Conecte-se conosco

Finanças

MEIs têm empréstimos com condições especiais nestas instituições; Veja como contratar

Crédito para Microempreendedor é fundamental para capital de giro, contudo, estar negativado pode ser um entrave na hora de de pedir empréstimos. Veja algumas opções possíveis.

Publicado

em

Desde o início da pandemia, em meados de março de 2020, empresários de modo geral sofreram diversos impactos negativos em seus negócios. Entretanto, para os micro e pequenos empreendedores essa realidade é ainda mais complicada.

No caso dos microempreendedores individuais (MEIs), por exemplo, com faturamento anual de até R$ 81 mil, o fluxo de caixa muitas vezes é apertado e o capital de giro acaba comprometido.

Com a queda nas vendas e muitos meses fechados, diversos empreendedores acabaram entrando no vermelho, tornando ainda mais necessário conseguir crédito na praça para dar a volta por cima e manter a empresa de portas abertas.

Empréstimos com condições facilitadas para micro e pequenas empresas

Na categoria de empréstimos para MEIs e pequenos empreendedores, as condições costumam ser facilitadas, contando com:

  • agilidade na liberação do crédito;
  • limites maiores
  • prazo estendido para pagar, entre outros.

Alguns dos bancos que oferecem a modalidade de microcrédito são o Santander, Bradesco e Banco do Brasil. Confira mais detalhes e aprenda como solicitar:

Microcrédito Santander: microempreendedores têm uma variedade de serviços à disposição em parceria com a empresa de microfinanças Prospera, entre os quais: conta corrente, poupança e seguro. O destaque vai para a linha de crédito com limite de até R$ 21 mil. Clientes PJ com conta no banco ainda garantem condições especiais.

Crédito Bradesco: com orçamento de R$ 27 bilhões, empresários com faturamento anual de até R$ 360 mil têm como benefício taxas de juros reduzidas para. A medida prevê beneficiar cerca de 7 milhões de empresas.

Microcrédito Produtivo Orientado (MPO) Banco do Brasil: por meio dele, o MEI (rendimento anual até R$ 81 mil), microempresas (rendimento anual até R$ 360 mil), e empreendedores informais com rendimento bruto de até R$ 30 mil por mês podem solicitar o crédito para empreendedores. Os valores ficam entre R$ 1 mil a R$ 21 mil e o prazo para quitar varia de 5 a 18 meses, dependendo do número de parcelas.

Para solicitar é necessário comparecer a uma agência do Banco do Brasil ou optar pelo procedimento online, no caso de segunda contratação.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Finanças

Nubank, BB e Digio autorizam uso de seus cartões em nova plataforma

Bancos liberam o cadastro de seus cartões de crédito em novo sistema de pagamentos da Apple. Veja como fazer.

Publicado

em

Apple Pay

Nubank, Banco Digio e Banco do Brasil são alguns exemplos de bancos que contam com algumas das melhores opções de cartão de crédito existentes no mercado. O uso de cartões tem acelerado nos últimos anos, especialmente devido ao aumento da necessidade de realizar pagamentos contato.

Leia mais: Caixa lança empréstimo pelo Caixa Tem; Até R$ 1.000

O Apple Pay é um sistema de pagamentos por aproximação e carteira digital que possibilita transações financeiras usando os dispositivos da marca. A partir de agora, é possível cadastrar cartões de todos esses bancos na plataforma.

Digio

O Digio, fintech do Bradesco com o Banco do Brasil, tem um cartão de crédito internacional, sem anuidade e com um programa de pontos incrível. Veja como cadastrar o produto no Apple Pay e fazer pagamentos sem o cartão físico:

  • Abra o app Digio;
  • Acesse a aba “Meus Cartões”
  • Clique na opção “Cartão Virtual” e digite sua senha;
  • Copie os dados do cartão;
  • Abra o aplicativo Wallet no iPhone;
  • Toque em “Adicionar cartão”;
  • Informe os dados do cartão;
  • Autentique a ativação pelo aplicativo do Digio.

Nubank

O banco digital queridinho dos brasileiros permite que seus clientes adicionem cartões de débito e crédito no Apple Pay, incluindo as versões Mastercard Black e Ultravioleta. Confira como fazer:

  • Abra o app do Nubank;
  • Clique em “Meus cartões”;
  • Escolha o cartão que deseja acionar e aperte em “Configurar”;
  • Toque na opção “Adicionar ao Apple Pay”;
  • Insira a senha de quatro dígitos do cartão;
  • Ao ser direcionado para a página da Apple Pay, digite as informações do cartão.

Banco do Brasil

Um dos maiores bancos do país também entrou na onda do sistema de pagamentos da dona do iPhone. Contudo, nem todas as versões dos seus cartões são compatíveis com a ferramenta. Abaixo, confira os cartões que podem ser habilitados no Apple Pay:

  • Ourocard Universitário Mastercard: primeiros dígitos 514895;
  • Ourocard Platinum Mastercard: primeiros dígitos 554906;
  • Ourocard Platinum Estilo Mastercard: primeiros dígitos 546452;
  • Smiles Internacional Mastercard: primeiros dígitos 542661;
  • Smiles Platinum Mastercard: primeiros dígitos 545053;
  • Smiles Gold Mastercard: primeiros dígitos 554927;
  • Ourocard Mastercard Gold: primeiros dígitos 546479;
  • Ourocard Mastercard Internacional: primeiros dígitos 544908;
  • Ourocard Mastercard (doméstico): primeiros dígitos 552289;
  • Ourocard Mastercard Black: primeiros dígitos 552289.

Continue lendo

Finanças

Inflação atinge 10%: Até quando os preços vão subir? Confira previsões

Inflação deve chegar a 8,35% ao final de 2021 e fechar em 4,41% em 2022, segundo boletim Focus; saiba o que pode reduzir os preços.

Publicado

em

Desde maio de 2020, a inflação vem acelerando de forma incansável, atingindo quase 10% no período de 12 meses. Sua subida prejudica a renda das famílias e reduz o poder de compra de itens essenciais do dia a dia, tornando a vida da população mais difícil.

Leia mais: ‘Prévia da inflação’ acelera a 1,14% e é a maior para setembro desde 1994

Mas até quando os preços vão continuar subindo? Segundo economistas, a perspectiva é de que a inflação desacelere daqui para frente. Porém, uma série de fatores devem ser levados em conta durante esse processo. Além disso, mesmo que isso se concretize, a previsão é de que os preços apenas subam menos ou se mantenham no seu atual patamar.

As únicas exceções, segundo os economistas, são os produtos cuja variação de preço depende das condições climáticas, a exemplo, os alimentos perecíveis. No caso da grande parte dos produtos e serviços, os preços só reduzem quando o Produto Interno Bruto (PIB) encolhe e a economia passa a apresentar recessão.

Inflação deve desacelerar em outubro

De acordo com previsões de economistas das principais instituições financeiras, e de consultorias apuradas pelo Boletim Focus, do Banco Central (BC), a inflação deve chegar a 8,35% ao final de 2021 e fechar em 4,41% no ano de 2022.

Para que isso aconteça, é necessário que o ritmo de algumas coisas diminuam, como a alta do dólar, o preço dos alimentos, da energia e dos combustíveis. Segundo Roberto Troster, economista e especialista em setor bancário pela Troster & Associados, existe um espaço para a inflação ceder no mês que vem, porém um novo pico ainda pode acontecer:

“O problema é que controlar a inflação é como parar um carro numa ladeira. Quanto mais você demora para pisar no freio, maior a dificuldade. O mercado errou para menos em nove das últimas doze vezes em que o IPCA foi anunciado. Ainda podemos ter um pico.”

Além disso, os altos índices da inflação registrados no final do ano passado deixarão de fazer parte da conta com o passar o tempo. No próximo mês, por exemplo, será contabilizada uma inflação mensal de 0,5% em substituição a de outubro de 2020, que foi de 0,86%.

“Alimentação, energia elétrica e combustível, ainda que continuem subindo, estão desacelerando. Mas essa desaceleração será lenta, com o IPCA rodando acima de 5% até agosto de 2022”, declara Juliana Passabom, do Itaú BBA.

Mesmo com a previsão de queda nos preços, ainda há chances de a inflação disparar, sobretudo quando fatores como energia, dólar e prestação de serviços vêm apresentando forte inconstância nos últimos meses.

Continue lendo

Finanças

Banco Inter: empréstimos de até R$ 5 mil e pagamento da fatura via Pix

Banco digital oferece cada vez mais serviços para aumentar a comodidade e melhorar a experiência dos seus usuários.

Publicado

em

Quem tem uma conta no Banco Inter sabe que a fintech está sempre desenvolvendo novos produtos e serviços para facilitar a vida de seus usuários. Recentemente, a instituição anunciou duas novidades que podem levar mais controle financeiro a milhares de brasileiros.

Leia mais: IPCA está no seu maior patamar desde 1994; O que isso significa?

Saiba mais sobre o empréstimo consignado privado e sobre as transações via Pix no aplicativo do Inter.

Empréstimo consignado privado

Trabalhadores de todos os setores podem contratar empréstimos consignados para realizar um sonho, pagar dívidas, viajar, estudar e muito mais. O dinheiro também pode ser usado para quitar outro empréstimo com juros mais altos.

A taxa de juros é de até 2,12% ao mês, com parcelamento em até 48 meses. Como o valor das parcelas é descontado direto na folha de pagamento, o que garante o pagamento da dívida, o crédito também está disponível para negativados ou com o score baixo.

Antes da contratação, é necessário passar por uma avaliação de crédito. O serviço está disponível no aplicativo e site do Inter.

Pix

O Pix pode ajudar o cliente que precisa liberar limite do cartão de crédito ou gerar cashback com mais rapidez. Agora, é possível pagar a fatura do cartão com via Pix, acelerando a liberação de limite e a devolução do cashback. Veja como fazer:

  • Abra o app do Inter;
  • Clique em “Pix”, “Pagar com Pix” e “Pix com Qr Code”;
  • Leia o QR Code disponível na fatura;
  • Confira se os gatos estão corretos e aperte em “Continuar”;
  • Confirme a operação.

O limite é liberado no mesmo dia, enquanto em outros tipos de pagamento isso pode levar até 72 horas. O cashback retorna em cerca de seis dias.

Continue lendo

MAIS ACESSADAS