepatopatia grave;
  • Nefropatia grave;
  • Neoplasia maligna;
  • Paralisia irreversível e incapacitante;
  • Síndrome da imunodeficiência adquirida;
  • Tuberculose ativa.

Para fazer o pedido da isenção do IR é preciso comprovar a condição de saúde. Isso deve ser feito com uso de laudo pericial emitido pelo serviço médico oficial municipal, estadual ou federal. Em caso de tratamento particular, deve-se agrupar os exames e relatório médicos.

Continue lendo

Economia

Aposentados do INSS começam a receber novo piso de R$ 1.100 nesta segunda

Cerca de 35 milhões de segurados do INSS serão beneficiados com reajuste de 5,26% e 5,45%, para quem recebe um salário mínimo ou mais.

Publicado

em

INSS

Nesta segunda-feira, 25, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) deu início ao calendário de pagamentos 2021 dos seus benefícios. Serão contemplados aproximadamente 35 milhões de segurados, abrangendo os aposentados, pensionistas e beneficiários do auxílio-doença.

De acordo com o órgão, os depósitos serão feitos no mesmo cronograma dos anos passados. Os segurados que recebem um salário mínimo começam a receber o novo valor, de R$ 1,1 mil (reajuste de 5,26%), a partir de hoje. Já os beneficiários que fazem jus a quantias acima do teto mínimo serão pagos a partir de 1° de fevereiro, com atualização superior (5,45%).

Isso se deve ao fato de que a atualização do salário mínimo foi estabelecida no término de dezembro, quando havia apenas a estimativa da inflação de 2020. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), base do cálculo, foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) somente em 12 de janeiro de 2021.

Por meio do reajuste, o teto do INSS (valor máximo pago aos segurados) passou a ser de R$ 6.433,57. Confira o calendário de pagamento dos benefícios do INSS 2021:

Calendário de benefícios INSS

Divulgação INSS

Continue lendo

Bancos

Leilão do Santander oferece mais de 400 imóveis com até 70% de desconto

Santander Imóveis oferece casas e apartamentos totalmente quitados, distribuídos entre todas as regiões do país, com valor entre R$ 36 mil e R$ 6,5 milhões.

Publicado

em

Leilão de imóveis

Quem planeja sair do aluguel em 2021 terá uma excelente oportunidade para adquirir a casa própria. O Santander Imóveis vai realizar leilões digitais de mais de 400 imóveis com até 70% de desconto. As casas e apartamentos disponíveis estão distribuídos entre todas as regiões do país.

O valor dos imóveis varia entre R$ 36 mil e R$ 6,5 milhões. Embora todos estejam totalmente quitados, caso o imóvel esteja ocupado pelo dono inadimplente ou por terceiros, o comprador é quem terá que arcar com as despesas para a retirada do inquilino.

Para Marcelo Prata, fundador da startup Resale, que foi contratada pelo Santander para cuidar da organização do Portal de Imóveis, a compra dos imóveis oferecidos pelo banco é uma grande chance, uma vez que os interessados terão acesso a descontos significativos com menores riscos.

Os leilões serão realizados pelas plataformas credenciadas Biasi Leilões, Cravo Leilões, Frazão Leilões, Leiloei.com, Mega Leilões, Sold Leilões e Zukerman Leilões. Os interessados devem estar atentos ao edital antes de participar do leilão para conhecer todas as condições para a aquisição dos imóveis.

Para participar, basta acessar o site www.santanderimoveis.com.br e escolher a região, tipo de imóvel, valor e situação, ou seja, se ele está ocupado ou vazio, para filtrar a busca e localizar os imóveis mais adequados ao seu perfil e necessidades.

O leilão do Santander disponibiliza ainda imóveis da Empresa Gestora de Ativos do Governo (Emgea), uma empresa pública federal não financeira vinculada ao Ministério da Economia que visa a recuperação de créditos por meio de soluções conciliatórias. Neste caso, são cerca de 300 imóveis disponíveis em todo o país, com desconto de até 68%.

O valor das unidades em oferta no portal Emgea Imóveis varia entre R$ 12 mil e R$ 1,5 milhão. Os imóveis, que também estão livres de qualquer dívida, podem ser adquiridos por meio do leilão ou por venda direta, sem a necessidade de oferecer um lance no site.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS